MENU

02/07/2021 às 10h31min - Atualizada em 05/07/2021 às 00h00min

A obra Crime Permitido traz conteúdo exclusivo em NFT para os fãs da literatura de mistério

O autor, o advogado brasileiro José Rozinei da Silva, fala dos benefícios que a tecnologia vem agregar às artes de uma forma geral

Roberta
SALA DA NOTÍCIA
O Brasil não poderia ficar de fora da tendência mundial que tem trazido um novo olhar, mais tecnológico, ao mundo das artes. O chamado NFT ou "tokens não fungíveis" é um modelo inovador de se apresentar e comercializar todo tipo de arte, baseado em dois princípios: autenticidade e exclusividade.

O NFT é um criptoativo que agrega valor a um determinado produto. E as opções são infinitas. Por exemplo: quanto um colecionador pagaria por uma música totalmente exclusiva de seu ídolo? Ou por uma edição única de um livro, com um capítulo de comentários do autor?

O advogado brasileiro José Rozinei da Silva, que hoje mora nos Estados Unidos, onde atua no direito empresarial, fusões e aquisições de empresas, também é autor do recém lançado livro CRIME PERMITIDO, que passa a ser comercializado também em NFT. Diferente das versões impressa ou online que podem ser adquiridas pela Internet, o exemplar em NFT a ser lançado na plataforma americana opensea.io , umas das mais prestigiadas em NFT dos Estados Unidos, traz a versão em inglês com o final totalmente inédito do livro.

“A arte e a literatura têm muito a ganhar com essa tecnologia, uma vez que as possibilidades que proporciona são infinitas como, por exemplo resolver o problema dos direitos autorais dos artistas ou mesmo criar produtos de artes customizados ao público”, comenta Rozinei.

Sobre o livro CRIME PERMITIDO – inspirado na teoria do crime permitido, evocada na obra CRIME & CASTIGO, de Fiodor Dostoiévski, José Rozinei trabalha em seu livro uma suposição sobre qual teria sido o destino de crimes históricos da vida real, se seus autores, antes de os cometerem, tivessem um advogado disposto a orientá-los sobre como legalmente o crime seria tipificado na tentativa de se evitar ou reduzir as consequências de seus atos.

O livro faz referência a assassinos que marcaram mundialmente a história. São eles: Andrew Cunanan, o garoto de programa que matou, entre outros, o estilista de moda Gianni Versace; o pregador Jim Jones, que levou centenas de pessoas ao suicídio, o Dr. Morte, Jack Kavorkian, conhecido por aplicar a eutanásia em mais de 130 doentes terminais dos Estados Unidos; Armin Meiwe, conhecido como "Canibal de Rotemburgo" ou "O Mestre Açougueiro"; Kuno Hofmann, necrófilo e assassino conhecido como Vampiro de Nuremberg; além de Michael Malloy, um morador de rua estadunidense, notório por ter sobrevivido a sucessivas tentativas de assassinato, impetradas por quatro homens que buscavam o dinheiro de três seguros de vida fraudulentos feitos, pelo grupo, em nome dele.

CRIME PERMITIDO foi baseado em relatos públicos dos julgamentos dos crimes reais, mas trazendo as particularidades da legislação de cada país, como os efeitos criminais da eutanásia na Bélgica e na França, ou o canibalismo nos Estados Unidos ou na Alemanha, a fim de apontar opções jurídicas mais benéficas para os personagens fictícios. “Trazer a realidade para o mundo da ficção, desenvolver um romance com bases legais reais, porém alicerçadas no dilema da personagem, foi um exercício extremamente gratificante”, afirma Rozinei da Silva. E completa: “aos colegas de profissão, eu digo que não tive a pretensão de escrever um livro técnico, mas ainda assim espero que o olhar dessa obra sobre as nuances e particularidades do direito sejam de interesse de todos”, afirma o autor.

Sobre o autor e sua ligação com a tecnologia - José Rozinei conta com ampla vivência como advogado no mundo da tecnologia. É um dos fundadores da plataforma Tribally (tribally.webflow.io), que promove a DLP (Direct Listing Process) de empresas brasileiras em NYC. Atualmente, está no processo de listagem da Thinkseg.com – eleita uma das 100 maiores empresas de insurtech do mundo, através de processos alternativos aos tradicional IPO (Inicial Public Offering).

Outra ação de sucesso foi a coordenação jurídica do primeiro NFT de Futebol na América do Sul, para o Clube Atlético Mineiro. “Nesses casos, em que torcedores esportivos e colecionadores de arte não medem esforços e investimentos para se beneficiarem da exclusividade, o NFT tem muito a oferecer pois fortalece a interatividade dos envolvidos de forma única e exclusiva”, completa Rozinei.

Ficha técnica: CRIME PERMITIDO
Autor: José Rozinei da Silva
Tradução: Tito Prates
Páginas: 408
Edição impressa: vendas sob encomenda pelo Instagram @livro.crimepermitido
E-book: (Vendas pela Amazon):
https://www.amazon.com.br/Jos%C3%A9-Rozinei-da-Silva/e/B091BMRSM4

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Loading...