MENU

02/06/2022 às 15h12min - Atualizada em 03/06/2022 às 00h00min

FS e Sindiviapar realizam DDG Day em Cascavel, no Paraná, para tratar de informações de mercado, tecnologias e inovações na área da nutrição animal

Em meio à crescente demanda por insumos, os DDGs - Dry Distillers Grains, apresentam-se como alternativa para nutrição animal, de acordo com especialistas

SALA DA NOTÍCIA Karol Jorge de Almeida
Na última sexta-feira (27/05), Cascavel sediou o evento DDG Day, que trouxe especialistas para falar sobre a disponibilidade e o uso de Dry Distillers Grains – ou grãos secos de destilaria – para a nutrição animal. Promovido pela FS, indústria brasileira de etanol de milho, nutrição animal e energia, e pelo Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar), o DDG Day reuniu cerca de 50 pessoas no Hotel Deville, entre eles, representantes de mais de 33 fábricas de ração do Estado do Paraná, técnicos e profissionais da área de produção de proteína animal.

O DDG é um dos produtos derivados da produção de etanol a partir da tecnologia de separação de fibras (FST) do milho. Os grãos resultantes podem ser utilizados na nutrição de bovinos, suínos, aves, peixes e pets, dando uma alternativa ao milho e à soja, já que tem excelente custo-benefício e alto valor nutritivo.

O supervisor comercial da FS Brian Mike contou sobre a história da empresa e destacou como os DDGs se apresentam como opção para aumentar o ganho médio diário (GMD) e melhorar a eficiência alimentar. “O DDG é usado nos Estados Unidos há muitos anos. Em 2016, a FS trouxe este produto para o mercado brasileiro, pois é um alimento premium, com grande valor nutricional e que ainda proporciona redução de custo para os produtores de proteína animal”, resume Mike.

O Diretor Executivo do Sindiavipar, Inácio Kroetz, pontua que o milho e a soja são os dois ingredientes de maior presença na produção de rações para aves comerciais e representam mais de 70% do custo total da ração. “Considerando que a demanda e produção de carne de frango ainda vai crescer significativamente nos próximos anos, é importante que se encontre alternativas à dependência exclusiva do milho na produção de aves, já que este também está sendo demandado para exportação, produção de óleo e etanol, além da produção de proteína de outras espécies animais e para consumo humano”, diz.

Kroetz destaca que a entidade já vem divulgando e apoiando o uso de produtos alternativos ao milho para ração animal, por meio do programa Paraná Cereais de Inverno e 2ª Safra (PR-CEIN2), que incentiva a produção de cereais como o triticale, a aveia granífera e o sorgo granífero. “O aproveitamento de parte do milho industrializado na forma de DDG é uma opção promissora para diversificar as opções de matéria prima para ração, principalmente quando avaliamos o valor nutritivo deste material”, pontua.

DDG para nutrição animal

Durante o evento, o doutor em zootecnia da Universidade de Minnesota (EUA), Gerard Shurson, apresentou um histórico dos DDGs no Brasil e no mundo. Ele também falou sobre a nutrição de precisão e a formulação de ração com múltiplos objetivos.

Os professores da Universidade Federal de Viçosa, Horacio Rostagno e Ideraldo Luiz Lima, revelaram as conclusões de uma avaliação feita em frangos de corte alimentados com diferentes níveis de FS Essencial, um tipo de DDG produzido e comercializado no Brasil. A pesquisa levou em consideração o valor de energia metabolizável e a digestibilidade de aminoácidos nas aves.

Para levar informações sobre DDG para produtores, profissionais de zootecnia e de áreas correlatas, a FS pretende promover outros encontros similares ao longo do ano.

Sobre a FS 
A FS é a primeira indústria de etanol do Brasil que utiliza milho em 100% da produção. Hoje, com duas unidades, uma em Lucas do Rio Verde e outra em Sorriso, no Mato Grosso, a empresa tem capacidade para produzir cerca de 1,5 bilhão de litros de etanol por ano. Além disso, também conta com tecnologia de ponta para a fabricação de produtos para nutrição animal, conhecidos pela sigla DDG (Dried Distillers Grains), óleo de milho e bioeletricidade. Recentemente, a companhia anunciou a construção de sua terceira unidade, localizada em Primavera do Leste (MT), com investimento previsto de R$ 2,3 bilhões e que elevará sua capacidade total para 2 bilhões de litros de etanol/ano.
A FS prioriza e investe constantemente na sustentabilidade e com os objetivos de consolidar a agenda de desenvolvimento sustentável e de fortalecer seus compromissos de longo prazo com a sociedade, passou a adotar um conjunto de ações que estabeleceu em seis compromissos de longo prazo (até 2023), criados em linha com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU) e o Acordo de Paris. Como uma dessas ações, estuda a implementação do sistema BECCS – Bioenergy with carbono capture and storage (Bioenergia com captura e estocagem de carbono), que pode torná-la uma das principais empresas do mundo e a primeira do RenovaBio a ter uma pegada negativa de carbono.

Sobre o Sindiavipar
O Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar) representa 43 abatedouros, incubatórios paranaenses. Desde sua fundação, em 1992, o Sindiavipar trabalha para o crescimento da avicultura do estado, buscando sempre representatividade no mercado interno e externo. O Paraná é o maior produtor e exportador nacional de carne de frango, responde por mais de 35% da produção e mais de 40% das exportações de carne de frango do País, embarcando o produto para mais de 120 países em todo o mundo. Mais informações: www.sindiavipar.com.br.

Informações para a imprensa

Ketchum | FS
Karol Almeida | [email protected] | +55 11 97581-1248
Adriana Ferreira | [email protected] | +55 11 99177-7113
Jaqueline Frederes| [email protected] | +55 11 99148-4478

Centro de Comunicação | Sindiavipar
Giulia El Halabi (Minah) | giulia.elhalabi@centrodecomunicacao.com.br | (41) 9 9972-1904

Notícias Relacionadas »
Comentários »