MENU

03/10/2021 às 00h00min - Atualizada em 03/10/2021 às 00h00min

O Clone está de volta às tardes da Globo

“O Clone” foi exibida originalmente de 1º de outubro de 2001 a 15 de junho de 2002 em 221 capítulos e já reprisada em 2011, em 175 capítulos no “Vale a Pena Ver de Novo”. Em 2019 também foi exibida pelo Canal Viva.

Da Redação
GB Edições
Em “O Clone”, a atriz Giovanna Antonelli interpretou Jade, sua primeira protagonista e também ditou moda com seu figurino, maquiagem e acessórios de inspiração árabe / Foto: Arquivo GB Imagem
  
“Insch’Allah!”, “Né brinquedo não!” e “Cada mergulho é um flash!”. A partir desta segunda esses e muitos outros bordões estarão de volta à telinha da Globo, no “Vale a Pena Ver de Novo”.  Prestes a completar 20 anos de sua primeira exibição, “O Clone” trouxe ao grande público, em 2001, assuntos pouco explorados na teledramaturgia da época, como a clonagem humana que partiu da curiosidade da autora Glória Perez pelo caso da ovelha Dolly - e a cultura árabe, retratada através dos costumes das famílias que moravam no Marrocos. O Islamismo, os papéis masculino e feminino na sociedade, a dança, a língua, a culinária e as cerimônias marroquinas são pano de fundo para uma grande história de amor. A novela também conta com muitos momentos de humor, debates sobre dependência química, amores proibidos, inseminação artificial, fé, ciência e religião, e personagens emblemáticos.  

Neste trabalho, a atriz Giovanna Antonelli interpretou Jade, sua primeira protagonista em novelas. A personagem gerou interesse e aproximou o brasileiro da cultura muçulmana ao lado de outros que ficaram marcados, como Nazira (Eliane Giardini), Zoraide (Jandira Martini), Khadija (Carla Diaz), Tio Ali (Stênio Garcia), Said (Dalton Vigh), Tio Abdul (Sebastião Vasconcellos), Mohamed (Antonio Calloni), Latiffa (Letícia Sabatella), Ranya (Nívea Stelmann), Mustafá (Perry Salles) e Zein (Luciano Szafir). Giovanna Antonelli também ditou moda com seu figurino, maquiagem e acessórios de inspiração árabe.   

Os bordões são outro capítulo da obra.  Dona Jura (Solange Couto) com seu “Né brinquedo não!”, Odete (Mara Manzan) com “Cada mergulho é um flash!” e Ligeirinho (Eri Johnson) com “Bom te ver!”, assim como as expressões “Maktub”, “mulher espetaculosa”, “arder no mármore do inferno”, “fazer a exposição da figura” e “jogar ao vento”, que entraram no cotidiano dos brasileiros.  

A produção também se destacou por paisagens deslumbrantes e por apresentar o Marrocos ao público brasileiro. As primeiras cenas foram gravadas em cinco cidades do país, em locações como as ruínas do kasbah Ait Ben Hadou, em Ouarzazate, o mercado de camelos de Marrakech, a cisterna portuguesa de El Jadida e a milenar Medina de Fez, que serviu de referência para a cidade cenográfica marroquina nos Estúdios Globo. As cenas finais, que mostram o desfecho dos personagens Albieri (Juca de Oliveira) e Leo (Murilo Benício), foram gravadas nos Lençóis Maranhenses, representando o deserto do Saara.  

A novela foi o único título brasileiro em uma seleção dos principais programas da televisão nos últimos 50 anos feita pela The WIT, empresa especializada em rastrear o mundo em busca de tendências de conteúdo de televisão e programação digital, em Cannes, na França, onde aparece como a melhor produção de 2001. Além do sucesso no Brasil, ela foi vendida para mais de 100 países, incluindo Argentina, Chile, Colômbia, El Salvador, Moçambique, Peru e Romênia. Foi recorde de audiência no Kosovo e sucesso na Sérvia, Rússia e Albânia. A obra também conquistou três categorias do Prêmio Inte (Indústria de la Televisión em Español), considerado um dos mais importantes do mercado latino: melhor novela, melhor autora e melhor atriz com Giovanna Antonelli. No Brasil, Eliane Giardini recebeu o prêmio de melhor atriz por sua interpretação da muçulmana Nazira, e Sthefany Brito, o prêmio de revelação pelo papel de Yasmin, em 2002, pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA).  
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Loading...