MENU

01/12/2020 às 00h00min - Atualizada em 01/12/2020 às 00h00min

Nove médicos do Tocantins já perderam a vida para a covid-19

O Conselho Federal de Medicina criou um memorial para homenageá-los

Assessoria
Vários dos profissionais que perderam a vida eram pioneiros no Tocantins - Foto: CRM-TO
Desde o início da pandemia do novo coronavírus, 09 médicos que atuavam no Tocantins já perderam a vida em decorrência de complicações causadas pela infecção da covid-19. No total, essa doença já ceifou 1.155 vidas no estado e registrou 80.450 casos, dos quais 6.446 ainda encontram-se ativos e 72.849 recuperados.
Conheça um pouco da história de cada um dos médicos tocantinenses que não resistiram ao novo coronavírus. 

CARLOS AUGUSTO - 1ª VÍTIMA
O médico Carlos Augusto Estorari, de 48 anos, foi a primeira vítima fatal entre os profissionais da saúde no Estado. Ele era de uma família tradicional em Araguaína e veio a óbito no dia 16 de abril em Parauapebas (PA). O médico era servidor público do município desde 2007 e atendia no Pronto Socorro Municipal e também no Hospital Geral de Parauapebas (HGP). Carlos Augusto chegou a ser internado na UTI, mas não resistiu.

ALEX BELLO - * 24/05/1966 + 08/05/2020
O cirurgião geral Alex Ribeiro Bello, 53 anos, faleceu por complicações da covid-19 no dia 24 de maio no Estado do Pará. Ele era registrado no Conselho Regional de Medicina (CRM) do Tocantins, mas atuava no sudeste do Pará já havia alguns anos. Ex-aluno do Colégio Pedro II e da Universidade Federal Fluminense, onde formou-se em 1991, o carioca migrou para o Tocantins e depois para o Pará. Nos últimos três anos, atuou em vários municípios do sul e sudeste do Pará, como Redenção, Água Azul do Norte, São Félix do Xingu e Xinguara, onde residia.

AUGUSTO APONTE RIVERO * 10/09/1956 + 14/06/2020
O terceiro médico a perder a batalha para o coronavírus morava no Tocantins desde 1994 e era servidor estadual há mais de 20 anos. O Dr. Augusto Aponte Rivero, 63 anos, formou-se na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em 1986. Em 1989, fez especialização em saúde pública no Chile e atuava há cinco anos no Hospital Regional de Porto Nacional (HRPN). Ele veio a óbito no dia 14 de junho deste ano.

JOSÉ AMAURI MACEDO - * 10/09/1966 + 14/06/2020
O paraibano José Amauri de Sousa Macedo, 54 anos, formou-se em 1997 na Universidade Federal da Paraíba, em Campina Grande, mas há vários anos atuava no Tocantins e Maranhão. Era médico concursado do estado do Tocantins desde 2005 e estava lotado no Hospital Regional de Augustinópolis (HRAU). Ele também trabalhava em Imperatriz, onde veio a falecer no dia 14 de junho. 

JOÃO NEVES de PAULA TEIXEIRA * 29/10/1950 + 28/07/2020
Gaúcho de Santo Ângelo, o ginecologista e obstetra João Neves, de 70 anos, faleceu no dia 28 de julho. Ele formou-se em 1979 na Universidade Católica de Pelotas e morava no Tocantins desde o final da década de 1980, sendo um dos pioneiros da medicina no estado.
 
“Servidor concursado há 29 anos, João Neves estava de férias, mas era lotado no Hospital Regional de Gurupi (HRG), onde deixa um legado de dedicação e exemplo no exercício de sua profissão, pela forma como acolhia os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) e convívio com os demais servidores”, disse em nota a Secretaria de Saúde de Tocantins.

MARIA ESMERALDA MARCHESINI MEDRADO * 26/10/1947 + 07/08/2020
A médica anestesista Esmeralda Marchesini Medrado, de 73 anos, faleceu por complicações da covid-19 no dia 07 de agosto, no Hospital Dom Orione, em Araguaína. Inscrita no Conselho Regional de Medicina (CRM) com o número 6, a baiana de Salinas da Margarida era uma das pioneiras do estado. A médica formou-se na Universidade Federal da Bahia em 1972, fez residência em anestesiologia em Goiânia e começou a atuar em Araguaína em 1989 junto com o marido, Dr. Eduardo Medrado, que foi secretário de saúde do estado. Ele faleceu em 2016.

MAURÍCIO SHIGUEO OSHIRO * 04/09/1977 + 22/08/2020
Formado em 2003 pela Universidade de Ribeirão Preto, Maurício Shigueo Oshiro, 42 anos, morava no Tocantins desde 2005, quando foi aprovado em concurso público para a Secretaria Estadual de Saúde. Desde então, atuava no Hospital Geral de Palmas (HGP), onde faleceu no dia 22 de agosto.

EMÍLIO FERNANDES VASQUES JÚNIOR * 11/01/1953 + 27/09/2020
Natural de Mantena (MG), o psiquiatra Emílio Fernandes Vasques Júnior, 67 anos, formou-se em 1977 na Faculdade de Marília (SP) e desde 1996 morava em Palmas, onde era servidor público municipal. Ele autuou por vários anos no CAPS II e no ambulatório de psiquiatria da capital tocantinense. Emílio Vasques veio a óbito em decorrência de complicações da Covid-19 no dia 27 de setembro, em Palmas.

A secretária de Saúde de Palmas, Valéria Paranaguá, disse que o médico era “referência em psiquiatria no Tocantins” e um “exemplo de profissionalismo, dignidade humana, dedicação ao bem-estar do outro, por isso é fonte de inspiração às novas gerações que buscam a medicina como sua profissão”, afirmou.

MARCO AURÉLIO DE PÁDUA ROCHA * 13/06/1963 + 22/11/2020
Médico ortopedista, Marco Aurélio de Pádua Rocha tinha 57 anos e faleceu no dia 22 de novembro, em São Paulo. 
Marco Aurélio era pioneiro de Palmas, servidor concursado no Estado do Tocantins desde junho de 1994 e estava lotado no Hospital Geral de Palmas (HGP), onde tinha bom relacionamento com toda equipe.

“O profissional deixa um legado de bons serviços prestados aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), pelo seu rotineiro comprometimento com o bem estar dos pacientes, sendo um exemplo a todos os colegas”, disse a Secretaria de Estado da Saúde.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Loading...