Clemente Viegas

Clemente Viegas

caminhos por onde andei

UM “MODELO” DE  SERVIÇO PÚBLICO
Aquela repartição do serviço público era um modelo, um exemplo a ser seguido. Probidade, transparência, honradez, zelo para com valores e patrimônio público. Tudo rigorosamente em cima da fivela e dos padrões ali adotados. E ai de quem transgredisse ou tentasse transgredir o preceito. A regra era tão cautelar que o desvio de um simples lápis poderia ensejar uma justa causa, tais os rigores da administração pública que ali se impunha. De anotar, entretanto, a ciranda e espiral da burocracia que ali reinava, porque absolutamente tudo ali era controlado nos papéis nos ...

leia mais +

caminhos por onde andei

“TUDO NA VIDA É UM TEMPO” (2ª. Edição)
Volta e meia eu prego a frase e o exemplo. Aliás, os exemplos estão aí, claros, a céu aberto. Assim são os astros e as estrelas dos palcos, do cinema, do disco e da TV, dos estádios, da mídia, das profissões, do poder, do giro financeiro, dos grandes auditórios e de tudo enfim. Tem vozes e talento que se derramam e se espalham pelos quatro cantos do mundo. Magnetizam e enfeitiçam plateias que vão ao delírio, à loucura. Vão... vão... e, qual uma nuvem passageira, desfazem-se, espraiam-se, desaparecem. Chega ...

leia mais +

caminhos por onde andei

HOJE TEM ESPETÁCULO!!!
Tava eu, dia desses, revirando e tocando os meus velhos discos de vinil, quando me deparei com uma canção  que me fez relembrar e reviver um velho tempo – o tempo que chegavam pequenos circos naquele meu chão da Baixada!
De tempos em tempos,  na minha cidade, então feita em ruas de areia, cavalos de carga, carroças de serviço, jaçanãs em quantidade e uma amplificadora lá em cima, aparecia um CIRCO. Um deles, o CIRCO TEATRO RISO DA MOCIDADE, ficava dias sobre uma grande praça, feita de capim rasteiro, cujo artista principal era ...

leia mais +

caminhos por onde andei

ASSIM COMO SÃO AS PESSOAS SÃO AS CRIATURAS
Aquela chácara que ficava à beira da cidade precisou de chacareiro e pôs um anúncio no rádio. Em meio a diversos candidatos, estava o SEU BERNAL. Aliás que o nome do homem era BERNARDO, mas a língua do povo só dava pra chegar até “BERNAL”. E assim ficou:  BERNAL pra cá,  Bernal pra lá.
BERNAL era um homem de boa idade. Carregado de rugas, trabalhador desses que sofre e morre, mas não se entrega. Um tipo faz-tudo, bom de pinga que distorcia os fatos à sua conveniência e ...

leia mais +

caminhos por onde andei

DÃO – UM CARA FORA DE SÉRIE!
Acho que foi lá pelo início do ano 2000 que conheci o DÃO. Precisei de um trabalhador em serviços gerais e acabei sendo indicado por um vizinho que o conhecia. Dão era um bastardo, meio magro, estatura mediana, morava longe, dono de um sorriso histriônico, desproporcional, bom de cachaça, bom de boia mas, em contrapartida, bom de serviço. O conjunto de tais qualificativos já seria de me mostrar que eu estaria ali diante de um sujeito fora de série mas eu só vim a me dar conta de tais predicados, ...

leia mais +

caminhos por onde andei

HEI  MUNDO QUE DÁ VOLTAS!!!
Era por volta do ano 2.000. Aqui em Imperatriz, eclodiu no INSS um tsunami de fraudes, falcatruas e estelionato contra o órgão, do que resultou num mega-escândalo  que levou a Previdência Social aos jornais e telejornais com muita gente presa, chefe do órgão inclusive, funcionários da repartição,  atravessadores, “aposentadores” e “aposentadeiras”, apreensão de quantidades “estarrecedoras” de documentos, revogação de benefícios previdenciários. Foi um “estrago” sem precedentes. O grande feitor e protagonista do desastre era um Procurador da República que, na época, aqui atuava junto à Justiça Federal.
Estive envolvido no tsunami ...

leia mais +

caminhos por onde andei

SÃO LUÍS, 405 ANOS – HIP, HIP - URRA!!!
Noite dessas, Minha Querida São Luís, eu sonhei com você. Sonhei que estava na Praça Benedito Leite, em frente ao Hotel Central. Lembrei-me então quando, no ano de 1962, você completou 350 anos. Eu estava lá naquela concentração, na Av. D. Pedro II, integrando o exército da minha Escola Técnica Federal, em que a nossa participação foi dar um grito de HIP, HIP, URRA!!! - UMA SAUDAÇÃO de amor e  bravura pelos teus 350 anos. Lembro-me que fomos correndo, de short e camiseta, do Monte Castelo ao cento e ...

leia mais +

caminhos por onde andei

CHINA – UM DUPLA FACE
China era o bonitão do pedaço. Forte, atlético, simpático, mulherengo, cobiçado, saradão por natureza! Presidente do grêmio da União de Moradores, líder da galera do seu bairro. Falava  bonito, boa dicção. Dono de um corpo bem dividido, sem precisar fazer exercícios, tudo por conta da mãe-natureza!    CHINA vivia na proa da vida e quando resolvia dar um dedo de prosa, a galera em volta ficava boquiaberta. Só faltava ser carregado como fazem as saúvas. Conhece?
A mulherada em carne e osso, vivia caída pelo cara em tempo inteiro. E se ele ...

leia mais +