Clemente Viegas

Clemente Viegas

caminhos por onde andei

AH SE O MEU FUSCA FALASSE!

Eu vou contar pra vocês um trecho da minha vida. É que nesse vai e vem da vida, tem um cara que teve a capacidade (a capacidade) de marcar a minha vida. Se avexe não, foi  aquele meu FUSCA  AZUL, safado, bandoleiro, pé de pano, malandro  e garanhão. Ele mesmo, uma bala de prata que não perdoava uma gata. Era assim ele, meu  tremendo FUSCA ZUL - lá em cima AZUL da cor do céu, cá embaixo, AZUL da cor do mar. Sagitariano, nascido na primavera de 1975, Guerreiro e mulherengo ...

leia mais +

caminhos por onde andei

“OS CACHORROS DO MEU AVÔ”

Hoje, pelo visto, não é o meu dia de escriba. Ainda ao amanhecer, numa troca de áudios via celular, senti uma picada que me desequilibrou. Pronto! A partir daí o dia azedou. Sim, mas já está deliberado que hoje é o dia de mandar o texto para o jornal, até porque, recente,  tenho faltado a algumas edições. E “faltar” ao compromisso nunca foi nem será da minha conduta. Sou fiel aos meus tratos e, para mim “a palavra é o homem e o homem é a palavra”. E isso é conduta ...

leia mais +

caminhos por onde andei

(IN) FIEL DEPOSITÁRIO (2ª edição)

E qual é o católico que não quer ser amigo ou ter alguma afinidade e boas relações com o padre da sua paróquia? Os evangélicos não são diferentes! Viver sob as graças e  simpatia do seu líder religioso é sorver uma sombra.  O sujeito tanto lá quanto cá pode até tirar uma “carta de seguro”, na esperança de que esteja  a caminho do céu.  Afinal ser amigo do padre (para quem é do padre) ou ser amigo do pastor (para quem é do pastor), isso não é pra qualquer um. E ...

leia mais +

caminhos por onde andei

UNS COM TANTO, OUTROS COM NADA

Tava, faz dias, querendo redesenhar um texto sobre aquele meu saudoso FUSCA AZUL.  Natural de São Bernardo do Campo, nascido na primavera de 1975, estaria fazendo 24 aninhos. Azul da cor do céu lá em cima e cá embaixo azul da cor do mar. O cara era uma fera e só faltava falar! Ah se o meu fusca falasse!!! Mulhereeengo! Um carnívoro implacááááável. Um carcará irresistível, indomável. E ali, sim,  era “pega, mata e come”. Festeiro, passava a nooooooite no sereno da festa no clube e quando eu menos imaginava ...

leia mais +

caminhos por onde andei

A ESCOLA DO SERTÃO E DA PALMATÓRIA!!!

Tava eu dia desses, no soturno da noite, quando “pintou” um clarão na minha mente. Era eu na minha Escola do Sertão, a escola das minhas primeiras letras, no tempo do “castigo de joelhos” e do bolo de palmatória. 

Escola Sertãozinho”, do meu tio Mundico do Sertão – gratidão e homenagem que guardo pelo resto da minhas vida! Era princípio, de noite, aquela noite, quando o meu pai chegou da VILA, trazendo uma carta de ABC e uma Tabuada. Lembra da Carta de ABC e da Tabuada?  Era ...

leia mais +

caminhos por onde andei

LEMBRANÇAS  DO MEU GRUPO ESCOLAR PRIMÁRIO

Hoje eu amanheci lembrando daquele meu querido Grupo Escolar Primário, um santuário da minha escola de base. GRUPO ESCOLAR MOTA JÚNIOR, na minha terra natal – São Bento–MA. Aliás, que devoto estima, saudade e gratidão pelas escolas por onde passei, inclusive pela minha primeira escola, da Carta de ABC, da Tabuada e da Cartilha, no tempo da palmatória e do castigo, de joelhos. Agora, imagine aquela dourada e inesquecível e toda minha Escola Técnica Federal, onde fiquei por nove anos; onde fui interno por quatro anos e depois servidor por ...

leia mais +

caminhos por onde andei

O OLHAR DO PÁSSARO SOBRE O GALHO
Escrevi  aqui, faz tempo, um tema denominado “O OLHAR DO PÁSSARO SOBRE O GALHO”. O título é auto-explicativo. Fala por si só. Cheguei a pensar em ficar com ele para dar guarida aos meus textos. Mas, em seguida, escrevi “CAMINHOS POR ONDE ANDEI”.  Hoje, eu ataco de “O olhar do pássaro sobre o galho”. Auto explicativo (rsrsrs).
COISA DE POROVÍNCIA
Era uma vez e aquela província no país de faz de conta,   vivia como sempre viveu os seus altos e baixos que era esse alternativo que dava ...

leia mais +

caminhos por onde andei

CATAÇÃO

E então vivíamos todos na roça, da roça e pela roça.  Posso dizer que as minhas passagens pela roça foram  temporárias. Ocorriam durante os períodos de férias escolares, dos sete até por volta de 20 anos, pouco antes de concluir o curso técnico em desenho, quando então consegui o primeiro emprego. Lembro, aliás, que quando fui consultado sobre minha disponibilidade de assumir o emprego, condicionei-o  à conclusão de uma tarefa de CATAÇÃO na escória da lavoura do meu pai.

Foi uma tolice minha? Sim! Deveria ter abraçado o tão sonhado primeiro emprego, no ...

leia mais +

Clemente Viegas

Viegas, Clemente Barros. (São Clemente papa e mártir). CLEMENTE vem do Almanaque de Bristol, antiga publicação do laboratório farmacêutico. Estudou as primeiras letras na escola da palmatória e dos joelhos ao chão, no sertão. Concluiu o curso primário (na terra natal), no tempo em que a escolaridade era levada a sério. Foi menino de recado e de mandado. Nos cursos Secundário e Técnico no internato da Escola Federal, onde ingressou via do “Exame de Admissão”. Cursou Direito, num tempo em que não havia celular, nem internet, nem FIES, nem as vantagens atuais. Não tinha livros, escrevia em papéis avulsos, taquigrafava as aulas ao verbo dos professores. Morou em casas de estudantes e cortiço, andava a pé, driblou o bonde, poucas roupas, curtiu a “Zona” e jamais dirá que “comeu o pão que o diabo amassou”. Trabalha desde os cinco anos, com intervalo dos onze aos vinte anos. Está na casa dos 73. Não brincou quando criança ou adolescente e na vida adulta tem três brinquedos que os leva a sério: 1 - Escreve a coluna CAMINHOS POR ONDE ANDEI; 2 - Escreve a crônica PÁGINA DE SAUDADE, Rádio Mirante/AM, domingos, há mais de dez anos; 3 - Tem uma “rádio”, com antena de 300 mm de altura, 1.000 a 1500 mm de alcance, com dois ou três ouvintes que, como você vê, “um que pode ser você”. É o rastro e a sombra de si mesmo. É o filho que veio e os pais que se foram. Superou milhares de concorrentes para nascer. É mais um na multidão e considera-se a escrita certa por linhas tortas, na criação do CRIADOR. Cumprimenta os seus interlocutores com votos de “saúde”! E diz aos semelhantes todos os dias que “...a vida continua”. (•) Viegas questiona o social. e-mail: viegas.adv@ig.com.br