Na mesma

Imperatriz vai continuar com o mesmo número de deputados na Assembleia Legislativa. Dos três atuais não se reelegeu o deputado Léo Cunha (PSC), mas a cidade ganhou Rildo Amaral (SD). Os outros dois são os reeleitos Marco Aurélio e Antonio Pereira, que vai exercer o quinto mandato. A expectativa era de que a bancada fosse ser ampliada para cinco deputados. Em termos de região, dois não voltam em 2019. Além de Léo Cunha, tem a deputada Valéria Macedo. Mas a região ganha dois – Rildo e o Pastor Cavalcante (Açailândia).

Vereador

Quem se deu bem com a eleição do vereador Rildo Amaral (SD) para deputado estadual foi o Sargento Adelino. Ele é o primeiro suplente de vereador da coligação e vai assumir a cadeira de Rildo, a partir de primeiro de janeiro de 2019. Nas eleições de 2014, o então vereador Marco Aurélio se elegeu deputado e o suplente Adonilson Lima assumiu. Mas Marco Aurélio não esperou chegar a véspera da posse para renunciar ao mandato de vereador. Saiu faltando um mês.

Votação I

O deputado Marco Aurélio volta a ser o mais votado em Imperatriz. Obteve 23.908 votos. Cerca de 2 mil a mais em relação às eleições de 2014. Marco Aurélio se reelegeu com 47.683 votos. No pleito anterior teve 30.900.

Votação II

Um dos resultados negativos das urnas em Imperatriz foi relacionado ao ex-prefeito Sebastião Madeira (PSDB). A sua votação no município foi considerada muito abaixo do esperado. Ele ficou em terceiro lugar, perdendo até para o suplente de deputado Davi Alves Silva Jr., que pouco serviço tem prestado à cidade e só aparece de quatro em quatro anos. Madeira obteve apenas 15.848 votos, ficando atrás de Ildon Marques (23.294) e Davizinho (17.257).

Votação III

O candidato a deputado Junior Marreca Filho (PEN) conseguiu em Imperatriz 2.191 votos. Ele foi apoiado por cinco vereadores – Bebé Taxista, Ditola Castro, José Carlos, João Silva e Fábio Hernandes. Segundo eles, a votação está dentro do que foi planejado.

Decepção

O deputado federal José Reinaldo Tavares (PSDB) sofreu uma derrota fragorosa na disputa por uma cadeira do Senado. O ex-governador ficou em sexto lugar, perdendo até para o desconhecido Samoel de Itapecuru (PSL), que obteve 254.721 votos (4,48%), contra 219.147 votos (3,85%) de Zé Reinaldo. Vale lembrar que ele foi o “engenheiro” das eleições vitoriosas de Jackson Lago e Flávio Dino (2014), mas agora errou nos cálculos na sua tentativa de conseguir uma cadeira do Senado.

Campeão de votos

O deputado federal Weverton Rocha (PDT) surpreendeu com a sua votação para o Senado. Obteve mais votos do que o próprio governador Flávio Dino (PCdoB). Foram 1.997.443 votos, a maior votação da história no estado. Superou em mais de 100 mil votos o governador reeleito. Somente em São Luís foram 282.097 votos. Torna-se, assim, uma das maiores lideranças do Maranhão.

Bancadas

O PT, que em 2014 elegeu 69 deputados, continua a maior bancada na Câmara dos Deputados, embora tenha perdido representação. Ficou com 56 deputados. Já o PSL saiu de 1 deputado eleito em 2014 para 52, se tornando a segunda bancada. O efeito Jair Bolsonaro impulsionou o partido nas eleições de domingo. A bancada do MDB cairá de 65 deputados para 34.