MENU

22/07/2022 às 23h36min - Atualizada em 22/07/2022 às 23h36min

Prefeitura de Araguaína e Polícia Militar realiza ação para evitar ocupação irregular de áreas públicas

Foram retiradas marcações, cercas de arame farpado e barracos de lona sem moradores de uma área pública na divisa entre os setores Universitário e Araguaína Sul

Marcelo Martin
Ascom/Araguaína
Outro problema causado pelas ocupações irregulares é o dano ambiental, principalmente à beira de córregos e rios, que têm como primeiro ato o desmatamento- Foto: Ascom/Araguaína - Marcos Sandes
 
A Prefeitura de Araguaína vem realizando ações para evitar ocupação irregular de áreas públicas e de APP (áreas de proteção ambiental). Nessa semana foram retiradas marcações, cercas de arame farpado e barracos de lona sem moradores de uma área pública que fica na divisa entre os setores Universitário e Araguaína Sul, na continuidade da Rua Platão.

“Os locais são impróprios para moradias e quando ocupados de maneira irregular dificultam a implantação do asfalto, calçadas e unidades de saúde, educação e assistência social por parte da Prefeitura. Além de ser um risco para saúde de todos, principalmente crianças e idosos”, afirmou a fiscal do Demupe (Departamento de Posturas e Edificações) Isabela Cunha.

Outro problema causado pelas ocupações irregulares é o dano ambiental, principalmente à beira de córregos e rios, que têm como primeiro ato o desmatamento. Essas intervenções são as maiores responsáveis por problemas ambientais, como a erosão e alagamentos. Quem realiza essa ocupação acaba assumindo um risco de segurança para os membros da família e bens materiais.

“Na região da Rua Platão há a nascente do Córrego Engano. Por causa das intervenções humanas ao longo das margens, o leito já reduziu 80%. O local era uma chácara particular e tinha um banho muito usado, e hoje não passa de um fio de água”, contou o secretário da Defesa Civil de Araguaína, Ricardo Isaias.

 Além do Demupe e Defesa Civil, participaram da ação a Secretária da Infraestrutura, Guarda Municipal de Araguaína e Polícia Militar.
 

Realocação das famílias

De 2014 a 2016, mais de 250 famílias foram realocadas por meio dos programas habitacionais feitos em parceria com a Caixa Econômica Federal. Elas foram retiradas de áreas de risco dos setores Camargo, Santa Terezinha, Santa Luzia, Palmas, Universitário, Anhanguera, Martins Jorge, Tereza Hilário, Raizal, Ana Maria e Araguaína Sul.
 

Capital da Habitação no Tocantins

Para diminuir o déficit habitacional em Araguaína e proporcionar uma moradia segura e com acesso a todos os serviços de saúde, educação e assistência social, a Prefeitura criou o segundo maior programa de habitação da Região Norte do Brasil. Já são 6.151 casas entregues ou em construção em bairros com infraestrutura completa e outras 1.500 casas serão construídas.

Notícias Relacionadas »
Comentários »