MENU

24/05/2022 às 21h56min - Atualizada em 24/05/2022 às 21h56min

Ex-prefeitos, empresários e servidores são alvos da PF no sul do Tocantins em nova fase da Operação Catilinárias

Empresários investigados fizeram acordo de colaboração premiada

Assessoria
PF cumpriu mandados em seis cidades no sul do Tocantins - Foto: Divulgação
 
A Justiça Federal expediu 13 mandados de busca e apreensão e determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal de dezenas de pessoas físicas e empresas supostamente envolvidas em desvios de recursos do transporte escolar em seis municípios da região sul do Tocantins.

A operação foi autorizada pelo juiz federal Eduardo de Assis Ribeiro Filho, da Subseção Judiciária de Gurupi. Os mandados foram cumpridos em Gurupi, Figueirópolis, Jaú, Paranã, Peixe e São Salvador.

Todos os fatos investigados na operação Catilinárias II, deflagrada nesta terça-feira (24), foram apresentados à Polícia Federal, por meio de Acordo de Colaboração Premiada firmado pelos suspeitos Eduardo Luiz Cançado de Oliveira, Tiago Borges Cançado e Willian da Silva Alves.

De acordo com a PF, “os colaboradores foram responsáveis por narrar fatos envolvendo contratos da Associação dos Transportadores Escolares do Nível Fundamental, Médio e Superior do Estado do Tocantins - ATEC/TO, dentre outras empresas a relacionadas a Eduardo Cançado, com vários municípios, bem como apresentar documentos relacionados aos crimes narrados”.

Os delatores Eduardo, Tiago e Willian firmaram acordo de pagamento de multas nos valores de R$ 600 mil, R$ 150 mil e R$ 15 mil, respectivamente. Os acordos de delação foram homologados pelo desembargador federal Néviton Guedes perante o Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Entre os alvos da operação estão o ex-prefeito de Gurupi, Alexandre Tadeu Salomão Abdalla, Eder Martins Fernandes (Edinho), Professor Pakalolo, ex-prefeito de Paranã, Edson Nunes Lustosa, além de dezenas de empresas, empresários, servidores e outros agentes políticos. Todos tiveram os sigilos bancário e fiscal quebrados.

A PF aponta que mais de R$ 740 mil foram destinados a agentes públicos, inclusive para a realização de festas e aquisição de presentes.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »