MENU

05/04/2022 às 10h22min - Atualizada em 05/04/2022 às 12h00min

Responsabilidade Socioambiental: Práticas sociais e sustentáveis ditam as regras no Alma Maraú

O novo empreendimento de luxo que está sendo construído na Península de Maraú foi todo pensado para gerar menos impacto no meio ambiente e proporcionar desenvolvimento para a comunidade local

SALA DA NOTÍCIA Renata Castro

Tendo como premissa gerar o menor impacto possível na natureza e agregar valor à comunidade da região, o Alma Maraú, que está sendo construído pela F2 Incorporadora e Construtora, em parceria com a Pentagna Incorporadora, na Península do Maraú, vem chamando atenção pelas suas práticas sustentáveis e sociais. “A região é uma das mais belas e paradisíacas do Brasil, com uma rica biodiversidade, e essa é uma das principais razões para termos escolhido o local para abrigar o Alma Maraú, um projeto inovador que prioriza a preservação ambiental em todos os aspectos, a começar pela escolha do modo de construção”, destaca François Rahme, CEO da F2 e idealizador do Alma Maraú.

O Residencial Alma Maraú é um condomínio de alto padrão que está sendo construído em um terreno com cerca de 40 mil m², sendo 370 metros de frente para o mar. E é para preservar ainda mais a beleza natural da região, que a F2 optou pela construção modular, que utiliza menos água para sua formulação, gera menos resíduos e pode ser produzida em outro local.

As unidades modulares são construídas e montadas em Mirassol, interior do Estado de São Paulo. E, após ficarem prontas, são enviadas em carreta para o destino final. O trajeto de quase 2 mil km dura cerca de 4 dias e é feito com muita cautela para manter a integridade física das casas e apartamentos. As unidades chegam finalizadas em Maraú, prontas para instalação, com todas as louças, porcelanatos e metais. "Os módulos são transportados até o terreno e montados como "lego", preservando assim o meio ambiente com o mínimo de impacto possível", explica François.

O sistema de esgoto implementado é biodigestor, que é autossustentável e se dá sem a utilização de produtos químicos. Isso quer dizer que 100% do esgoto gerado é tratado pelo próprio condomínio, que faz a compostagem e reaproveita para a irrigação do terreno. “Nosso objetivo é causar o menor impacto possível na região. Por isso teremos trabalho de compostagem de toda a parte orgânica, que será reutilizada nas nossas hortas, e separação de materiais para reciclagem. Tudo será embalado, pesado e destinado para projetos e grupos que desenvolvem trabalhos com esses resíduos. Nossa missão é fazer com que o residencial seja sustentável em todos os aspectos”, destaca François.

Outras medidas especiais foram adotadas para manter a vegetação nativa e a preservação da fauna local. Para manter a flora, está sendo realizado o manejo das espécies, que são retiradas do ambiente durante a construção, mantidas em um viveiro e, na etapa de plantio, são levadas novamente para o local e replantadas. Isso permite que não haja impactos diretamente ou indiretamente nas plantas já existentes no local.

Outra preocupação do Alma Maraú é priorizar o desenvolvimento da comunidade local, com treinamentos e contratação de mão de obra para atuar não só na construção, mas também na operação, além de apoio a causas sociais, ambientais e pedagógicas. “Fizemos questão de treinar e contratar os trabalhadores da região. No final da obra, também iremos contratar mais 500 moradores da região para atuar no empreendimento. Além de ações pontuais, estamos estudando alguns projetos sociais com investidores e residentes”, conclui François.

O condomínio também contará com o conceito da cozinha 4.0, evitando o desperdício de alimentos e trazendo mais velocidade e segurança na produção dos pratos. Além disso, possui um lounge super moderno e sofisticado, serviço de spa, duas piscinas, dois bares e quadra de tênis, sendo que todas as opções de lazer ficam à beira-mar. Com serviços inspirados na hotelaria, terá a opção da modalidade pay per use, além de contar com uma empresa especializada em operação de condomínios, que fará o gerenciamento dos aluguéis dos proprietários, recepção dos residentes e gestão dos serviços de restaurante, governança e entretenimento. Ao todo, são 46 unidades, entre casas e apartamentos, com 2, 3, 4 e 6 suítes. A previsão de entrega final do empreendimento é dezembro de 2022.



 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »