MENU

23/09/2022 às 15h33min - Atualizada em 24/09/2022 às 00h01min

Livro resgata a história por trás dos cafezais paulistas

SALA DA NOTÍCIA Verbo Nostro
Para além de variações de grãos, tipo de solo e temperatura da região de plantio e modos de preparo, a produção cafeeira na região de Ribeirão Preto foi testemunha de mudanças e transformações sociais, que alinhavam a história cultural de cidades formadas a partir dos seus carreadores. E, as novas realidades nascidas e fortalecidas pelos ventos que assopraram para fora das lavouras de café e circundavam a cidade são a base da pesquisa realizada pela jornalista Adriana Silva e pelas professoras Lilian Rosa e Sandra Molina na produção do livro “Sem pedir licença: a modernidade invade os cafezais paulistas”, lançado na 21ª Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto (FIL), no espaço da Biblioteca Sinhá Junqueira, no dia 26 de agosto.

Durante oito meses, as autoras realizaram um extenso trabalho de pesquisa, leitura e entrevistas para contextualizar em artigos temáticos as mudanças e transformações sociais que a modernidade impôs a um sistema que vivia em torno da produção cafeeira, com todos os seus desdobramentos de relações entre as pessoas. “Modernidade é um processo que chega e se instala sem pedir bênção, com reflexos que se espalham e se apoderam das novas formas de configuração econômica, social e cultural da população”, explica Lilian Rosa.


O trabalho, localizado entre a virada do século 19 até as décadas de 1950 e 60, oferece uma leitura envolvente sobre aspectos históricos que pontuam a vida contemporânea em Ribeirão Preto e municípios vizinhos, identificados no mapa como fortes produtores de café no Estado de São Paulo. “Conforme a modernidade se impõe, tudo vai se misturando, tanto no conceito, como na prática: gastronomia, arquitetura, religiosidade, produção artística, festas populares. Além de novas configurações sociais, essa mistura dá conta do que somos hoje. E muita gente não sabe e não conhece isso”, destaca Sandra Molina.

O livro faz o leitor perceber que, tão importante e vital como era o movimento das peneiras altas para limpar os grãos de café e preservar sua qualidade, o conhecer, saber, compreender e ter orgulho de onde se vem é fundamental para o processo de cuidado e preservação histórico-cultural.

“Em Ribeirão Preto e região, temos valores e uma história que nenhum outro grupo tem. Isso é especial e ter essa consciência gera o cuidado para que estátuas não sejam depredadas, casas não sejam destruídas e tesouros como a arte de Benedito Calixto na Catedral sejam preservadas, assim como as festas e a religiosidade dos pretos. É uma cidadania que se constrói com amor no processo de educação e que traz empoderamento ao ribeirão-pretano. Essa é a ideia e a intenção do livro: que os leitores tenham orgulho de onde vieram e de sua história, e cuidem dela com amor”, arrematou a professora Sandra.

A obra conta também com pesquisa de Helena de Oliveira Rosa; prefácio da jornalista Dulce Neves; revisão de Viviane Gomes Drigo Alves; projeto gráfico de Rita Corrêa e impressão de São Francisco Gráfica e Editora. Esta edição conta com o patrocínio da Usina Alta Mogiana e integra o Projeto Plano Anual 2020: Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto, Código 29106, do ProAC ICMS – Programa de Ação Cultural do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa.

Todos os direitos desta edição estão protegidos pela Lei 9.610/1998 e reservados à Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto. O livro não pode ser comercializado, mas após o lançamento na FIL, está disponível em versão PDF no site www.fundacaodolivroeleiturarp.com/. A obra foi distribuída em escolas da região e instituições educativas.

Realização
Ministério do Turismo, Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, Usina Alta Mogiana, GS Inima Ambient e Fundação do Livro e Leitura apresentam a 21ª Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto (FIL).

Patrocínio Diamante: Usina Alta Mogiana e GS Inima Ambient. Patrocínio Ouro: GasBrasiliano e Savegnago. Patrocínio Prata Passalacqua, Premier Pet, Pedra Agroindustrial, Ribeirãoshopping, Riberfoods, Usina Vertente,Tereos e Vittia. Patrocínio Bronze: Supermercados Gricki, MazaTarraf, Tracan, Santa Helena. Patrocínio: Madeiranit, Usina São Martinho, Tarraf. Instituição Cultural: SESC. Parceria Cultural: Fundação Dom Pedro II – Theatro Pedro II, Alma – Academia Livre de Música e Artes, Biblioteca Sinhá Junqueira, Centro Cultural Palace, Instituto do Livro, CUFA, A Fábrica, IPCCIC – Instituto Paulista de Cidades Criativas e Identidades Culturais, Teatro Municipal de Ribeirão Preto, AbaCare, Associação de Surdos, CAEERP, FADA, Fundação Panda, Ribdown, SOMAR. Apoio: ACIRP, Base Química, Cenourão, Combustran, DTEK, Durati Distribuidora, Lopes Material Rodante,Molyplast, Mialich supermercados, Santa Emília, Transmogiana,Tonin, Vantage – Geo Agro, ViaBrasil, Coderp, Transerp, Guarda Civil Municipal, Polícia Militar, Secretaria de Cultura e Turismo, Secretaria de Educação, Secretaria do Meio Ambiente, Secretaria de Infraestrutura. Apoio Cultural: Convention Bureau, Colégio Marista, Diretoria de Ensino – Região de Ribeirão Preto, ETEC – José Martimiano da Silva, Educandário, SESI, Barão de Mauá, Centro Universitário Moura Lacerda, Unaerp, NW3, Grupo Utam, Monreale Hotéis, Painew, Verbo Nostro Comunicação Planejada e Instituto Unimed.

Sobre a Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto
A 21ª edição da Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto (FIL), aconteceu de 20 a 28 de agosto, com a proposta de reflexão sobre o tema “Do Caburaí ao Chuí: a força da Literatura Brasileira”, proposição que embasou todas as mais de 200 atividades e debates do evento. Salões de ideias, conferências, palestras, mesas-redondas, oficinas, shows, espetáculos infantis, performances, contações de histórias, saraus e projetos educacionais, entre outras atividades – todas gratuitas...

Sobre a Fundação
A Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, responsável pela realização da Feira Internacional do Livro da cidade, hoje considerada a segunda maior feira a céu aberto do país.

Com uma trajetória sólida, projeção nacional e agora internacional, ao longo de seus 20 anos, a entidade ganhou experiência e, atualmente, além da feira, realiza muitos outros projetos ligados ao universo do livro e da leitura, com calendário de atividades durante todo o ano. A Fundação do Livro e Leitura se mantém com o apoio de mantenedores e patrocinadores, com recursos diretos e advindos das leis de incentivo, em especial do Pronac e do ProAc.

Notícias Relacionadas »
Comentários »