MENU

25/03/2021 às 00h00min - Atualizada em 25/03/2021 às 00h00min

Lira elogia decisão do STF e diz que Lava Jato não merece o perdão da História

Luiz Gustavo Xavier
Agência Câmara de Notícias
Para Lira, houve parcialidade, seletividade e perseguições na Lava-Jato - Foto: Acervo Câmara dos Deputados

 
O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), comentou a decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal, que considerou o ex-juiz Sergio Moro suspeito para julgar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Por 3 votos a 2, o STF decidiu que as provas apresentadas sobre o tríplex de Lula serão anuladas. Segundo Lira, a Lava Jato atuou como um Estado policial. Lira também avaliou que a operação enfrentou poderosos, mas agiu parcialmente, foi seletiva e promoveu perseguições.

“O Supremo Tribunal Federal decidiu fazer uma revisão histórica sobre a Lava Jato. A Operação jamais poderá ser contestada em sua coragem de enfrentar os poderosos, os grandes interesses, a corrupção sistêmica. Mas o Estado policial, para o qual a Lava Jato descambou em certos momentos, lamentavelmente, com suas parcialidades, seletividade e perseguições, jamais poderá também merecer o perdão da História”, afirmou Lira em suas redes sociais.

Perseguição

O líder do PT, deputado Bohn Gass (PT-RS), afirmou que a decisão do Supremo Tribunal Federal pela suspeição do ex-juiz Sérgio Moro demonstra que o ex-presidente Lula é inocente das acusações. "Lula foi um perseguido político. Hoje acaba uma das maiores farsas do Judiciário brasileiro", afirmou.

Bohn Gass acusou a Lava Jato de destruir a Petrobrás e provocar a crise econômica e o aumento do desemprego no Brasil. Ele citou estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) em que a Lava Jato seria responsável pela perda de 4,8 milhões de empregos e de R$ 173 bilhões em investimentos.

Crimes

Já o deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS) afirmou que o ex-presidente Lula não é inocente. "Isto é uma farsa e uma mentira. Lula cometeu crimes contra a nação e se beneficiou da corrupção do seu governo. Deveria estar na cadeia", declarou.

Van Hattem acusou a decisão do Supremo de parcialidade. "A Suprema Corte, em vez de fazer Justiça, está fazendo política", lamentou. "Suspeitos são os ministros que, ao sabor das pressões de políticos, têm feito valer a opinião de parte daqueles que querem se safar da Justiça."


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Loading...