MENU

OPROGRESSONET Publicidade 728x90
01/12/2022 às 11h02min - Atualizada em 05/12/2022 às 00h02min

Luiza Leite Ferreira lança livro de poesia na Biblioteca Pública de Niterói

Após estrear “É na cacofonia que eu me escuto” na FLIP, niteroiense divulga a obra em sua cidade

SALA DA NOTÍCIA Daniel Corrêa
Foto: Divulgação
“Não tem silêncio na minha poesia. É na cacofonia que eu me escuto”. É assim que Luiza Leite Ferreira tenta definir sua poética. São versos do poema “Escudo” que acabaram dando nome ao seu livro de estreia “É na cacofonia que eu me escuto”, publicado pela editora Caravana e que a autora autografa na Biblioteca Pública de Niterói neste sábado (03/12), das 11h às 15h, como parte do evento Ocupação Niterói Livros, realizado pelo selo editorial Niterói Livros. 

O evento chega após Luiza lançar seu trabalho na Festa Literária Internacional de Paraty, da qual participou junto ao Coletivo Escreviventes. Este é o seu primeiro livro publicado, mas um marco de uma vida envolta por literatura. Nascida em São Luís (MA), mas criada em Niterói, Luiza Leite Ferreira começou a escrever cedo, incentivada pela mãe e pelos concursos de poesia da escola montessoriana em que estudou. Cresceu preenchendo diários, cadernos e blogs com poesias e pensamentos, criando histórias e personagens e alimentando sonhos e expectativas de seguir carreira literária. Em 2008, aos 18 anos, recebeu menção honrosa no VII Concurso Municipal de Conto de Niterói com o texto “Fuga”, que marcou sua primeira publicação editorial.

Em 2017, já atuando como tradutora após se formar em jornalismo, Luiza foi convidada a integrar e organizar a antologia de contos “Debaixo do mesmo céu” (Numa) por André Diniz, escritor e então presidente da Fundação de Arte de Niterói. O livro foi lançado em novembro de 2020, sem eventos presenciais.

Foi durante a pandemia e após uma série de decepções amorosas que Luiza voltou a encontrar refúgio na escrita, mas também a encarar o ofício com mais profissionalismo.  Passou a acompanhar periódicos de poesia e novos autores, sobretudo mulheres. Integrou dois coletivos de escritores, a Fazia Poesia e o já citado Coletivo Escreviventes, passou a publicar textos com mais frequência em seu blog e em revistas literárias e a trocar experiências com outros escritores. Revisitou cadernos antigos, escreveu um poema por dia e fez muitas edições em seus textos, até achar um formato que foi aceito pela Caravana Grupo Editorial.

Em um período marcado por incertezas, tristezas e um silenciamento profundo que colocou em suspensão a vida como conhecemos, Luiza consegue em “É na cacofonia que eu me escuto” dar voz a tudo aquilo que não consegue gritar. Seus poemas versam de lembranças de infância a decepções amorosas, mergulhos profundos a observações do cotidiano, tentando se fazer ouvir em meio ao caos.

Após a experiência na FLIP, a escritora quer se aproximar de seus conterrâneos na sessão de autógrafos durante o evento Ocupação Niterói Livros. O encontro visa a comemorar os 29 anos do selo editorial da Secretaria de Cultura de Niterói reunindo autores niteroienses para lançamento de livros e a realização de uma foto histórica com escritores da cidade.

O livro “É na cacofonia que eu me escuto” será vendido por Luiza durante o evento, mas também está à venda em formato impresso e digital no site da editora: www.caravanagrupoeditorial.com.br.

Notícias Relacionadas »
Comentários »
OPROGRESSONET Publicidade 1200x90