MENU

13/09/2022 às 22h28min - Atualizada em 13/09/2022 às 22h28min

Produção de grãos para 2022 é de 271,2 toneladas

O aumento é de 14,5 milhões em relação ao ciclo anterior. Centro-oeste lidera ranking das regiões com maior crescimento, quase 50% na produção de cereais, leguminosas e oleaginosas

Da Redação
Brasil 61
Foto: Arquivo/Agência Brasil

  
A produção brasileira de grãos na safra 2021/22 está estimada em 271,2 milhões de toneladas, um acréscimo de quase 14,5 milhões de toneladas em comparação ao ciclo anterior. O levantamento foi divulgado na última quinta-feira (08) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). 

“Embora tenha passado por adversidades climáticas em algumas regiões produtoras, principalmente nos estados da região Sul do país, esta é a maior colheita já registrada dentro da série histórica de produção de grãos no Brasil”, ressalta o presidente da Conab, Guilherme Ribeiro.

O arroz, o milho e a soja, três principais produtos desse grupo, representam 91,5% da estimativa da produção, e respondem por 87,1% da área a ser colhida. A área total no país a ser colhida é de 73 milhões de hectares, 6,5% maior que em 2021. O crescimento foi de quase 10% em relação ao ano passado. 

A produção nacional de milho, em 2022, deve alcançar novo recorde, com estimativa de 109,9 milhões de toneladas e alta de 25,2% na comparação com o ano passado. O algodão em caroço também teve alta de 17,7%, e a produção da soja aumentou 4,7%. Já o trigo teve produção de 9% a mais em relação a 2021.

A estimativa de produção de cereais, leguminosas e oleaginosas também apresentou variação anual positiva para quatro grandes regiões do país. No Centro-Oeste, o aumento foi de 1,4%. Na região Norte, 11%. No Sudeste, 10,8% e no Nordeste, 10,3%. A região Sul foi a única do país com variação negativa, com queda de 14,6% na produção.  

Entre os estados brasileiros, Mato Grosso lidera como o maior produtor nacional de grãos, com participação de 30,8% na produção. Em segundo lugar vem o estado do Paraná, com 13,2%, seguidos de Goiás, 10,3%, Rio Grande do Sul 9,8%, Mato Grosso do Sul (8,1%) e Minas Gerais (6,5%). Somados, esses seis estados representaram 78,7% do total nacional. 

Com relação às participações das regiões brasileiras na produção de cereais, leguminosas e oleaginosas, o Centro-Oeste teve aumento de quase 50%. O Sudeste, de 10,4%, o Nordeste, de 9,7%, e o Norte, 5,2%. Para o engenheiro-agrônomo extensionista da Emater-DF, Marconi Borges, o sucesso da safra de grãos na região central do país deve-se à prática de tecnologias específicas, apesar dos problemas climáticos. 

“A tecnologia utilizada, principalmente na região do Planalto Central, no uso de plantio direto, é o que permitiu superar essa adversidade climática”, explica o especialista. “É uma ferramenta extraordinária para conservação de solo e água e incorpora muito material orgânico no solo. Quanto mais material orgânico no solo, maior a capacidade de reter a água. Então acredito que esse foi o principal fator que levou a bater esse recorde”, defende. 

No âmbito externo, as vendas de algodão devem atingir a marca de 1,9 milhão de toneladas, com previsão de estoques finais de 1,3 milhão de toneladas. No caso da soja, os estoques finais da atual safra estão estimados em 6,19 milhões de toneladas, enquanto a projeção de exportação de produtos oleaginosos como castanha do caju, amendoim, amêndoa, entre outros, tem previsão de atingir a marca de 77,19 milhões de toneladas. 

Alta também para o estoque de passagem para o trigo em 2023 que, influenciado pela maior produção do cereal, deve atingir estoque de 1,6 milhões de toneladas entre agosto deste ano e junho do ano que vem. Já no caso do milho, a queda na produtividade de importantes regiões produtoras reduziu o volume esperado para o consumo e exportação do cereal de 76,5 milhões de toneladas para 37 milhões. 

Quanto ao arroz, a Companhia Nacional de Abastecimento prevê um consumo menor do produto, fechando o ano com 2,36 milhões de toneladas de estoque.
  


Notícias Relacionadas »
Comentários »