MENU

25/09/2022 às 12h37min - Atualizada em 25/09/2022 às 12h37min

Primeira versão de “Sinhá Moça” já é sucesso no Globoplay

Com 172 capítulos, a novela foi reexibida no “Vale a Pena Ver de Novo” em 1993 e em 2018 no Canal Viva.

Da Redação
GB Edições
Lucélia Santos interpretou a personagem-título Sinhá Moça na novela de Benedito Ruy Barbosa, exibida em 1986 / Foto: Nelson Di Rago
  
Disponível desde a última segunda-feira no Globoplay, a versão original de “Sinhá Moça” está fazendo grande sucesso com os saudosistas de plantão, após 36 anos da primeira exibição da novela escrita por Benedito Ruy Barbosa.

Originalmente a trama foi exibida de 28 de abril a 14 de novembro de 1986, na faixa das 18 horas, mais conhecida como “novela das seis”.

Dirigida por Reynaldo Boury e Jayme Monjardim, a trama chegou na plataforma digital e relembra a história de Maria das Graças Ferreira Fontes, a Sinhá Moça (Lucélia Santos), filha do Barão de Aruana, interpretado por Rubens de Falco. A jovem, contrariando o pai, se une a Rodolfo (Marcos Paulo) e vai em busca da alforria dos escravizados da região.

A novela abordou assuntos como paixão, política e liberdade em vários aspectos. Exemplo disso é a personagem de Patrícia Pillar, a misteriosa Ana do Véu que tentava se livrar da promessa da mãe Nina (Normal Blum) à Santa Rita. O juramento prometia a jovem em casamento ao justiceiro Rodolfo e por essa razão, Ana tinha que andar com um véu tampando o rosto até o dia de seu casamento com o rapaz. Durante toda a novela a atriz interpretou a personagem com o rosto coberto. 

A angústia de Ana do Véu ganhou um acalanto quando o irmão do prometido Rodolfo, o Ricardo, vivido por Daniel Dantas, se aproxima de Ana para consolá-la. Mesmo sem nunca ter visto o rosto da moça, Ricardo se apaixona e causa uma bagunça na fé dos devotos. Para o público, o rosto de Patrícia Pillar já era conhecido, mas ao ser revelado no folhetim, gerou surpresa e encantamento, além da liberdade definitiva de Ana.

Em 2006 a Globo fez um remake da trama. Também escrita por Benedito Ry Barbosa, mas desta vez com colaboração de suas filhas Edmara e Edilene Barbosa e contou com Débora Falabella, Danton Mello, Patrícia Pillar e Osmar Prado nos papéis principais.

 

Notícias Relacionadas »
Comentários »