MENU

01/11/2022 às 23h12min - Atualizada em 01/11/2022 às 23h12min

Novo caso de varíola dos macacos é confirmado pela Saúde em Araguaína, o segundo até agora

O primeiro caso da doença na cidade foi registrado em 30 de agosto

Assessoria
Paciente com varíola dos macacos - Foto: iStock
 
A Secretaria da Saúde de Araguaína registrou o segundo caso de contaminação pelo vírus monkeypox (varíola dos macacos). O resultado do teste saiu nesta segunda-feira, 31 de outubro.

Conforme o Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS), o paciente é do sexo masculino, adulto, morador de Araguaína, com histórico de viagem. Ao perceber os primeiros sintomas, ele se manteve em isolamento domiciliar e segue sendo acompanhado pela Unidade de Saúde da Família e monitorado pela equipe de Vigilância em Saúde.

 

Casos

Até o momento, dois casos (sem vínculo) foram confirmados em Araguaína, sendo um já curado. Ao todo, a Secretaria da Saúde de Araguaína notificou 18 casos de monkeypox, desses 15 foram descartados e um segue em investigação.

O primeiro caso da doença em Araguaína foi registrado em 30 de agosto, também em um homem, com histórico de viagem.

No Brasil, o primeiro caso de infecção pelo vírus foi registrado no dia 6 de junho, no Estado de São Paulo.

 

Monkeypox

A monkeypox é uma doença viral, em que sua transmissão para humanos pode ocorrer por meio do contato com animal silvestre (roedores) infectado, pessoa infectada pelo vírus monkeypox e por materiais contaminados com o vírus.
 

Sintomas

Os sinais e sintomas, em geral, da monkeypox incluem: erupção cutânea ou lesões de pele: adenomegalia - Linfonodos inchados (ínguas), febre, dores no corpo, dor de cabeça, calafrio e fraqueza. O intervalo de tempo entre o primeiro contato com o vírus até o início dos sinais e sintomas (período de incubação) é tipicamente de 3 a 16 dias, mas pode chegar a 21 dias.
 

Transmissão

A principal forma de transmissão da monkeypox ocorre por meio do contato direto pessoa a pessoa (pele, secreções) e exposição próxima e prolongada com gotículas e outras secreções respiratórias.

Uma pessoa pode transmitir a doença desde o momento em que os sintomas começam até a erupção ter cicatrizado completamente e uma nova camada de pele se formar. A doença geralmente evolui para quadros leves e moderados e pode durar de 2 a 4 semanas.

 

Orientação

Diante da confirmação, o CIEVS, através do plano de contingência do Município de Araguaína para o enfrentamento da doença, ressalta que a principal medida para evitar a contaminação é a prevenção.

“Se você achar que tem sintomas compatíveis de monkeypox, procure sua unidade de saúde de referência para avaliação médica e informe se você teve contato próximo com alguém com suspeita ou confirmação da doença. Se ficar definido como caso suspeito, cumpra o período de isolamento e evite contato próximo com outras pessoas. Higienize as mãos regularmente e siga as orientações para proteger outras pessoas da infecção”, informou a médica infectologista Katiuska Goedel.

Notícias Relacionadas »
Comentários »