MENU

28/05/2021 às 19h15min - Atualizada em 28/05/2021 às 19h15min

Meio Ambiente participa do projeto de construção do Plano de Ação Territorial Meio Norte

Objetivo é definir as espécies que necessitam de preservação e as cidades que as ações serão executadas

Léo Costa
Ascom/PMI
Técnicos da Semmarh participam de forma hibrida de oficinas - Foto: Assessoria
   
A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Semmarh, através de técnicos da pasta, está participando do projeto de construção do Plano de Ação Territorial, PAT, Meio Norte, instrumento de gestão para a conservação de espécies ameaçadas de extinção. O processo acontece de forma integrada entre os estados do Maranhão, Pará e Tocantins.

“Trata-se de um projeto que envolve o Ministério do Meio Ambiente, Fundo Mundial para o Meio Ambiente, Fundo Brasileiro para a Biodiversidade e a WWF-Brasil, uma organização da sociedade civil brasileira que trabalha em defesa da vida. Além disso, também existe o envolvimento de estados e municípios. Seu objetivo é definir as espécies que mais necessitam de preservação, chamadas de espécies alvo, e os limites do território do PAT, ou seja, as cidades nas quais as ações de conservação serão executadas”, destacou a secretária de Meio Ambiente, Rosa Arruda.

O PAT Meio Norte envolve diversas ações, incluindo oficinas realizadas em abril, com a participação de representantes do poder público, sociedade civil organizada e da iniciativa privada, constituindo a matriz de planejamento, constituída pelos principais vetores de pressão que impactam as espécies-alvo. Na oportunidade também foi formado o Grupo de Assessoramento Técnico, GAT, que constituído por 13 representantes que serão os pontos focais para a implementação das ações propostas na matriz de  planejamento durante o ciclo de 05 anos do PAT Meio Norte.

A bióloga Natercia Camille Vasconcelos, servidora da Secretaria Municipal de Meio Ambiente  e Recursos Hídricos, Semmarh, é uma das colaboradoras do projeto. “O que se está  fazendo hoje, é visando contribuir de forma efetiva no processo de preservação das espécies que estão sendo extintas e a Secretaria de Meio Ambiente de Imperatriz tem sido bastante nesse sentido”, disse.   

Será um instrumento de suma importância para atuação da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Sema, nas atividades de conservação da biodiversidade da região tocantina e nas articulações com instituições que atuam na gestão de espécies ameaçadas de extinção.

Em 2016 o Instituto Chico Mendes, ICMBio, e o Ministério do Meio Ambiente, MMA, divulgaram o Livro Vermelho, onde segundo o estudo, o Brasil conta com 1.173 espécies de animais ameaçadas de extinção, incluindo algumas que já foram extintas.

O Plano de Ação Territorial, PAT, Meio Norte, teve inicio em 2020, com a escolha do território contínuo entre os estados do Maranhão, Pará e Tocantins e das espécies-alvo do referido Plano. Cerca de 12 espécies–alvo, com ocorrência nos estados, foram escolhidas, as quais são espécies criticamente ameaçadas de extinção e que não estão inseridas em outros instrumentos de conservação da biodiversidade.

O PAT Meio Norte faz parte do Projeto Pro-Espécies, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente, financiado pelo Fundo Mundial para o Meio Ambiente e implementado pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade, tendo como agência executora o WWF-Brasil. Ele está sendo coordenado no Maranhão, pela SEMA, no estado do Pará, através do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará, IDEFLOR-Bio, e no Tocantins, por meio do Instituto Natureza do Tocantins, Naturatins, e tem como parceiros, Jardim Botânico do Rio de Janeiro, JBRJ, e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, ICMBio, dentre outras instituições.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Loading...