MENU

15/11/2022 às 21h53min - Atualizada em 15/11/2022 às 21h53min

Livros & Leitura

Leia e comente.

Da Redação
GB Edições

Cultivando Alegria

Cultivar um jardim ou uma horta está associado ao controle do estresse, ansiedade e até depressão. Será que é possível ligar o conceito de hortoterapia com autoconhecimento? Quem propõe esse método é a ex-atriz da Broadway Maria Failla, que publicou nos Estados Unidos a obra “Growing Joy”, trazida para o Brasil pela Editora Latitude sob o título “Cultivando Alegria”. Para além de pás, adubos, substratos e fertilizantes, Maria convida os amantes de plantas a explorar as raízes mais profundas do bem-estar e equilíbrio emocional. As 240 páginas são recheadas de conselhos e relatos pessoais da relação profunda da “hoster” do canal Bloom and Grow com a natureza. A “mãe de planta” declarada desperta nos leitores um desligamento do estresse causado pela vida moderna. “Trata-se de celebrar os períodos pelos quais nossas plantas e nós mesmos passamos, acreditando que tudo é cíclico e tudo retornará quando for a hora”, prenuncia a autora. Seja para um cuidador de plantas avançado ou aquele capaz de cuidar apenas de uma suculenta, “Cultivando Alegria” ajudará leitores a se reconectarem com natureza e consigo mesmos. O livro tem 240 páginas.
 

A Máquina e a Mente

Quanto vale os dados que os governos e as empresas produzem todos os dias, e que precisam armazenar com segurança? E quão dependentes desses mesmos dados são as instituições públicas e privadas? Além da questão financeira, o valor dessas informações pode ser contabilizado por outro aspecto, talvez mais perigoso: o da influência política. O tráfico de informações valiosas pode se transformar num jogo arriscado, ao ser manipulado por pessoas cujos interesses nem sempre são muito transparentes. É a partir desta perspectiva que o consultor em Tecnologia da Informação e escritor Denio C. Machado move as peças no lançamento “A Máquina e a Mente”. Com experiência de 32 anos no setor, o autor desenvolveu uma trama de mistério que repercute as consequências do encontro entre as ambições pessoais do empresário fundador da jovem startup “TecnoFy”, Demétrio Borja, e a corrupção institucionalizada, representada pela figura de Jurandir Grael, um deputado federal oportunista e inescrupuloso. Além de Demétrio e Jurandir, outros personagens ganham destaque e contribuem para aguçar a aura enigmática da obra. Heloísa Tavares, gerente de vendas em uma multinacional de Informática e esposa do empresário, com quem tem uma relação conturbada; Norberto Fróes, o competitivo colega de trabalho dela e exímio jogador de xadrez; e Adaílton Rodrigues, funcionário da “TecnoFy”, com um passado nebuloso marcado por traumas relacionados ao racismo, complementam o time de fortes personalidades que se conectam e movem o enredo numa sucessão de acontecimentos surpreendentes. Recheado de suspense e intrigas, o livro percorre o universo sombrio dos hackers, ataques cibernéticos e vazamento de informações, combinando tecnologia, política, traições, racismo e o jogo de xadrez. Com 222 páginas, o livro é da LC Editorial.
 

Silêncio de Marias

Maria Dolores, Maria Madalena, Maria do Socorro, Maria Aparecida, Maria das Graças, Maria Bonita, Maria Batista, Maria José, Maria do Carmo, Maria Edvirges, Maria Norma e Maria Flor. Mulheres com o nome mais comum do Brasil, de acordo com os 11,7 milhões de registros levantados pelo Censo de 2010 do IBGE, ganham voz no livro de contos “Silêncio de Marias”, de Núbia Pimentel. As histórias narradas pela escritora podem ser familiares para os brasileiros. Muitos já conheceram, ou pelo menos leram em uma matéria de jornal, casos de mulheres que sofreram violência doméstica. Também devem ter visto meninas que, com a vontade de se aventurar por um universo de brincadeiras considerado masculino, tiveram suas criatividades reprimidas. Nesta obra, o objetivo da autora é dar visibilidade àquelas situações que, de tão recorrentes, passam despercebidas por grande parte da sociedade. Uma das narradoras, por exemplo, relata a dura realidade de uma conhecida vizinha. No bairro, todos sabiam sobre o contexto violento em que a mulher estava inserida, mas ninguém fazia nada. O silêncio imperava. Escritora negra, Núbia Pimentel não se restringe à estrutura patriarcal do Brasil, mas também demonstra os problemas do racismo em seus textos. Uma das personagens, ainda na juventude, descobre as diferenças nas relações entre pessoas pretas e brancas. São casos de vida como estes, com desfechos trágicos, outros felizes, alguns sem um ponto final, que são expostos em “Silêncio de Marias”. Com 48 páginas, o livro é da Editora Chiado Books.
 

Crianças e Adolescentes no Mundo Digital

Alessandra Borelli, advogada especializada em Direito Digital e Proteção de Dados, sócia e CEO da Opice Blum Academy, acaba de lançar, o livro "Crianças e Adolescentes no Mundo Digital - Orientações Essenciais para o Uso Seguro e Consciente das Novas Tecnologias". Dados da edição mais recente da pesquisa TIC Kids Online Brasil, realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), indicam que 93% dos brasileiros com idades entre 9 e 17 anos são usuários de internet. Essa é uma realidade sem volta. Quando utilizada com consciência e responsabilidade, a Internet e todos os demais avanços tecnológicos representam mecanismos espetaculares e incomparáveis, tanto para a comunicação como para acesso à informação, entretenimento e até educação. Por outro lado, o acesso a conteúdos inadequados à capacidade de compreensão de crianças e adolescentes é facilitado, assim como a sua vulnerabilidade à pornografia e a ações de aliciadores acaba sendo potencializada. Ofendem e são ofendidos, expõem a própria privacidade e da família, e, quando não são vítimas, cometem, muitas vezes sem saber, inúmeras infrações. Portanto, conhecer os perigos a que estão sujeitos também no ambiente digital é fundamental para se criar mecanismos e estratégias a fim ajudá-los a desfrutar das novas tecnologias de forma segura e consciente. Este livro, de forma realista, prática e acolhedora tem o objetivo de dar às famílias e às escolas as respostas para muitos de seus questionamentos, entre eles, como bem direcionar crianças e adolescentes para o uso seguro e saudável das novas tecnologias. Não se pretende, absolutamente, reprimir, tampouco criticar as inovações tecnológicas, mas sim fazer com que tomem conhecimento da seriedade que reveste o universo digital, de modo que possam se resguardar de suas armadilhas e aprender a tirar dele o melhor proveito possível. É da Autêntica Editora.

 
Notícias Relacionadas »
Comentários »