MENU

21/08/2020 às 12h00min - Atualizada em 21/08/2020 às 12h00min

Estudo da Fiocruz aponta defasagem entre registro da covid e boletins

Registros tardios podem ter dificultado enfrentamento da doença

Agência Brasil
Divulgação

Estudo do projeto MonitoraCovid-19, realizado por pesquisadores do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Icict/Fiocruz), e divulgado ontem (20), alerta que a divulgação de casos da doença pode apresentar mais de 50 dias de diferença entre o registro no sistema de saúde e a publicação nos boletins epidemiológicos, em alguns estados. 

No Amapá, Maranhão, Paraíba, Rio de Janeiro e Rondônia, os dados oficiais registraram o número máximo de casos da covid-19 até sete semanas depois de ele ter acontecido efetivamente. O que significa que medidas importantes de saúde pública podem ter demorado a ser tomadas, prejudicando o combate à epidemia, alerta o estudo. 
O epidemiologista do Icict Diego Xavier explicou à Agência Brasil que foi feita uma análise considerando os dois sistemas de referência do Ministério da Saúde que abrangem a covid-19: o Sistema de Informação de Vigilância da Gripe (Sivep-Gripe) e o e-SUS VE, criado para atender à elevada demanda de notificações de casos devido à epidemia. 
“E a gente identificou essa diferença no tempo. Em alguns estados, a gente tem essa variação grande em número de dias entre a data que ocorreram a máxima de casos e os óbitos. Em última análise, é isso”.
Diego Xavier ressaltou que o sistema de saúde também foi bastante afetado pela pandemia do novo coronavírus (covid-19), principalmente nos estados onde a covid chegou primeiro. 
“As maiores diferenças a gente observa exatamente nesses estados”, apontou. É o caso, por exemplo, do Rio de Janeiro, Amazonas e Pará. Outros estados em que foi identificada diferença grande entre as datas real e oficial em relação ao número máximo de casos foram Paraná (30 dias), Rio Grande do Norte e Espírito Santo (27 dias cada), Goiás (25 dias), Distrito Federal (26 dias), Rio Grande do Sul (22 dias), Roraima (21 dias), Santa Catarina (20 dias) e Amazonas (19 dias).
O epidemiologista explicou que a doença leva um tempo para se confirmar por exame laboratorial e que, no início da pandemia, havia pouca capacidade de testagem, o que, segundo ele, também influenciou, além do volume muito grande de notificações. 
Diego Xavier disse que os sistemas de atendimento de pacientes não estavam preparados, o mesmo ocorrendo com os sistemas de notificação. “Isso acabou resultando nesse problema, nessa defasagem”.
Sintomas - Os dados, contudo, continuam entrando no sistema e boa parte deles está sendo informada nos boletins estaduais. Quando os pesquisadores compararam os dois sistemas de dados de saúde, consideraram todos os casos de covid, desde a data informada pela pessoa como sendo o início dos sintomas quando chegava a uma unidade de saúde, até a confirmação da doença. “Nos casos que foram confirmados, a gente está comparando a data do início dos sintomas com os dados que saem no boletim”, informou.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Loading...