MENU

29/05/2021 às 00h00min - Atualizada em 29/05/2021 às 00h00min

Coluna do Illya

 

Ene’s. A espinha e a solidariedade

N é um personagem e tanto. Verdadeira personalidade. Desses marcantes, entre os quais a gente se apega e não esquece. Grande amizade. Vale a existência.

N é outro. Bruto e solidário. Profissional de mão cheia. Na sua especialidade, sem igual na Imperosa. Seu diploma ilustraria e honraria qualquer hospital Brasil afora.

N, o primeiro, é de família tradicional, desses que o DNA atravessa de pai para filho varando gerações. Contador de causos e observador, gosta de futebol, não torce para qualquer time. É  seletista, tanto que é um orgulhoso torcedor do Santos como se Pelé nele, ainda jogasse. Não é fanático, mas carrega no coração uma bandeira e faz do espaço que lhe permite enxergar o Tocantins, sua Vila Belmiro.

N, o segundo, aqui chegou como tantos, melhor que muitos, porém, chegou doutor. Um diferencial. Também seletista, se orgulha da Estrela Solitária e verdadeira lira, no lugar das récitas poéticas e das cordas, seu dedo médio está sempre à disposição dos amigos, que não são muitos porque intimidade com ele, é privilégio de poucos, bem como dos pacientes, esses, sim, uma vasta gama. Todos, amigos e clientela, satisfeitos. Aliás, satisfeitíssimos, diga-se de passagem. O doutor (perdoem, mais que a redundância) é doutor.

Pois bem! Dia desses, N, o primeiro, não confundam, apesar de usar óculos, começou a se queixar do olho. Coça daqui, coça dali, bicho bom é coceira, quanto mais coça, mais dá vontade. No entanto, N, não é masoquista e começou a reclamar de dor e percebeu a inflamação. Contorções à parte, mesmo com a utilização de um espelho não conseguia ver. Incomodado, celular à mão depois de muitos xingamentos à operadora que solidárias entre si, na hora da necessidade, nenhuma delas funciona. Ufa!, conseguiu. Ligou para N, o segundo. 

- Vem aqui!

Como se vê, N, o doutor é quase monossilábico. Ouvir duas palavras, na hora de um aperto desses, mais que um luxo, foi um bálsamo. 

N, o primeiro, foi. Chegando perto, olhou enviesado para o Banco do Brasil que além de servir para depositar o que não era o caso, serve também para retirar, o que poderia ser o caso. Incomodado com o olho e com o coça aqui, coça acolá, resmungou. N que já andava meio de lado, atravessou a calçada e entrou.

- Deita aí.  

Como se vê, N, o doutor é quase monossilábico. Duas palavras, em meio o coça daqui e o coça dali, serviu de acolhida a apontar a solução do problema. 

E dedo médio à parte, tome pinça. Pinça daqui, pinça, dali…

A certeza de N, o primeiro, que o homem entre outras qualidades é de uma convicção de fazer tremer vara de goiaba, era de um incômodo tipo assim, uma amêndoa que tentou escapulir e ficou pelo meio do caminho. Um liquidozinho aqui, uma gaze ali, enfim, clareou-se o olho e sua área territorial. Orgulhosamente, para alívio geral, a pinça foi levantada e exibida, agarrada a ela, como um apêndice, uma espinha.

- Filho de pescador é realmente um privilegiado. Fosse filho de caçador por exemplo, a espinha como acontece com tantos, pararia na garganta. Nesse caso, parou no olho.

N, já sem o coça daqui, coça dali, agradecido: 

- N é F… o bicho é bruto, mas é bom. E esta solidariedade aos amigos? No dia de nossa santa, Teresa D’Ávila, vou fazer uma novena pra ele. Que Deus sempre lhe proteja!
Link
ILLYA NATHASJE

ILLYA NATHASJE

ILLYA Ulianov Buby NATHASJE é publicitário e Diretor Comercial de O PROGRESSO.

Tags »
Relacionadas »
Comentários »
Loading...