MENU

07/01/2021 às 00h00min - Atualizada em 07/01/2021 às 00h00min

Exame de DNA é prova de ex-funcionário praticou duplo homicídio contra casal de agricultores

Homem disse que matou as vítimas em razão de ter sido demitido da fazenda

Camilla Negre
Com Informações da Polícia Científica/SSP-TO
A confirmação ocorreu por intermédio do Laboratório de Genética Forense do Instituto de Criminalística, unidade ligada a Polícia Científica, e por meio de técnica moderna de exame de DNA - Divulgação/SSP-TO
O homem de 36 anos apontado como o principal suspeito de ter matado um casal de agricultores em uma fazenda às margens da TO-080, em novembro do ano passado, realmente esteve presente no local do crime.

A confirmação ocorreu por intermédio do Laboratório de Genética Forense do Instituto de Criminalística, unidade ligada a Polícia Científica, e por meio de técnica moderna de exame de DNA.

Com base no trabalho dos profissionais do Instituto de Criminalística, o resultado dos exames serve como prova de suma importância que auxiliará o Ministério Público no prosseguimento do caso.

Dessa forma, mesmo que se negue ou se cale quanto a sua presença no local dos fatos, o trabalho conduzido pela Polícia Científica do Tocantins aponta que o suspeito esteve na fazenda que foi palco do crime.  

A obtenção da prova foi possível após perícia e cumprimento de mandado de busca e apreensão na casa do homem, local onde foi encontrado um par de botas usado pelo suposto autor.

Depois de analisadas pelo Perito Oficial plantonista e encontrados vestígios de sangue humano, o perito encaminhou-as ao Laboratório de Genética Forense em Palmas. Através das análises foi detectado perfil genético (DNA) único e completo que, quando comparado com o perfil genético de referência de uma das vítimas, pode-se afirmar que coincidiam, fornecendo fortes indícios da participação do homem no assassinato das vítimas. 

O casal de agricultores foi morto de maneira brutal na região rural de Paraíso do Tocantins em novembro do ano passado. O duplo homicídio qualificado chocou a população pelos requintes de crueldade, sendo que o suposto autor foi localizado e preso pela Polícia Civil em dezembro. Ele confessou o crime e disse que matou as vítimas em razão de ter sido demitido da fazenda.

A Polícia Civil organizou uma reprodução simulada do crime no último dia 23 de dezembro e indiciou o homem por duplo homicídio qualificado, furto consumado e furto tentado. O inquérito policial foi concluído e enviado para apreciação do Ministério Público do Tocantins.

Materialização de vestígios
Conforme o perito oficial e gerente da Qualidade do Laboratório de Genética Forense do Instituto de Criminalística, Marciley Alves Bastos, o trabalho da perícia é solucionar crimes por meio da materialização de vestígios que não podem ser vistos a olho nu.

Balizado na ciência e tecnologia, os peritos descobrem a dinâmica dos fatos e a autoria dos crimes de maneira incontestável, o que contribui de maneira decisiva para a descoberta da verdade real e correta aplicação da justiça. “Foi isso que fizemos neste caso. Através da técnica moderna de exame de DNA, pudemos incluir o suspeito no local do crime”, destacou.

Segundo o perito oficial e gerente técnico do Laboratório de Genética Forense, Paulo Wiese Teixeira, outros vestígios biológicos foram coletados das vítimas e de um segmento de madeira que seguem em análise e poderão demonstrar o instrumento usado para matar o casal e se a vítima teria sofrido abuso sexual.

Para a diretora de Perícias Criminais, Georgiana Ferreira Ramos, a modernização das práticas de investigação pericial e o investimento em ciência e tecnologia poderão reduzir a impunidade e aumentar a resolução de crimes de homicídio, por exemplo, apresentados pelo Brasil quando comparado com outros países. 

Laboratório  de Genética Forense
Inaugurado em dezembro de 2019, o Laboratório de Genética Forense da Polícia Científica do Tocantins vem conseguindo excelentes resultados como a identificação de estupradores em série que cometeram estupros no Tocantins, bem como em outros Estados e identificação de corpos e ossadas.

O laboratório passa por capacitação e treinamento para integrar a Rede Nacional de Banco de Perfis Genéticos, e após auditoria, o órgão poderá incluir vestígios genéticos e perfis de condenados por crimes hediondos em um Banco Estadual e Nacional para comparação e buscas e, com isso, solucionar crimes passados e futuros, caso os condenados ali identificados voltem a praticar novos delitos.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Loading...