MENU

OPROGRESSONET Publicidade 728x90
26/03/2023 às 11h39min - Atualizada em 26/03/2023 às 11h39min

Paralisia facial: causas e tratamento

Neste episódio a otorrinolaringologista Mariana Hausen Pinna dará detalhes sobre a paralisia facial.

Drª Mariana Hausen Pinna - Canal Doutor Ajuda
Brasil 61

       
Você conhece alguém que de repente ficou com um lado do rosto paralisado sem conseguir mexer direito? Sabe o que fazer e por que isso acontece? Neste episódio a otorrinolaringologista Mariana Hausen Pinna dará detalhes sobre a paralisia facial.

A paralisia facial periférica acontece por lesão direta ou inflamação do nervo facial responsável pela movimentação dos músculos da face. 

Como funciona a relação do cérebro e do nervo facial com o músculo?

É no cérebro que pensamos e a partir dele que vem o comando, como por exemplo, sorrir. Esse comando é levado pelos nervos até o músculo que está relacionado a esse movimento, o nervo aciona o músculo e assim conseguimos realizar o movimento desejado. Se por alguma razão, o nervo não leva esse comando ao músculo, ele não vai funcionar, e é isso que acontece no caso da paralisia facial.

O nervo facial e seus ramos ligam e comandam todos os músculos relacionados à expressão da face. Existe um nervo facial de cada lado do nosso rosto e ele possui vários ramos, como se fossem galhos de uma árvore, que comandam os músculos da expressão de todo o rosto. Ele é responsável também pela pálpebra, controlando o movimento de fechar os olhos quando piscamos.

Na paralisia facial periférica, o nervo deixa de realizar esses comandos e a partir daí aparecem os seguintes sintomas:

  • Diminuição da movimentação de metade do rosto. O lado afetado fica com menos rugas, não é possível franzir a testa de um dos lados;
  • A boca torta. Se você teve paralisia do lado esquerdo do rosto, a boca fica torta do lado direito;
  • Há dificuldade de fechar o olho do lado afetado. A piscação diminuiu e isso prejudica a lubrificação do olho;
  • Em alguns casos o paciente pode ter lacrimejamento e gosto metálico na boca;
  • Pode afetar ambos os lados, mas normalmente só um lado é afetado.

Tudo isso ocorre de maneira súbita, de uma hora para a outra esses sintomas aparecem.

Uma outra informação importante a ser avaliada, é se a paralisia acontece na parte de cima do rosto, ou seja, se a pessoa não consegue mexer a testa. Isso é importante para diferenciar a paralisia central (que na maioria das vezes não afeta a parte de cima do rosto), da paralisia periférica que atinge toda a metade do rosto. 

Se isso estiver acontecendo com você, busque ajuda em um pronto-socorro para avaliação da situação.

Causas

As causas da paralisia facial são:

  • Idiopáticas. A paralisia idiopática ou paralisia de Bell, não tem causa completamente definida, há evidências de envolvimento do vírus de herpes simples, vasculares e autoimunes. É comum que essa paralisia piore nos cinco primeiros dias de sintomas e pode haver dor no ouvido ou atrás dele.
  • Traumáticas. Causadas normalmente por fraturas no osso que fica localizada atrás da orelha, podem acontecer também por lesões causadas por arma de fogo, lesões durante o parto ou em cirurgias de ouvido. Na grande maioria das vezes, esse tipo de paralisia traumática, precisa ser tratada por meio de cirurgias
  • Infecciosas. Podem ter causas virais como caxumba, mononucleose, herpes do tipo 1 ou bacterianas secundárias como a tuberculose e a sífilis. 
  • Tumorais. Podem ser por tumores do próprio nervo facial ou por outros tumores do sistema nervoso central.
  • Congênitas.

Em todas as causas de paralisia facial é importante começar o tratamento o quanto antes, para diminuir as chances de sequelas. Vale saber que, em muitos casos, a recuperação é completa, mas em outros pode haver melhora com alguma assimetria da face mantido após a recuperação.

Diagnóstico

Um dos pontos mais importantes é diferenciar a paralisia periférica facial de um AVC, popularmente conhecido por derrame. No AVC a pessoa também pode ficar com a boca mais torta para um dos lados, e com isso, confundir o diagnóstico. Outras características que são comuns no AVC que podem ajudar a diferenciar é que a dificuldade na movimentação não fica restrita ao rosto, como na paralisia facial periférica. Quando ocorre o derrame, é comum que a pessoa não consiga mexer braço e perna de um dos lados, pode ter dificuldade para falar, confusão mental, dentre outros. E isso não ocorre na paralisia facial.

O diagnóstico é clínico, baseado na história e exame físico detalhados. Em alguns casos pode ser indicado a audiometria (exame mais utilizado para avaliação básica da audição), eletroneuromiografia (exame neurofisiológico utilizado no diagnóstico de lesões no sistema nervoso periférico) e a ressonância magnética.

Tratamento

Na grande maioria dos casos, no tratamento é utilizado corticoide via oral e antivirais. A fisioterapia motora sem o uso de choques também ajuda na melhora. Em outros casos como tumores e traumas direto ao nervo, o tratamento precisa ser cirúrgico. É sempre muito importante a lubrificação do olho do lado atingido, para evitar lesões de córnea. 

Se você ou algum conhecido, apresentar sintomas de paralisia facial periférica, não deixe de procurar o médico, de preferência um otorrinolaringologista. 

>>> Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda no Youtube.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
OPROGRESSONET Publicidade 1200x90