MENU

12/10/2022 às 00h00min - Atualizada em 12/10/2022 às 00h00min

Bastidores

CORIOLANO FILHO

CORIOLANO FILHO

CORIOLANO Miranda Rocha FILHO, passou a comandar a Redação depois de ter passado por praticamente todos os setores do jornal.

Denúncias 

O aplicativo Pardal, da Justiça Eleitoral, já recebeu 37.951 denúncias relativas às Eleições Gerais de 2022 desde quando foi reativado, em 16 de agosto. Os dados são desta segunda-feira (10). Só na data da votação do primeiro turno do pleito, dia 2 de outubro, o app recebeu 5.332 denúncias, um recorde para um único dia. O Pardal está apto a receber as seguintes denúncias: compra de votos; uso da máquina pública; crimes eleitorais; e propaganda irregular. A apuração de todas as denúncias compete ao Ministério Público Eleitoral. Os eleitores paulistas foram os que mais registraram queixas no aplicativo, com 5.674 denúncias até agora, seguido por Pernambuco (4.321), Minas Gerais (3.836) e Rio Grande do Sul (3.006). Por região, o Sudeste lidera com 13.420 denúncias, seguido pelo Nordeste (11.181), Sul (6.429), Centro-Oeste (4.190) e Norte (2.731). Já com relação aos cargos em disputa nestas eleições, a maior parte das denúncias envolve campanhas de deputado federal (12.802), seguidas das de deputado estadual (12.607), presidente (3.568) e governador (2.960). No ícone “Orientações”, dentro do próprio app, o eleitor pode tirar todas as dúvidas sobre o que se pode e o que não se pode fazer em propaganda eleitoral. O aplicativo encaminha a denúncia diretamente para o link do Ministério Público do estado do denunciante. Mas lembre-se: é necessário ter provas da suposta irregularidade, como fotos, áudios ou vídeos. O cidadão pode escolher realizar a denúncia de forma anônima ou não. 

Pedido

A presidente e o corregedor do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão, desembargadora Angela Salazar e o desembargador José Luiz de Almeida, receberam visita institucional do governador Carlos Brandão, reeleito no dia 2 de outubro. A presidente aproveitou para solicitar mais atenção e ampliação nas políticas públicas do estado, em especial as relacionadas às mulheres negras e quilombolas. “Amplie esse olhar para esse povo que vive em situação de vulnerabilidade”, registrou.

Eleição municipal

No próximo dia 30 de outubro, data do segundo turno das Eleições Gerais de 2022, os eleitores de oito municípios também vão às urnas para eleger novos prefeitos e vice-prefeitos em eleições suplementares. O pleito municipal ocorrerá nas seguintes cidades: Cachoeirinha (RS), Canoinhas (SC), Cerro Grande (RS), Entre Rios do Sul (RS), Joaquim Nabuco (PE), Pesqueira (PE), Pinhalzinho (SP) e Vilhena (RO). A nova votação foi convocada porque os prefeitos eleitos em 2020 tiveram o mandato ou o registro cassados pela Justiça Eleitoral. 

Olha aí!

Atualmente 32 partidos estão registrados no TSE. Desses, apenas treze, incluindo federações, conseguiram superar a cláusula de barreira na votação do dia 02 de outubro. Os que não superaram perderão o acesso aos fundos partidário e eleitoral a partir do ano que vem, além de perda de tempo na TV e rádio. Os partidos são: Patriota, Solidariedade, PSC, Pros, PTB, PRTB, PMN, Agir, DC, PMB, PCB, UP, PSTU e PCO.

Choro de perdedor

Lobão Filho alega “compra de votos” para justificar o seu fracasso nas urnas. Ele esperava obter cerca de 150 mil votos, mas conseguiu nas urnas apenas 21.459, ficando na terceira suplência pelo MDB. Do partido, foi eleita apenas Roseana Sarney. Na frente de Edinho Lobão ficaram Hildo Rocha e João Marcelo. 

Assédio eleitoral

Conforme informação da GloboNews, o Ministério Público do Trabalho (MPT) já recebeu 169 denúncias de assédio eleitoral. Considerado crime, o assédio eleitoral acontece quando empregador coage funcionário, ameaçando ou prometendo benefícios para que vote em determinado candidato. A maioria dos casos é na região Sul: Paraná - 29, Rio Grande do Sul - 26 e Santa Catarina – 24. No Nordeste são 23 casos.  
Leia Também »
Comentários »
OPROGRESSONET Publicidade 1200x90