MENU

22/11/2022 às 15h42min - Atualizada em 23/11/2022 às 00h06min

Campanha de vacinação da febre aftosa se encerra no fim de novembro

A partir de 2023 11 estados e o Distrito Federal serão consideradas zona livre de febre aftosa sem vacinação

SALA DA NOTÍCIA Rodolpho Cautella

O segundo ciclo da vacinação contra febre aftosa está em curso e se encerra no fim de novembro. Ao todo serão imunizados 161 milhões de bovinos e bubalinos, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O calendário contempla 20 estados da federação e o Distrito Federal.
 

Em dez estados (AL, AM, CE, MA, PA, PB, PE, PI, RR e RN), a vacinação ocorrerá em animais de até 24 meses. Para as 11 unidades da Federação (BA, ES, GO, MG, MS, MT, RJ, SE, SP, TO e DF), que compõem o Bloco IV do Plano Estratégico do Programa Nacional de Vigilância da Febre Aftosa (PE-PNEFA), a vacinação em novembro será para bovinos e bubalinos de todas as idades. 
 

Fim da obrigatoriedade da vacina
 

A partir de janeiro de 2023 a vacina contra febre aftosa deixará de ser obrigatória em sete unidades da federação DF, ES, GO, MT, MS, MG e TO. Atualmente somente os estados de SC, PR, RS, AC, RO e partes do Amazonas e MT possuem certificação internacional de zona livre de febre aftosa sem vacinação.

Este é um passo importante para a pecuária nacional, pois dá ao país destaque e reconhecimento internacional ao país junto à Organização Mundial da Saúde Animal, possibilitando negociações com novos parceiros comerciais.
 

Mas para que o pecuarista consiga aproveitar esta oportunidade, é necessário manter o calendário vacinal do rebanho em dia. “É essencial que o pecuarista tenha um controle rígido de vacinação na fazenda. Controlar doenças, parasitas e infecções no rebanho são formas de aumentar a produtividade e a rentabilidade do negócio”, disse o Gerente Técnico da Zoetis da Zoetis, Juliano Melo.
 

Vacinas contra brucelose, raiva, clostridiose, diarreia neonatal, são algumas das vacinas essenciais e que ajudam a manter a sanidade do rebanho. “Estruturar o calendário, mapear os manejos da fazenda são fundamentais para garantir o sucesso desse processo”, disse o especialista.
 

Veja algumas dicas para manter a sanidade do rebanho:
 

- Identificar os manejos que ocorrem dentro da fazendo (estação de monta, estação de nascimento, confinamento, campanhas oficiais na região da fazenda, etc.)
 

 - Quais os programas de controle estratégicos são adequados/necessários para a propriedade (controle de carrapatos, controle de verminoses, controle de mosca do chifre, etc) 
 

- Estruturar o calendário com todas as vacinas, vermífugos de forma a ter um cronograma anual de atividades

“Essa ação permite ao pecuarista estar preparado para os principais desafios de sua propriedade, alinhado com as exigências do Mapa e ainda com um plano de atividades, compras que irão auxiliar na execução das atividades rotineiras da fazenda”, finaliza Juliano..

 

Sobre a Zoetis 

Como empresa líder mundial em saúde animal, a Zoetis é movida por um propósito singular: fortalecer o mundo e a humanidade por meio da promoção do cuidado com os animais. Depois de quase 70 anos trazendo inovações na maneira de prever, prevenir, detectar e tratar doenças em animais, a Zoetis continua a apoiar aqueles que criam e cuidam de animais em todo o mundo – de pecuaristas a veterinários e tutores de animais de estimação. Todo o seu portfólio de medicamentos, vacinas, diagnósticos e tecnologias terapêuticas, e aproximadamente 11.300 funcionários fazem a diferença em mais de 100 países. Em 2021, a Zoetis obteve um faturamento de US$ 7,8 bilhões. Para outras informações, clique aqui

 

Informações à imprensa | Little George 

Rodolpho Cautella – [email protected] 

Jaqueline Frederes – [email protected] 


Notícias Relacionadas »
Comentários »