MENU

21/09/2022 às 17h29min - Atualizada em 22/09/2022 às 00h01min

Livro coletivo traz biografias de personagens dos séculos XIX e XX, em Ribeirão Preto e região

SALA DA NOTÍCIA Verbo Nostro
O melhor discurso é o bom exemplo. Essa foi a principal frase usada pela jornalista Adriana Silva para ilustrar ao público presente no auditório da Biblioteca Sinhá Junqueira, a importância histórica, social, cultural e econômica do livro “Histórias de Vida: homens e mulheres que marcaram seu tempo (1850 - 1929)”, lançado durante a Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto, no dia 26 de agosto.

Reunindo 17 biografias escritas por 13 autores, a produção autoral coletiva reflete um período histórico de 80 anos, entre 1850, quando nasceu Francisco Schmidt, até 1929, ano de nascimento de Saulo Ramos, dois dos biografados. A proposta das 298 páginas é homenagear pessoas que, de alguma forma, contribuíram com o desenvolvimento industrial e humano em Ribeirão Preto e na região, inclusive com reflexos nacionais e internacionais, como é o caso de Alberto Santos Dumont. “Num primeiro momento, registrar trajetórias de pessoas importantes para uma localidade é uma homenagem porque faz o reconhecimento. Mas também é didático pela difusão de exemplos”, comenta a jornalista e educomunicadora, Adriana Silva, organizadora do livro.

Plural, a publicação selecionou homens e mulheres de diferentes áreas, da política às artes plásticas, do universo jurídico à aviação, da vida eclesiástica ao jornalismo, do desenvolvimento econômico à cidadania, em meio a um Brasil em plena transformação. “Todos os biografados tinham muitas histórias e foi um grande desafio condensar tantas informações em artigos de tamanho limitado”, lembra Adriana Silva.

O empresário Luiz Octavio Junqueira Figueiredo destacou em seu prefácio na obra que, além de todas as motivações, escrever um livro com biografias de homens e mulheres que transformaram suas vidas é um comprometimento com a história. “Localizar, no tempo, personagens reais, que interagiram de forma contundente para mudar percursos ou enfatizar rotas importantes, é uma forma de avaliar historicamente os muitos períodos, sejam organizados por décadas, ou séculos”, destacou.

A historiadora e professora Sandra Molina pesquisou e escreveu sobre Theolina Zemila de Andrade Junqueira, a Sinhá Junqueira, que dá nome à antiga biblioteca Altino Arantes, mesma casa onde ela viveu. Para a autora, falar de uma mulher foi o que mais a emocionou, junto com as descobertas que fez sobre sua biografia.

“O foco foi a mulher Theolina e não a Sinhá das benevolências. Uma mulher que, mesmo pertencendo à elite, passou por diferentes dificuldades, porque era alguém que tinha dinheiro, mas não tinha poder. Ela não teve acesso à educação, casou-se com um primo de maneira arranjada pela família e não teve filhos, o que era muito mal visto à época. E essa mulher conseguiu se empoderar, soube ler o mundo onde estava, identificar o lugar dela naquela cena e criar a personagem da Sinhá, por meio da qual lançou as bases de ações de cidadania em diferentes áreas”, comenta Sandra Molina.

Para a historiadora, o livro traz o diferencial de levantar informações que ficam na academia e aproximá-las da população com uma linguagem mais suave. O lançamento ter sido feito na Biblioteca Sinhá Junqueira foi, para Molina, um presente à parte. “Muito especial entregar este trabalho na casa da Theolina, onde ela cuidava de toda a estrutura da rotina para que o marido pudesse cuidar das terras. Emocionante”, disse a professora.

As curiosidades também pontuam os textos como, por exemplo, o fato de Amador Aguiar, fundador do banco Bradesco, ter dormido em bancos da praça XV de Novembro, exatamente em frente a uma das atuais agências da rede. Para compor uma obra com demanda tão extensa, a equipe de autores foi grande. Além de Adriana Silva e Sandra Molina, assinam os artigos: Amanda Colnaghi Nassorri, Helena de Oliveira Rosa, Luciana Barizon Luchesi, Luciana Squarizi, Nainôra Barbosa de Freitas, Leila Heck, José Manuel Lourenço, Lilian de Oliveira Rosa, Mônica Oliveira, Renata Sunega e Robson Mendonça Pereira.

“Esse é um livro para pessoas interessadas em saber mais sobre outras pessoas”, resumiu Adriana Silva, comemorando o rápido retorno recebido de uma professora leitora que vai levar o livro para a sala de aula. “Esse é objetivo: disseminar as histórias desses homens e mulheres ícones em seus tempos”.

A primeira edição de “Histórias de Vida: homens e mulheres que marcaram seu tempo (1850-1929)” conta com patrocínio da Usina Alta Mogiana e integra o Plano Anual da Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto (Pronac 193500), da Lei de Incentivo à Cultura do Governo Federal.

Estão biografados Francisco Schmidt, Dom Alberto José Gonçalves, Coronel Quinzinho da Cunha, Washington Luís, Alberto Santos Dumont, Theolina Zemila de Andrade Junqueira (Sinhá Junqueira), Antônio Diederichsen, João Alves Meira júnior, Cândido Portinari, Amador Aguiar, Antônio Machado Sant’Anna, Zeferino Vaz, Nelson Rockefeller, professora Glete de Alcântara, capitã Altamira Pereira Valadares, Maurílio Biagi e Saulo Ramos.

A produção contou com o projeto gráfico desenvolvido pela designer Rita Corrêa, revisão de Eva Barbosa e impressão de São Francisco Gráfica e Editora. Todos os direitos desta edição estão protegidos pela Lei 9.610/1998 e reservados à Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto. O livro não pode ser comercializado, mas após o lançamento na FIL, está disponível em versão PDF no site www.fundacaodolivroeleiturarp.com/. A obra também está sendo distribuída em escolas da região e instituições educativas.

Realização

Ministério do Turismo, Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, Usina Alta Mogiana, GS Inima Ambient e Fundação do Livro e Leitura apresentam a 21ª Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto (FIL). Patrocínio Diamante: Usina Alta Mogiana e GS Inima Ambient. Patrocínio Ouro: GasBrasiliano e Savegnago. Patrocínio Prata Passalacqua, Premier Pet, Pedra Agroindustrial, Ribeirãoshopping, Riberfoods, Usina Vertente,Tereos e Vittia. Patrocínio Bronze: Supermercados Gricki, MazaTarraf, Tracan, Santa Helena. Patrocínio: Madeiranit, Usina São Martinho, Tarraf. Instituição Cultural: SESC. Parceria Cultural: Fundação Dom Pedro II – Theatro Pedro II, Alma – Academia Livre de Música e Artes, Biblioteca Sinhá Junqueira, Centro Cultural Palace, Instituto do Livro, CUFA, A Fábrica, IPCCIC – Instituto Paulista de Cidades Criativas e Identidades Culturais, Teatro Municipal de Ribeirão Preto, AbaCare, Associação de Surdos, CAEERP, FADA, Fundação Panda, Ribdown, SOMAR. Apoio: ACIRP, Base Química, Cenourão, Combustran, DTEK, Durati Distribuidora, Lopes Material Rodante,Molyplast, Mialich supermercados, Santa Emília, Transmogiana,Tonin, Vantage – Geo Agro, ViaBrasil, Coderp, Transerp, Guarda Civil Municipal, Polícia Militar, Secretaria de Cultura e Turismo, Secretaria de Educação, Secretaria do Meio Ambiente, Secretaria de Infraestrutura. Apoio Cultural: Convention Bureau, Colégio Marista, Diretoria de Ensino – Região de Ribeirão Preto, ETEC – José Martimiano da Silva, Educandário, SESI, Barão de Mauá, Centro Universitário Moura Lacerda, Unaerp, NW3, Grupo Utam, Monreale Hotéis, Painew, Verbo Nostro Comunicação Planejada e Instituto Unimed.

Sobre a Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto

A 21ª edição da Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto (FIL), aconteceu de 20 a 28 de agosto, com a proposta de reflexão sobre o tema “Do Caburaí ao Chuí: a força da Literatura Brasileira”, proposição que embasou todas as mais de 200 atividades e debates do evento. Salões de ideias, conferências, palestras, mesas-redondas, oficinas, shows, espetáculos infantis, performances, contações de histórias, saraus e projetos educacionais, entre outras atividades – todas gratuitas.

Sobre a Fundação

A Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, responsável pela realização da Feira Internacional do Livro da cidade, hoje considerada a segunda maior feira a céu aberto do país. Com uma trajetória sólida, projeção nacional e agora internacional, ao longo de seus 20 anos, a entidade ganhou experiência e, atualmente, além da feira, realiza muitos outros projetos ligados ao universo do livro e da leitura, com calendário de atividades durante todo o ano. A Fundação do Livro e Leitura se mantém com o apoio de mantenedores e patrocinadores, com recursos diretos e advindos das leis de incentivo, em especial do Pronac e do ProAc.

Notícias Relacionadas »
Comentários »