MENU

OPROGRESSONET Publicidade 728x90
16/01/2023 às 18h11min - Atualizada em 23/01/2023 às 00h01min

Saiba quais são os primeiros indícios de desgaste nos cabos de ignição

NGK recomenda uma série de ações para o motorista prevenir eventuais problemas com essas peças, que garantem o bom funcionamento do motor

SALA DA NOTÍCIA Gabrielle de Andrade Pepato

São Paulo, janeiro de 2023 - Os cabos de ignição têm a importante função de conduzir a corrente elétrica da bobina até as velas de ignição. Entre as possíveis falhas desse componente está a deficiência de isolação elétrica, que permite que a alta tensão escape pelos cabos e promova falha no sistema de ignição. Para evitar que danos sejam intensificados na peça, a NGK, multinacional japonesa especialista em sistemas de ignição, aponta os principais sinais de desgaste nos cabos de ignição. Confira:

  • Aumento do consumo de combustível, que, se não for queimado no motor, pode comprometer componentes como o catalisador - que possui um custo muito elevado;
  • Ampliação dos níveis de emissões de poluentes;
  • Falha no funcionamento do motor;
  • Dificuldade na partida do motor;
  • Marcha lenta irregular;
  • Falha na retomada da velocidade.

Diante dos problemas que os motoristas podem enfrentar, o especialista Hiromori Mori, consultor técnico da NGK, indica procedimentos indispensáveis para prevenir eventuais desgastes nos cabos:

  • Realização de teste de isolação elétrica para checar se a sua isolação foi comprometida;
  • Medição da resistência elétrica dos cabos, uma vez que a resistência elevada dificulta a passagem de corrente elétrica;
  • Verificação de sinais de flash-over - passagem de corrente elétrica entre o cabo e as velas ou entre o cabo e a bobina de ignição que gera marcas visíveis nos cabos de ignição;
  • Constatação da integridade da borracha dos terminais dos cabos, porque o ressecamento ou a flacidez da borracha dificulta a isolação elétrica, enquanto os fios ressecados e rígidos sugerem ressecamento do material dos cabos de ignição.

De acordo com Mori, o uso do veículo em condições de trânsito intenso, em que há maior aquecimento da região do cofre do motor, compromete a vida útil dos cabos de ignição. Segundo o especialista, os vazamentos do óleo de motor, quando entram em contato com os cabos, provocam uma degradação do material que produz os cabos. Já o uso de produtos químicos para lavagem do motor ocasiona desgaste dos cabos de ignição por agressão química.  

“A melhor forma de evitar o problema nos cabos de ignição é a manutenção preventiva. Com o aquecimento provocado pelo uso do veículo, o material de borracha dos cabos de ignição apresenta um ressecamento. Por isso, é recomendável a troca dos cabos de ignição a cada três anos ou 60 mil quilômetros - o que ocorrer primeiro. Dessa forma, mantém-se a integridade dos cabos e o funcionamento correto do sistema de ignição”, explica Mori.

O consultor da NGK aconselha que o processo de substituição dos cabos de ignição seja realizado por um profissional especializado em reparação automotiva por demandar uma sequência correta de instalação. “A inversão dessa ordem ou o uso de ferramentas incorretas pode provocar falhas na ignição, além de danificar os cabos novos”, alerta Mori.

Sobre a NGK

Fundada em 1936, em Nagoya, no Japão, a NGK é a maior fabricante e especialista mundial em velas de ignição, com forte presença em todos os continentes. No Brasil, a empresa atua há mais de 60 anos, conta com aproximadamente 1.300 funcionários e tem uma fábrica com 625 mil m2 em Mogi das Cruzes, SP. A empresa – detentora das marcas NGK (componentes automotivos) e NTK (sensores e ferramentas de corte) – disponibiliza em seu site dezenas de opções de cursos online para mecânicos e aplicadores de produtos. Para mais informações, acesse: http://www.ngkntk.com.br/.

Assessoria de Imprensa - NGK

Gabrielle Pepato (Consultora de Comunicação) - (11) 9 94164-1004
Fabiano Oliveira (Gerente de Comunicação) - (11) 9 9287-5957 


Notícias Relacionadas »
Comentários »
OPROGRESSONET Publicidade 1200x90