MENU

30/03/2022 às 18h59min - Atualizada em 30/03/2022 às 18h59min

UEMASUL é premiada pela sociedade profissional Society for In Vitro Biology

Imperatriz é a única cidade do Maranhão que trabalha com pesquisa voltada para o Ensino Médio

Mari Marconccine
Ascom/UEMASUL
Estudantes premiados no Programa Cientista Aprendiz por meio do programa de extensão da UEMASUL, que representarão o Brasil com suas pesquisas - Foto: Ascom/UEMASUL
 
A Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (UEMASUL) foi premiada com a quantia de US$ 4.500,00 pelo período de um ano (cerca de 25 mil reais) pela Society for In Vitro Biology  (SIVB) para investimentos em laboratórios de pesquisa. A premiação é destinada ao programa de extensão Cientista Aprendiz, que trabalha com projetos de pesquisa voltados para alunos de Ensino Médio e é coordenado pelo pró-reitor e professor Zilmar Timóteo Soares.

A SIVB é uma sociedade profissional dedicada a promover a troca de conhecimento de biologia in vitro de células, tecidos e órgãos de plantas e animais (incluindo humanos). O foco está na pesquisa biológica, desenvolvimento e aplicações de importância para a ciência e a sociedade.

A estudante Ana Beatriz de Castro, do 3º ano do Ensino Médio da escola ArteCeb desenvolveu a “Pesquisa Biotec – Biotecnologia aplicada ao fruto do buriti”, e foi selecionada para duas feiras mundiais, no México, e em Nova York. “Eu consegui desenvolver um bioplástico, um bioacrílico e um biofilme a partir do fruto do buriti utilizado em todas as suas propriedades sendo o epicarpo, mesocarpo e o endocarpo, que são materiais que não agridem o meio ambiente, ou seja trazendo uma solução para os plásticos utilizados hoje”, explicou Beatriz.

O professor coordenador do programa de extensão falou sobre a importância dos projetos premiados que utilizam elementos extraídos da natureza, na região. “Estudar a vegetação natural e os frutos do nosso cerrado é importante para conhecimento da população, da tecnologia e do aproveitamento sustentável. Com o estudo desses frutos nós temos cinco alunos premiados no Programa Cientista Aprendiz por meio do programa de extensão da UEMASUL. Esse é o resultado de um trabalho de extensão que estamos desenvolvendo desde 2018 nos laboratórios da universidade com alunos do ensino médio, principalmente com alunos da rede estadual, que não possuem laboratórios”, afirmou. Ainda de acordo com o professor Zilmar, Imperatriz é a única cidade do Maranhão que trabalha com pesquisa voltada para o Ensino Médio. 

O estudante Gustavo Botega Serra, do 3º ano do Ensino Médio, da Escola Santa Teresinha, vai participar do maior evento científico do mundo, em Atlanta. Seu projeto, “Óleo do tucum-mirim – avaliação do seu potencial como repelente vinculado ao modelo experimental in vitro”, foi selecionado em segundo lugar. “A pesquisa concluiu que o óleo de tucum-mirim é altamente eficaz na prevenção e tratamento de picadas de insetos, uma situação que assola bastante a sociedade, principalmente na zona rural maranhense. O projeto conseguiu provar a eficácia, principalmente com relação ao repelente do óleo, feito a partir da amêndoa”, disse Gustavo.

Programa Cientista Aprendiz

O Cientista Aprendiz é um programa de pré-iniciação científica para alunos do 8º ano do Ensino Fundamental até a 3ª série do Ensino Médio. O programa faz parte das atividades de extensão da UEMASUL e nasceu do interesse dos alunos pelas atividades de laboratório e pelas diferentes áreas da pesquisa científica. Focado em aprimorar a habilidade científica dos participantes, e em propiciar-lhes vivência real dentro da área de pesquisa e desenvolvimento, o Cientista Aprendiz é uma oportunidade para que os jovens desenvolvam projetos de investigação com o uso de metodologia científica. O programa está sendo desenvolvido desde 2017 nos laboratórios de ensino e de saúde do Centro de Ciências Exatas, Naturais e Tecnológicas (CCENT), no qual participaram mais de 100 alunos. Muitos prêmios já foram conquistados. Os últimos premiados são: 

Ana Beatriz da Silva Castro – Escola Artceb. Representou o Brasil no maior evento de iniciação cientifica do mundo ISEF/USA em 2020 e 2021 e irá representar o Brasil no Mundial do México em 2022, com o projeto “Biotec- Biotecnologia Tecnologia aplicada ao fruto do buriti”.

Amanda Pires – Centro de Ensino professor Edinan Moraes. Representará o Brasil na Infomatrix Latino América na Colômbia 2022, com o projeto “Utilização da farinha do jatobá no complemento alimentar”.

Gustavo Botega Serra – Escola Santa Teresinha. Irá representar o Brasil na ISEF/USA 2022, e participar em NY/USA no programa The Society for In Vitro Biology, com o projeto “Óleo do tucum-mirim – avaliação do seu potencial como repelente vinculado ao modelo experimental in vitro”.

Juliana Ferraz - Escola Santa Teresinha. Participará de  uma imersão em Israel em julho de 2022, com o projeto o “Uso de fungos na descontaminação de solo na agricultura de subsistência”.
Marcela Tobias – Escola Santa Teresinha. Irá representar o Brasil na ISEF/USA em maio de 2022, com o projeto “Aproveitamento de quatro espécies de frutos do cerrado para o desenvolvimento socioeconômico da região Tocantina”.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »