MENU

22/12/2021 às 21h06min - Atualizada em 22/12/2021 às 21h06min

​Dados de atuação do Gaeco em 2021 demonstram um trabalho especializado de combate ao crime organizado

Ao longo do ano foram deflagradas quatro grandes operações

Assessoria
MP/TO
Foto: Marcelo de Deus
 
Geralmente destacado na imprensa por suas operações de prisão e de busca e apreensão, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Tocantins (Gaeco/MPTO) possui uma atuação que vai muito além disso, envolvendo um trabalho especializado de investigação, de desarticulação de organizações criminosas e de atuação na esfera judicial. É o que mostra o balanço das ações do grupo em 2021.

Ao longo do ano, o Gaeco deflagrou quatro operações (Collapsus, Donatio, Temazcal e Matrix), que visaram desarticular a cúpula da facção Primeiro Comando da Capital (PCC) no Tocantins e desmantelar núcleos criminosos que atuavam junto ao Detran Tocantins na fraude de certificados para condutores de cargas perigosas, de transporte de passageiros e outros; na falsificação de exames toxicológicos de condutores; e na baixa ilegal de tributos e multas.

No âmbito destas operações e em outras investigações, o Gaeco representou pela prisão preventiva de 82 investigados e esteve à frente do cumprimento de 44 mandados de busca e apreensão. Também ajuizou oito pedidos de afastamento de sigilo telefônico (com cerca de 85 alvos interceptados) e seis de afastamento de sigilo bancário (envolvendo 44 pessoas físicas e jurídicas).

O balanço das ações mostra que o trabalho especializado torna necessária a infiltração de agentes e a realização de escutas ambientais e resulta em pedidos preventivos de sequestro de atos financeiros de pessoas investigadas. 

Também em 2021, 12 novos procedimentos investigatórios foram instaurados pelo grupo de atuação especial e 18 que já estavam em andamento foram impulsionados.
Como resultado das investigações, tem-se a proposição de denúncias criminais. Em 2021, foram oferecidas pelo Gaeco seis denúncias, cada uma delas envolvendo os diversos integrantes das respectivas organizações criminosas.

Atuações conjuntas
Também é recorrente na atuação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado a colaboração com outros órgãos investigativos. Em 2021, o Gaeco cooperou com o Ministério Público do Distrito Federal na operação Ethos, com a 1ª Divisão Especializada de Repressão a Narcóticos (Denarc) na operação Feynman, com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) na apreensão de seis caminhões com madeira transportada ilegalmente e atuou em conjunto com os Gaecos dos estados de Goiás, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Loading...