MENU

29/07/2022 às 18h55min - Atualizada em 29/07/2022 às 18h55min

Policial Militar condenado a 22 anos acusado de assalto a banco em 1998 pode ser inocente

Esposa do PM Salomão Costa Silva, o soldado Costa, Lenir Gonçalves disse que no dia do caso eles estavam viajando

Dema de Oliveira
Jornal O PROGRESSO
Soldado Costa: família diz que vai provar inocência - Foto: Divulgação/Redes Sociais
 
Uma reviravolta a respeito do caso do assalto a uma agência bancária em Fortaleza dos Nogueiras, Sul do Maranhão, em 1998, pode acontecer nos próximos meses.

O soldado Salomão Costa Silva, o soldado Costa, foi preso em Imperatriz na semana passada por policiais do Grupo de Pronto Emprego (GPE), em cumprimento de um mandado de prisão, já que ele foi condenado a 22 anos, acusado de envolvimento no caso, que já estava transitado em julgado. Ele foi denunciado pelo Ministério Público, como sendo um dos cinco homens que fizeram o assalto, em que foi morto o sargento PM Muniz.

Mas a esposa do Soldado Costa contesta todas as versões apresentadas em depoimentos colhidos na época, e diz que tem plena certeza de que o marido é inocente. “Tenho plena certeza de que ele é inocente. Jamais, se eu tivesse uma duvidazinha que fosse que ele tivesse algum tipo envolvimento nesse caso, nunca, jamais, eu ia me expor dessa forma”. 

Segundo Lenir, no dia do fato, ela e o soldado Costa, que na época residiam em Grajaú, estavam de viagem para Imperatriz. “Temos várias testemunhas, inclusive de policiais que estavam nas diligências para prender os assaltantes. Em Imperatriz, fomos até uma agência bancária (banco Itaú), onde fizemos um saque, depois fomos arrumar a moto e em seguida fomos até o quartel do 3º BPM, onde pegamos os contracheques do meu marido”.

Segundo ainda Lenir, na época ela entregou nomes de várias testemunhas, mas nenhuma foi arrolada e isso pode ter prejudicado o policial. 

O advogado da família, Arnon Cunha, disse que importante deixar claro que o “único indício levado em consideração pelo Ministério Público, quanto a autoria do policial Salomão Costa, no momento do oferecimento da denúncia, foi única e exclusivamente a fala da vítima que teve o carro tomado de assalto. Essa pessoa afirma que conhecia na verdade, quem de fato tomou o seu veículo e mesmo assim durante as investigações, afirmou ter conhecido o PM Salomão e somente com base nessa fala o Ministério Público acabou denunciando-o”. 

O advogado Arnon Cunha ingressou com uma justificação criminal, que tramita na 4ª Vara da Comarca de Balsas, e aguarda instauração de julgamento para em seguida pedir a revisão criminal perante o Tribunal de Justiça. 

O Soldado Costa continua preso no Quartel do 3º BPM, onde aguarda a justiça.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »