MENU

15/08/2021 às 00h00min - Atualizada em 15/08/2021 às 00h00min

Óculos de sol tem que ter comprovada certificação de proteção UVB e UVA

E nunca é demais lembrar, recomenda-se visitas regulares ao oftalmologista para um check-up nos olhos.

Da Redação
GB Edições
Foto: Divulgação
   
O assunto não parece novidade, mas a verdade é que muita gente ainda compra óculo de sol sem prestar atenção se o acessório é realmente eficaz para proteger os olhos contra os efeitos nocivos dos raios de sol. A atenção está voltada apenas para o preço e para a beleza da peça. É comum encontrar imitação de óculos de grifes famosas a preços atrativos.

O assunto é sério porque com os olhos não se brinca. Óculos de sol de má qualidade faz um mal danado para a visão. E que afirma isso são os oftalmologistas, especialistas nesse assunto. Quando for escolher óculos de sol, não basta que sejam bonitos e baratos, é essencial que tenham verdadeira certificação de proteção contra os raios UVB e UVA.

A principal função dos óculos escuros é filtrar os raios ultravioletas, infravermelho e outras irradiações, ao mesmo tempo em que permite a pessoa enxergar as mesmas coisas sem alteração de cores.

Segundo os especialistas, os óculos de sol diminuem a luminosidade, as pupilas ficam mais dilatadas, permitindo uma passagem maior de raios ultravioletas. Justamente por as pupilas se dilatarem que as lentes dos óculos de sol devem ter o filtro anti-UV, que protege e bloqueia a entrada da radiação solar indesejada.

Durante a aquisição do acessório, o primeiro item que deve ser avaliado é em relação à proteção contra os raios ultravioletas (UVA e UVB), que devem ser de 100%. Qualquer outro nível de proteção abaixo disso poderá causar queimaduras de retina e córnea, além de outras doenças como catarata, ceratite, doença degenerativa da retina, dores de cabeça e proliferação do pterígio, aquela “carne” que cresce no canto do olho.

As cores das lentes não interferem na eficácia da proteção, porém as mais adequadas são as âmbar, verde, cinza e marrom, pois provoca pouca distorção da visão e das cores do ambiente, o mais importante é que as lentes tenham proteção garantida pelos órgãos competentes e superfície regular para evitar o esforço do cristalino, responsável pela focalização.

Os preços praticados por alguns comerciantes, na venda dos óculos, são bem atrativos, mas é preciso analisar se tal diferença não afeta a qualidade do acessório, já que os produtos sem procedência trazem diversos malefícios à saúde.

O excesso da radiação fica concentrado na parte central da retina, que causa degeneração macular e os principais sintomas são na dificuldade de leitura, no reconhecimento de fisionomias e na distinção de cores ou detalhes, sendo estes nos casos avançados.

Os médicos alertam que é importante lembrar que o uso de óculos de sol, com lentes de qualidade, passou a ser uma necessidade em razão do buraco na camada de ozônio estar cada vez maior. Vale lembrar que as lentes devem sempre ser em resina e nunca em acrílico.

Ao comprar óculos de grau ou de sol, o melhor é procurar um profissional especializado, e mesmo assim se as dúvidas persistirem consulte um oftalmologista. 

Outros cuidados com os olhos também são válidos como evitar passar protetor solar na região dos olhos; não usar lentes de contato na piscina; fazer compressas com soro fisiológico, caso os olhos fiquem irritados em razão da água do mar, piscina e exposição ao sol; uso de óculos escuros sobre as lentes protege os olhos dos raios ultravioletas e, em caso de vermelhidão ou outra irritação nos olhos, procurar um oftalmologista para um diagnóstico preciso.


 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Loading...