MENU

19/08/2022 às 19h45min - Atualizada em 19/08/2022 às 19h45min

ALÔ BITOLADOS DE PLANTÃO

Phelippe Duarte - administrador e publicitário


 
Alexandre de Moraes assumiu a presidência do Tribunal Superior Eleitoral, e como anfitrião da festa, convidou os melhores inimigos políticos para confraternizarem a sua frente. Alexandre gastou uma bala só, nos ouvidos dos presentes: Lula, Dilma, Michel Temer, Bolsonaro e José Sarney. Se bem que Sarney estava ali mais como uma presença histórica, tipo uma aparição no melhor estilo Bruxa de Blair. Mas a habilidade de Moraes é algo para ser anotado e registrado como uma sacada de mestre, e um aviso aos bitolados políticos de plantão: é só política e vocês não passam de votos! 

Ao reunir num mesmo ambiente nas vésperas das eleições presidenciáveis mais esperada dos últimos anos, o novo presidente do TSE, depois de trocar conversas de pé de ouvido com Bolsonaro, sorrisos e aparentemente uma trégua, realizou um discurso que nitidamente honra suas ideias e pensamentos, e ao mesmo tempo, martela com pregos a boca perigosa de Bolsonaro. Moraes disse: “Somos uma das maiores democracias do mundo em termos de voto popular, estando entre as quatro maiores democracias do mundo. Mas somos a única democracia do mundo que apura e divulga os resultados eleitorais no mesmo dia. Com agilidade, segurança, competência e transparência. Isso é motivo de orgulho nacional”. Aplaudido de pé por todos após este trecho, Moraes deixa claro sua insatisfação de forma contundente, sobre os ditos malucos de Bolsonaro em cima do sistema eleitoral brasileiro. Se o presidente do Brasil batesse em cima de pesquisas factoides que dizem que Lula está a sua frente, seria mais apoiado do que questionado. Em 2018, as pesquisas apontavam sua derrota para Haddad, do PT, o que se mostrou inverdade ao final das eleições. Vencendo, Bolsonaro não coloca em xeque a democracia brasileira. Perdendo, me dá receio os motins que poderão ser criados pelos seus bitolados de plantão. Votei em Bolsonaro na primeira vez como voto de protesto contra o PT e toda sua corja de bandidos. Não votei nele, para brigar contra o sistema eleitoral brasileiro, contra a Globo, e outras questões idiotas que ele costuma levantar todos os dias. Ele é o presidente que responde críticas sejam elas quais forem e de onde vierem. Tudo bem. Mas se troca por coisas pequenas. Não votei nele, para vê-lo brigando com o ator Bruno Gagliasso nas redes sociais. É muito pequeno isso. Em contrapartida, sua gestão é de se exaltar e celebrar, afinal, Bolsonaro caga pela boca, mas faz de tudo para limpar o país com o papel higiênico de um verdadeiro patriota, como ele mesmo disse nesses podcasts que estão na ondinha do momento: “Você não tem que se importar como eu falo, mas se a economia, a saúde, o emprego, a inflação, se tudo isso está controlado”. Bolsonaro tem razão. Só que quando ele fala, ele não economiza palavras chulas, gasta saúde própria, coloca em risco seu emprego e inflaciona a classe do mimimi. 

O recado de Alexandre de Moraes ao vivo, para o presidente, o incomodou bastante. A pessoas próximas, Bolsonaro disse que caiu numa armadilha! Claro, que seus seguidores apaixonados concordaram e já devem estar por aí, difamando o novo presidente do TSE. Os outros convidados de Moraes, foram uma atração a parte. Na mesma fileira, em uma ponta, Michel Temer, na outra ponta, seu amor de verão, Dilma, e entre eles, juntos, Lula e José Sarney. Uma cena apoteótica, digna dos melhores filmes de ficção científica. A política é somente um jogo de interesse caros bitoladinhos. Enquanto vocês brigam, atiram uns nos outros, cospem, desfazem amizades, apostam em vitórias, os mesmos políticos que vocês amam e odeiam, estão lado a lado, num evento, sorrindo e conversando. Enquanto os malucos bolsonaristas atacam Alexandre de Moraes, ele e Bolsonaro mantém um clima amistoso, uma cena digna dos melhores filmes de amizade hollywoodianos. Enquanto Bolsonaro cessa a guerra com a Globo, e solta verba na emissora, porque sabe que não leva a nada brigar com quem pode lhe dar uma melhor ou pior imagem nas eleições, vocês ficam xingando o William Bonner. No final, quem paga o ingresso para estes filmes? Você, bitoladinho. Que compra os discursos idiotas do presidente. Que é fissurado em Lula, como se ele fosse idôneo. Você, bitoladinho político, que deve estar me chamando de alguma coisa neste exato instante, apenas porque eu disse umas verdadezinhas de nada. Acordem! Votem por consciência e não por alienação. Que pedido idiota este meu. 

Certo está José Sarney quando diz: nunca fui oposição. 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »