MENU

23/05/2022 às 08h17min - Atualizada em 23/05/2022 às 08h17min

Livros & Leitura

Leia e comente.

Da Redação
GB Edições

O Maior Rei Celta

O legado dos celtas influencia práticas e costumes que perduram até hoje. Considerados os primeiros grupos civilizados da Europa, com registros datados a partir do segundo milênio a.C, eles deixaram para a humanidade ensinamentos valiosos sobre aspectos essenciais da vida relacionados à comunidade, família, realização pessoal e empreendedorismo. São estas lições que a druidesa Bandrui de Gergóvia apresenta no livro “O Maior Rei Celta”. Compilado da sabedoria de uma cultura milenar, a obra aproveita a ludicidade de mitos e lendas e apresenta caminhos para a solução de dramas e conflitos vividos pela maioria das pessoas. A partir da jornada de Lug, o maior rei celta na mitologia irlandesa, o leitor encontrará motivação para enfrentar seus próprios gigantes, sejam eles dilemas emocionais ou financeiros. A cada novo capítulo, o protagonista avança em suas batalhas enquanto o leitor dá mais um passo na conquista de sua soberania pessoal, tornando-se dono de suas próprias escolhas. Além dos ensinamentos celtas, Bandrui também aproveita elementos da psicologia analítica junguiana para oferecer insights poderosos sobre como superar problemas que parecem impossíveis de resolver. Pesquisadora da cultura celta há 36 anos, Bandrui de Gergóvia tem como sua missão de vida a preservação e transmissão da riqueza intelectual desses povos. Em “O Maior Rei Celta”, ela compartilha sua expertise no assunto para que qualquer pessoa, independentemente de crença ou religião, possa alcançar a autorrealização, a maturidade emocional, a dignidade e a liberdade em todos os aspectos. Com 298 páginas, o livro é da Editora SGDZ Books.
 

A Era da Intolerância

Radicalismo político, xenofobia e rivalidades nacionais que resultam em conflitos bélicos. Dramas sociais que pareciam superados há muito tempo voltaram a pautar noticiários e rodas de conversa. Impulsionados pelo desenvolvimento da tecnologia e a popularização das redes sociais, fenômenos supostamente arcaicos avançam pelo mundo todo. Para analisar as origens destas novas divisões sociais e contribuir com a indicação de possíveis caminhos para a resolução destes dilemas modernos, Thales Guaracy, cientista político e jornalista vencedor do prêmio Esso de Jornalismo Político, lança o livro “A Era da Intolerância” pela Matrix Editora. Para o autor, a cultura dos discursos antagônicos, marcada pelo eterno cabo de guerra do “nós versus eles”, ganhou novo fôlego a partir do atentado às Torres Gêmeas, em 2001, e se mostrou completamente enraizada durante a pandemia iniciada em 2020. Guaracy elenca acontecimentos econômicos, políticos, sociais e a revolução tecnológica como fio condutor para construir sua narrativa. Segundo ele, as últimas duas décadas registraram uma crescente de incertezas e conflitos que definem o início do Século XXI. O livro formado por 16 capítulos reforça como a liberdade, que fortaleceu a democracia no mundo pós-guerra fria e resultou em transformações positivas na economia e nos costumes, também impulsionou o desemprego em massa e a exclusão social. O retorno dos governos autoritários, o fortalecimento das ameaças à democracia e a definição dos limites da liberdade são alguns dos temas apresentados ao leitor de maneira profunda e didática. “A Era da Intolerância” é uma leitura indicada para quem deseja entender como a sociedade chegou a esse momento tão dividida: opiniões se transformaram em armamento e oposições ganharam ares de conflitos irremediáveis. Além de se aprofundar nas origens da intolerância, o autor aponta soluções e desenha o caminho para a construção de relações pautadas pelo respeito à liberdade. O livro tem 312 páginas.
 

Geração 3000

Diferenças de valores, criação, adaptação a novas tecnologias e conceitos, políticas internas e externas, são características que acabam se unindo em um mesmo ambiente de trabalho. Pessoas mais jovens ou mais velhas encontram dificuldades diferentes no relacionamento interpessoal. Embora esses mal-entendidos intergeracionais ocorram em várias situações, no mundo corporativo as diferenças ocorrem de forma mais acentuada. Com o envelhecimento da população e a maior expectativa e qualidade de vida, segundo o IBGE, entre 2012 e 2016, o grupo de idosos - pessoas com 60 anos ou mais - cresceu 16%, acarretando no aumento da vida útil corporativa. Ativos, os profissionais mais experientes chegam à idade de se aposentar, mas querem continuar cultivando seus laços sociais, mantendo-se úteis. Já a nova geração chega ao mercado de trabalho altamente conectada com as redes sociais e todas as facilidades e agilidades que a tecnologia proporciona. A autora do livro “Geração 3000 - Um Novo Líder Para Um Novo Cérebro e Uma Nova Sociedade”, publicado pela Literare Books International, Iracy da Costa, aponta que os principais desafios para quem lidera, é compreender esta nova realidade pessoal e profissional. “Para que se construam um ambiente corporativo produtivo e saudável, é preciso entender como as gerações pensam e o que valorizam. A nova geração, além de conectados, inovadores e questionadores, estes jovens tendem a propagar ideias destrutivas de forma muito particular”, revela. A obra de Iracy da Costa é um verdadeiro guia que trata desde os aspectos pedagógicos até maneiras para suprir necessidades emocionais, evidenciando, sobretudo, as diferenças entre as gerações e como trabalhar com os conflitos intergeracionais. O livro tem 272 páginas.
 

Onde Estavam os Meus Olhos?

Será que nós ainda sabemos ouvir? Ou estamos muito mais preocupados em gritar sobre as nossas próprias ideias? “Onde Estavam os Meus Olhos? – Ainda Sobre Leveza”, do autor Sacolinha, é um livro provocante e ao mesmo tempo suave, que traz alívio em meio à sociedade caótica em que vivemos. Ele dá sequência à trilogia da “Leveza”, após o sucesso de “Dente-de-leão: a Sustentável Leveza de Ser”. Composta por 15 crônicas, a obra foi inteiramente escrita a partir do conceito “skin in the game”, ou seja, o autor viveu o que registrou. O resultado não poderia ser melhor. Com 20 anos de carreira e 10 livros publicados, Sacolinha encanta com uma visão de mundo provocativa e com fortes críticas sociais. O livro trata também de temas como naturopatia e educação financeira. Um livro escrito por um romancista, contista e cronista experiente, mas, acima de tudo, por alguém que sabe ouvir. Perfeito para desacelerar, refletir e se impactar. Uma publicação da Editora Vasto Mundo, “Onde Estavam os Meus Olhos? – Ainda Sobre Leveza”, tem 144 páginas.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »