MENU

27/05/2022 às 17h05min - Atualizada em 27/05/2022 às 17h05min

Expedição “Pelos caminhos de Frei Manoel Procópio” marca os 170 anos de fundação de Imperatriz

São João do Araguaia (PA) é o marco inicial da segunda parte da viagem do Frei

Da Redação
Assessoria FRT
Em expedição anterior Domingos Cezar entra na foz do rio Araguaia - Foto: Divulgação
    
Após as sete exitosas expedições denominada “Alerta, rio Tocantins”, por águas dos rios Tocantins e Araguaia e seus principais afluentes, o ambientalista/jornalista Domingos Cezar retorna em julho com a expedição “Pelos caminhos de Frei Manoel Procópio”, marco dos 170 anos de fundação da cidade de Imperatriz.
 
À exemplo da expedição “Alerta, rio Tocantins” narrada em duas edições do livro “Expedições pelos rios Tocantins e Araguaia”, esta nova expedição que acontecerá no período de 10 a 16 de julho próximo também será contada em um livro e em documentário a ser exibido nas instituições e redes sociais.
 
No documentário que será produzido pela empresa RT Marketing e Eventos, as pessoas vão conhecer como Frei Manoel Procópio do Coração de Maria recebeu a missão do Conselheiro Jerônimo Francisco Coelho, presidente da Província do Grão-Pará, de fundar uma povoação em terras paraenses no médio Tocantins.  
 
Segundo Domingos Cezar, a expedição terá duas vertentes: a ambiental, com um trabalho de educação ambiental com a população ribeirinha do Maranhão e Tocantins, a partir de Imperatriz (MA) até a foz do Araguaia e a histórica, que resgata a missão do religioso, a partir da Colônia Militar, onde hoje está implantada a cidade paraense de São João do Araguaia.
 
Nesta cidade, a os integrantes da expedição serão recebidos por jornalistas, professores e historiadores. Na oportunidade, Domingos Cezar falará da expedição de Frei Manoel Procópio que cruzou o baixo Tocantins com suas perigosas cachoeiras, como Capitariquara, Canal do Inferno, até chegar à Colônia Militar, na foz do Araguaia.
 
A ideia abraçada pelo ambientalista Domingos Cezar partiu dos imperatrizenses Renato Cortez Moreira Júnior, Deco Garcia e César Valadares tem como objetivo resgatar essa parte da história de Imperatriz que ainda não foi contada pelos nossos historiadores. “Nossa geração e as próximas precisarão conhecer como surgiu Imperatriz”, diz Renato Júnior.
 
Domingos Cezar observa que, naquela época, em todo vale do rio Tocantins, a partir de Belém, só existiam as cidade de Cametá (PA), no Baixo Tocantins e Carolina (MA), no Médio Tocantins, “daí a necessidade de se instalar uma povoação que viesse dar apoio aos navegadores e comerciantes da rota Belém (PA) até Pedro Afonso (GO)”, afirma o jornalista.
 
Apoiadores – Até o momento apoiam esse projeto: Câmara Municipal de Imperatriz, Fundação Rio Tocantins, Associação Comercial e Industrial de Imperatriz, Iate Clube de Imperatriz, Academia Imperatrizense de Letras, RT Marketing e Eventos e Marmogran – Mármores e Granitos. 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »