MENU

OPROGRESSONET Publicidade 1200x90
OPROGRESSONET Publicidade 728x90
11/10/2022 às 19h29min - Atualizada em 12/10/2022 às 00h00min

As soluções dos problemas podem estar embaixo do chuveiro

Pesquisa atesta que a mente pode ficar mais criativa durante o banho

SALA DA NOTÍCIA Ana Cristina Rosado
www.auddas.com.br
Denilson Shikako, CEO da Fábrica de Criatividade - Foto: Divulgação
Quantas vezes nos deparamos com situações difíceis, que não conseguimos resolver durante horas a fio “quebrando a cabeça” e que são quase magicamente solucionadas quando “esvaziamos nossa mente” após ter uma boa noite de sono, meditar, dar uma caminhada pela natureza ou um tomar banho quente demorado? Você já se perguntou por que isso acontece? Pesquisas feitas nos EUA, Canadá e Reino Unido comprovam que a criatividade é facilitada quando deixamos nosso cérebro divagar aleatoriamente. Além disso, atividades rotineiras, divertidas, que incluem alguma movimentação, não exigem concentração e são realizadas quase que automaticamente também ampliam o fluxo de pensamentos instintivos.

Em vez de constantemente se debruçar sobre um problema ou buscar a todo custo uma inspiração resolutiva, pesquisas dos últimos 15 anos sugerem que as pessoas podem ter mais chances de ter descobertas criativas ou revelações quando estão realizando uma tarefa cotidiana que não requer muito pensamento, tipo aquelas em que você está basicamente no piloto automático. De acordo com estudos sobre neurociência cognitiva da Universidade da Colúmbia Britânica, em Vancouver, Canadá, isso permite que a mente vagueie, se envolva em cognição espontânea ou pensamento de “fluxo de consciência”, que os especialistas acreditam ajudar a recuperar memórias incomuns e gerar novas ideias.

Denilson Shikako, CEO da Fábrica de Criatividade, consultoria especializada em treinamento e desenvolvimento de pessoas através de atividades criativas, comenta que a “neurociência pode ser usada de forma divertida para desbloquear a criatividade e liberar o processo criativo das pessoas, melhorar as relações humanas e aumentar a produtividade do time”.

Neste mundo conectado, onde não se tem tempo para nada e a tecnologia impõe um ritmo aceleradíssimo de produtividade, a ociosidade pode ser a melhor solução para deixar a sua mente mais tranquila, descansada e afiada para lidar com problemas. A relação da ociosidade mental com o aumento da criatividade também é uma das conclusões de outra pesquisa da Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara, EUA e corroborada pelo artigo “The bright side and dark side of daydreaming predict creativity together through brain functional connectivity” (O lado bom e o lado escuro do devaneio predizem a criatividade juntos por meio da conectividade funcional do cérebro), publicado na edição de fevereiro de 2022 do Human Brain Mapping. No livro de sua coautoria, The Eureka Factor: Aha Moments, Creative Insight, and the Brain (O Fator Eureca: Momentos Aha, Insights Criativos e o Cérebro), John Kounios, da Universidade de Drexel complementa ainda que é importante dormir bem, pois durante o sono de boa qualidade, além de melhorar seu humor e ajudar na memória, enquanto você está dormindo as informações que você recebe durante o dia são processadas de forma a facilitarem momentos aha, aqueles quando temos um insight brilhante.

Nesse sentido, “durante a pandemia, muitas pessoas estavam trabalhando em casa e, além de resolver remotamente coisas do trabalho, ainda precisavam gerenciar várias atividades domésticas. Assim, criamos o projeto Sacada Genial e enviamos caixas com vários itens inusitados para as pessoas exercerem a criatividade em casa e realizamos workshops para ensinar como utilizar canetas com tinta transparente, relógios sem ponteiros, lousa de chuveiro, jogos, dentre outros apetrechos para estimular a criatividade”, complementa Shikako.

Mais recentemente, outro trabalho divulgado pela Scientific Reports, em abril deste ano, desvendou que certas partes do cérebro ficam mais ativas quando estamos em repouso ou realizando tarefas de baixo esforço do que quando fazemos algo com muito empenho.

A resolução de problemas rotineiros e complexos e a tomada de decisões estão presentes no dia a dia de todo gestor ou colaborador de uma organização. Nesse sentido, um mundo tecnologicamente conectado, complexo, dinâmico e instantâneo traz situações ainda mais desafiadoras, que exigem de nós habilidades comportamentais mais do que técnicas para lidar com inovação e disrupção. No relatório de 2021 do Fórum Mundial, por exemplo, criatividade, iniciativa, originalidade, inovação, inteligência emocional, pensamento analítico e resolução de problemas complexos são algumas dentre as 15 habilidades do profissional do futuro elencadas pelo documento.

Sem dúvida, a direção para onde vai o desenvolvimento tecnológico e a velocidade com que ocorre possibilita que máquinas executem as tarefas, antes realizadas por pessoas, com muito mais eficiência - produtividade, rapidez e assertividade. Robôs já são capazes de absorver conhecimento técnico e padronizar respostas e iniciativas repetitivas, aumentando a performance de muitos negócios. Entretanto, por mais avançado o desenvolvimento tecnológico atual, os robôs ainda não conseguem sentir e nem criar pensamentos espontâneos, por si sós. Ou seja, sonhar, pensar aleatoriamente, divagar são características únicas do ser humano e constituem nosso maior diferencial competitivo. Sendo assim, criatividade, inovação, pensamento resolutivo e inteligência emocional deveriam ser habilidades ensinadas nas escolas, desde os primeiros anos de aprendizagem. Mas não é isso que acontece. Tampouco nas empresas, onde o ambiente profissional é permeado por hierarquias e cadeias de comando, poucas são as oportunidades do colaborador desenvolver criatividade e pensamento inovador. "Nosso maior desafio e compromisso para com as novas gerações de profissionais é preparar, seja no trabalho, na escola ou em casa, um ambiente propício para o pensamento fora da caixa, criativo e com autonomia. Que tal propor reuniões de trabalho durante caminhadas pela natureza? Realizar brainstorms na praia? Promover concursos de fantasias às sextas-feiras no escritório e definir o orçamento anual durante uma sessão conjunta de ioga?", indaga Shikako. “Num ambiente onde os algoritmos se tornam partes cada vez mais importantes do nosso cotidiano, aprender a sonhar e agir fora da caixa será uma competência ainda mais relevante para desenvolver o pensamento criativo e aumentar a competitividade do seu negócio”, finaliza Denilson.

Notícias Relacionadas »
Comentários »
OPROGRESSONET Publicidade 1200x90