MENU

04/09/2020 às 00h00min - Atualizada em 04/09/2020 às 00h00min

Agente de saúde é preso em Imperatriz suspeito de envolvimento na morte empresário em Açailândia

Outro suspeito foi preso em Açailândia e as investigações apontam a existência de uma terceira pessoa que está foragida

Dema Oliveira
Empresário Douglas Silva foi assassinado com um tiro na cabeça - Fotos: Divulgação/Whatsapp
A Polícia Civil, por intermédio da 9ª Delegacia Regional de Açailândia, Delegacia da Mulher e 10ª Delegacia Regional de Imperatriz, prendeu nesta quinta-feira (3) dois homens suspeitos da autoria do assassinato de que foi vítima o empresário açailandense Douglas Costa Silva. 
Os suspeitos presos foram Kerton Roberto Vieira Oliveira, 35 anos, cujo mandado foi cumprido em Açailândia, e o agente de saúde Edipo de Oliveira Silva, 29 anos, que foi preso na Lagoa Verde, em Imperatriz, também em cumprimento de mandado prisão. Edipo é lotado no posto de saúde da Lagoa Verde.
Os dois homens, após tomarem conhecimento dos mandados de prisão temporária, foram ouvidos e ao tomarem conhecimento do mandado de prisão foram avaliados com exame de corpo de delito e em seguida levados para a Unidade Prisional de Ressocialização de Açailândia, onde se encontram custodiados até ulterior deliberação da justiça.
As investigações apontam que existe uma terceira pessoa suspeita de envolvimento no crime, que está sendo procurada para que o mandado seja cumprido. A Polícia Civil não forneceu o nome do suspeito que está foragido.

O caso

O empresário Douglas Costa Silva desapareceu no dia 16 de janeiro de 2020, após ter encontrado com os suspeitos com o objetivo de irem ver uma chácara no sentido Açailândia/Imperatriz, às margens da BR-010. No dia 18 de janeiro, dois dias depois do desaparecimento, o empresário foi encontrado morto em uma mata de eucaliptos, nas proximidades da cidade de Cidelândia, a 60 km de Imperatriz, já em avançado estado de decomposição, sendo em seguida encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML), em Imperatriz. 
O laudo de necrópsia atestou a existência de lesão perfuro-contusa causado por projétil de arma, com sinais vitais na região temporal posterior à esquerda. No dia 20 de janeiro de 2020, foi instaurado inquérito policial com o objetivo de apurar a autoria e colher elementos de materialidade delitiva, tendo sido realizadas diversas diligências que culminaram na identificação de três suspeitos. 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Loading...