MENU

06/10/2022 às 18h58min - Atualizada em 06/10/2022 às 18h58min

FIEMA conduz discussão sobre produção de hidrogênio verde no Nordeste

Fortalecer o ecossistema local com parcerias estratégicas de diversos setores, como o SENAI CIMATEC da Bahia, governos e empresas, é um dos objetivos da Federação das Indústrias do MA

Coordenadoria de Comunicação e Eventos - Fiema
Foto: Divulgação

 
SÃO LUÍS – A Federação das indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA) conduziu esta semana uma série de reuniões com representantes do Governo do Estado, instituições de ensino, de pesquisa, sindicatos e empresas industriais, entre outros atores que compõem o ecossistema de desenvolvimento econômico do Maranhão.  Foram discutidas parcerias estratégicas para a criação de um hub de hidrogênio verde no Nordeste, produção de energia renovável e cursos de graduação e pós-graduação, em São Luís, em parceria com o SENAI CIMATEC, uma referência em tecnologia e inovação dentro e fora do Brasil.  

O presidente da FIEMA, Edilson Baldez, disse que será necessário um esforço coletivo com o objetivo de reduzir as desigualdades regionais. “O que estamos discutindo aqui, a exemplo da produção de hidrogênio verde, interessa não apenas ao Maranhão, mas também a toda a região Nordeste e ao Brasil. Por isso a necessidade de fazermos uma aliança com as Federações de Indústrias do Nordeste, discutir essas pautas com parlamentares e com os governadores da região”, enumerou.  

A discussão de temas como produção de hidrogênio verde, de energia renovável offshore no estado e implantação de uma Zona de Processamento de Exportação (ZPE) em Bacabeira já fazem parte da pauta do “Pensar Maranhão”. A iniciativa da FIEMA é um fórum de debates sobre temas que possam contribuir para o desenvolvimento econômico e social do estado, com a participação de representantes do setor empresarial, militar, acadêmico, governamental (federal e estadual) e de pesquisas. 

Daí porque a FIEMA levou ao governador do Estado, Carlos Brandão, um documento preliminar sobre produção de hidrogênio verde elaborado com a colaboração do SENAI CIMATEC. O levantamento inicial deve ser aprimorado com a contribuição dos demais estados nordestinos. O governador se comprometeu a buscar o diálogo com os demais governadores da região com o objetivo de somar esforços.  

O titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico e Projetos Estratégicos, José Reinaldo Tavares, pontuou que nenhuma outra região no mundo tem condições de produzir hidrogênio verde mais barato que o Nordeste. Ele disse que a região tem condições de se tornar uma espécie de ‘OPEC Verde’, uma referência à Organização dos Países Exportadores de Petróleo, só que de energia limpa.  

O diretor de tecnologia e inovação do SENAI CIMATEC da Bahia, Leone Andrade, esteve em São Luís a convite da FIEMA e participou de uma extensa agenda de reuniões. As energias renováveis - eólica, solar e principalmente hidrogênio verde – foram o centro das discussões, especialmente no que tange à busca de parcerias estratégicas entre todos os estados do Nordeste. “Também viemos estreitar a aproximação com o SENAI-MA para termos programas e uma atuação articulada em tecnologia em prol da indústria maranhense”, adiantou Miranda.  

A parceria com o SENAI CIMATEC traz uma nova perspectiva para o SENAI Maranhão, que deve reorientar o modelo de capacitação profissional e tecnológica no estado. Isso inclui a capacitação dos instrutores, de toda a equipe técnica, além do desenvolvimento de tecnologias e inovação.  Raimundo Arruda, diretor regional do SENAI-MA, adiantou que um dos redirecionamentos passa pela criação de cursos de graduação e de pós-graduação direcionados ao setor produtivo. “Essa pode ser uma estratégia para vencermos deficiências na capacitação de recursos humanos e para isso precisamos buscar parcerias’, frisou Arruda.


Notícias Relacionadas »
Comentários »