MENU

OPROGRESSONET Publicidade 1200x90
OPROGRESSONET Publicidade 728x90
26/10/2022 às 16h23min - Atualizada em 28/10/2022 às 00h01min

Réveillon: povos e países que comemoram a chegada de um novo ano em outras datas

Confira como cada povo comemora o ano novo sem ser no dia 31 de dezembro. Mas, se quiser aproveitar esse período para viajar, veja opções para passar o Réveillon tradicional em destinos mais exóticos

SALA DA NOTÍCIA Camila Barone ponce

De 31 de dezembro para 1 de janeiro, celebra-se a virada do ano no calendário gregoriano, usado por boa parte do mundo. Mas esse não é o único calendário que existe, e outros povos e nações costumam comemorar seus anos-novos em outras datas. Mas nem por isso deixam de receber turistas e fazer a comemoração tradicional no dia 31 de dezembro, por exemplo. Veja a seguir comemorações diferentes de ano novo que acontecem em outros momentos do ano:

 

 Ano novo no Irã

No Irã, o ano novo se chama Nowruz, o que significa New Day, é o primeiro de Farvardin, o primeiro mês do calendário persa.  Mesmo sendo um país islâmico ele mantém a tradição persa. Esse dia geralmente cai em 20 de março,  mas em anos bissextos, acaba sendo comemorado em 21 de março. O povo iraniano comemora Nowruz, visitando seus parentes e amigos, prestando respeito aos familiares idosos, passando por viagens e passando o tempo na natureza. A ocasião festiva é uma das festas mais antigas e queridas que foi comemorado há pelo menos 3.000 anos. Para os iranianos, Nowruz é uma celebração de renovação e de mudança. Eles se preparam para acolher os dias do Ano Novo antes de começar.

 

Ano Novo Islâmico

Para muitos países do mundo islâmico, o ano novo se chama Al Hijiri. A data em relação ao nosso calendário varia, já que o ano no calendário islâmico tem 354 ou 355 dias — o próximo será em 19 de julho de 2023. O calendário lunar islâmico começa a contar a partir do nosso ano 622, quando Maomé e seus seguidores foram de Mecca para Medina, onde criaram a primeira comunidade islâmica.

 

 

 

 

Essa migração é chamada de Hégira, do árabe “hjira”, que significa algo como “separação”. A data não é feriado em todos os países de maioria islâmica, e é normalmente vista como uma celebração mais introspectiva, como um período de jejum e reflexão. 

 

 Ano Novo Judaico

Rosh Hashana (literalmente “cabeça do ano”) é o nome dado ao ano novo judaico, que acontecerá em 2023 entre os dias 15 e 17 de setembro. A data marcava o começo de um novo ciclo de semear, cultivar e colher na economia dos povos antigos do oriente próximo. Os costumes relacionados à época incluem o toque de uma corneta chamada shofar, cujo som simboliza um chamado ao despertar, e as refeições incluem frutas e alimentos com mel, para que o novo ano também seja doce. A saudação mais comum entre quem celebra a data é “Shana Tovah”, que significa literalmente “bom ano”.

 

Ano novo no Marrocos

Apesar de Marrocos ser um país arabe com raízes berberes, ou seja, que celebram o final do ano em outra data.   Porém, como o país vive muito do turismo, é muito normal encher-se de viajantes nos dias próximos do dia 31 de dezembro e comemora-se normalmente. Seja em hotéis, nas dunas do deserto, nas montanhas, nas praias, ou na rua, são muitos os turistas que viajam para o Marrocos para celebrar com festa um novo ano.

No caso dos berberes, o calendário é diferente. O ano 0 corresponde ao ano 950 a.C. Por isso, o início do ano do calendário berbere corresponde ao dia 14 de Janeiro do calendário gregoriano. Essa data coincide com a marcação do calendário Juliano, que tem três anos com 365 dias, seguidos de um com 366. Atualmente, o calendário berbere está no ano de 2963.

 

O primeiro dia do ano berber – no Yennayer – é celebrado com uma refeição muito completa e abastada, com alimentos locais que variam de acordo com a região. A data celebra a vitória da nação Amazigh que derrotou o exército egípcio e liderou a nova monarquia que governava da Líbia para o Egito. A festa de ano novo também inclui danças e animação.

"Apesar desses países celebrarem a passagem do ano em outras datas, eles recebem turistas e possuem opções de festas de Réveillon em vários locais", comenta Anna Carolina Caro, diretora executiva da Excursy.

 

Esse é o caso do Egito, por exemplo. Apesar da maioria da população ser muçulmana, acontece uma festa na virada do dia 31 de dezembro a 01 de janeiro nas pirâmides. Segundo a agência, um dos lugares mais procurados para o Réveillon  é a cidade do Cairo. "A cidade é a que tem melhor estrutura para receber os turistas, principalmente em relação às hospedagens e restaurantes. A partir dela também é mais fácil conhecer outras regiões do país. Mas não é só isso. A capital sedia as maiores comemorações da virada do ano, entre elas, a queima de fogos às margens do rio Nilo e o show de luzes nas pirâmides, que conta a história dos faraós e do Egito", explica Anna Carolina. 

 

Mas para quem quer aproveitar mais do que somente a virada do ano, há roteiros que incluem passeios por diversas partes do país. Uma outra opção do que se fazer no Egito, além das pirâmides no Réveillon é o cruzeiro pelo rio Nilo. "Como somos especialistas no destino podemos montar roteiros adaptados de acordo com a expectativa de cada cliente para melhorar a experiência da viagem e proporcionar momentos inesquecíveis", aponta a diretora da Excursy.

Outro destino bastante procurado pelos turistas brasileiros é a Turquia para as festas de fim de ano, segundo a Excursy. Em Istambul a festa acontece na Praça Taksim, centro da cidade e reúne um grande número de pessoas para apreciar duas viradas de ano diferentes, em dois continentes. A decoração típica e o barulho das buzinas dos carros animam ainda mais a festa. Não é necessário ingresso para o evento, já que é um evento aberto ao público. No local, encontra-se  muita música, dança, lasers e luzes até a hora da virada.

 

É na Ponte Galata que se tem uma melhor visão dos fogos de artifício que são lançados sobre o Estreito de Bósforo. Nesse local é como se fosse o Réveillon de Copacabana da Turquia. Um show de luzes e estouros que tornam a passagem de ano mais incrível. No lado asiático de Istambul, a comemoração é mais calma", aponta Anna Carolina.

 

A diretora explica que se as pessoas querem curtir um  show de fogos e fugir da multidão, a melhor opção é fazer um cruzeiro pelo Estreito de Bósforo, entrando no novo ano entre a Europa e a Ásia.

 

"Muitas embarcações partem do Porto de Istambul antes da meia-noite para a virada no Bósforo. Dá para aproveitar o passeio pelo Bósforo à noite para apreciar uma das melhores vistas da cidade, ainda mais com as construções antigas iluminadas. Durante o réveillon, esse cenário ganha um toque ainda mais mágico", comenta Anna Carolina e complementa "esse é o nosso grande diferencial, somos especialistas em entender tudo que o cliente busca e quer e oferecemos as melhores experiências baseado na realidade de cada um. Por sermos especialistas nesses destinos chamados exóticos contamos com os melhores serviços de concierge, guias, hotelaria e traslados para deixar toda a viagem como um sonho", finaliza.

 


Notícias Relacionadas »
Comentários »
OPROGRESSONET Publicidade 1200x90