MENU

19/09/2022 às 23h45min - Atualizada em 19/09/2022 às 23h45min

“Comi e não morri”

Ludmila Pereira de Araujo Souza
Ludmila Pereira de Araujo Souza *

“Comi e não morri”. Quem nunca ouviu essa frase? Ou até mesmo, proferiu-a, não é mesmo?!

A verdade é que todos nós, em algum momento, ainda que inconscientemente, pensamos isso quando, nesse vasto mundo do conhecimento que não pára de atualizar, surgem mais algumas novidades sobre alimentação e nutrição: é o leite que antes era essencial para diversas funções no organismo, agora “dizem” que não pode mais; é o açúcar que sempre adoçou a vida de todo mundo, mas atualmente é tido como vilão para a nossa saúde; é o glúten... Mas quem é o glúten mesmo? Deixa para lá... Isso é assunto para outro momento...

A discussão que trago hoje para essa coluna é como práticas alimentares antes tidas como saudáveis e naturalmente presentes em nosso cotidiano podem sofrer tantos revestrés ao longo dos anos. E já vos trago a resposta, caríssimos leitores: sem dúvida alguma, a grande industrialização da nossa alimentação é a responsável pela nossa mudança de hábitos alimentares, de estilo de vida e, consequentemente, de saúde. É um impacto geral.

Desde a Segunda Guerra Mundial, tivemos um “boom” no desenvolvimento da tecnologia, voltada para o campo, para a indústria e atingindo diretamente as pessoas e suas casas. A inovação em maquinários e utensílios, como geladeiras, liquidificadores, fornos e afins, de fato, veio para facilitar a vida de toda a sociedade.

Com o decorrer dos anos, esses processos industriais foram sendo cada vez mais aperfeiçoados, atingindo diretamente a alimentação das pessoas, objetivando facilitar o dia a dia. Em contrapartida, à medida que esse processo de industrialização cresceu e que novos produtos alimentícios foram sendo criados, aquela alimentação mais natural, saudável, vinda da terra, como frutas, verduras e legumes, foi sendo deixada de lado.

Sabe aquela laranja suculenta e deliciosa? No cotidiano, ela é facilmente trocada por um refresco pronto que apresenta açúcar como primeiro ingrediente da lista e não a própria fruta.

Sabe aquele macarrão que já vem com um sache de tempero prontinho e te promete rapidez, sabor e muita praticidade no preparo? Ele é um industrializado de péssima qualidade.

E assim, são tantos produtos alimentícios advindos da indústria inseridos na nossa alimentação, carregados de muita gordura, açúcar, sal, corantes, conservantes e aditivos alimentares e que fazem tão mal à saúde. Eles chegaram e tomaram de conta da vida das pessoas, então aquela comida de verdade que era presente na vida da população tem sido cada dia mais deixada de lado... E adivinha quem vai pro ralo... Isso mesmo, a nossa saúde!
________________________________________________________________________________________________

* Ludmila Pereira de Araujo Souza é Nutricionista, especialista em Nutrição Clínica com ênfase nas enfermidades renais
 

Notícias Relacionadas »
Comentários »