* Adalberto Franklin

O mais antigo jornal de Imperatriz em circulação diária — e terceiro do Maranhão — foi fundado em 3 de maio de 1970 pelo tipógrafo e empresário gráfico José Matos Vieira e pelo advogado e jornalista Jurivê de Macêdo. Era um antigo sonho que se concretizava.

 

Mais tarde, o jornalista Helius de Monção, vindo de Goiânia, juntou-se a Jurivê, como secretário de redação. Depois, chegou Otávio Barros, repórter vindo de Teresina.

 

O jornal crescia. Vieira então tratou de comprar uma linotipo para a composição. Foi comprada diretamente de Rômulo Maiorana, proprietário de O Liberal, de Belém, que renovava seu parque gráfico com impressoras ofsete. Também de Belém, da gráfica dos padres salesianos, foi comprada uma grande impressora, de meia folha, que imprimia duas páginas por vez.

 

De Belém, veio também o linotipista José Carlos, que se radicou com a família em Imperatriz.

 

A partir daí, O PROGRESSO, que circulava apenas uma vez por semana, passou a ser bissemanário. Separou-se da Tipografia Violeta, onde era composto e impresso, passando a ter prédio em separado e funcionários próprios.

 

A equipe de funcionários, jornalistas e colaboradores aumentou: pessoas de Imperatriz e de outras localidades passaram a produzir textos para O PROGRESSO. Dentre eles, destacaram-se os bancários Pedro Pereira Braga, Dorian Ricker Teles de Menezes e Luiz Henrique Veras; os advogados Agostinho Noleto, Aureliano Neto, Sálvio Dino, Clemente Viegas e Édson Vidigal (que manteve a "Coluna do Vidigal" por muito tempo); Antônio Rodrigues Filho; Edmilson Franco, Adelman Costa; José Edílson Fialho (colunista social); Cézar Jansen Pereira; Sidney Valadares Vieira; Sergio Macedo; Humberto Nunes; professor José Queiroz (de Carolina); João Correia Rocha; Mário Mazzini (de Marabá); Vitor Hugo (vindo de Goiânia); José Pitta (oriundo de Brasília) e Flávio Góes (vindo do Rio de Janeiro).

 

Em outubro de 1975, José Matos Vieira colocou o jornal à venda. O comprador foi o ex-promotor de Justiça de Imperatriz, Sergio Antonio Nahuz Godinho, atendendo pedido de seu amigo Jurivê de Macêdo. À época residindo e advogando em São Luís, Godinho passa a administração de O PROGRESSO ao próprio Jurivê e ao advogado Agostinho Noleto Soares, e providencia a aquisição de novas máquinas.

 

O PROGRESSO deixa a circulação bissemanal de quatro páginas e se transforma num diário de doze páginas, com nova feição gráfica.

 

As enormes dificuldades na manutenção e administração de um jornal diário, numa cidade do interior do Estado, apresentam-se imediatamente, desestimulando o novo proprietário, que tinha outras atividades e residia fora de Imperatriz.

 

Diante disso, O PROGRESSO é novamente vendido, após quase dois anos de muita persistência de Sergio Godinho. Os novos proprietários, dedicando-se mais a outras atividades, relegam o jornal a segundo plano. O diário deixa de circular regularmente e paralisa suas atividades por vários meses.

 

Em 1978, Sergio Godinho retorna para Imperatriz e decide retomar o desafio de manter o jornal. Mesmo sacrificando sua banca de advocacia e uma imobiliária de sua propriedade, investe e recupera O PROGRESSO. Sua disposição é colocar o jornal a serviço da comunidade.

 

É um período difícil. Uma peregrinação rumo ao desconhecido. Vive-se o dia a dia. Compra-se o papel e a tinta a cada dia, para a edição do dia seguinte. Jornal na rua, corre-se atrás do faturamento para pagar o material comprado. A redação era o refúgio na hora do sono. A cama, uma escrivaninha. O travesseiro, as sobras de jornal.

 

O PROGRESSO então investe na preparação do seu próprio pessoal: repórteres, paginadores, impressores, linotipistas. alguns "exportados" para longínquos rincões deste Brasil, outros para bem pertinho, na esperança de, um dia, retornarem à "casa"... e muitos o fizeram. Todos "prata-da-casa". Dezenas de excelentes profissionais passaram pelo calor das oficinas e pela "algazarra" da redação.

 

Continua a jornada... mas, ainda, rumo ao desconhecido.

 

Apesar das quase intransponíveis dificuldades enfrentadas, mansamente, a modernizaçãose aproxim.

 

Em 1986, a velha e gigantesca impressora manual, apelidada de "pata choca", é substituída por uma moderna ofsete. A clicheria dá espaço à fotomecânica e as velhas linotipos, aos computadores. O prelo é aposentado para dar lugar às impressoras digitais.

 

Com isso, O PROGRESSO torna-se um dos primeiros jornais do Maranhão — e do interior do Norte, Nordeste e Centro-Oeste — a informatizar o seu setor de pré-impressão. Isso tudo altera profundamente sua feição gráfica.

 

Sob a direção do editor Adalberto Franklin, o jornal conclui sua passagem para o sistema ofsete. Passa a ter 16 páginas diárias, em dois cadernos. Entre seus novos colunistas figura Joelmir Betting, publicado simultaneamente com a Folha de S. Paulo. Aos domingos, conta com 20 páginas mais o encarte O PROGRESSINHO, coordenado por Maria da Graça Godinho, que entre outras publicações investe nas do criador da turma da Mônica, desenhista Maurício de Souza. Em concurso nacional realizado em 1987, esse jornal infantil é eleito um dos cinco melhores do país, concorrendo dentre outros com a Folhinha, da Folha de S. Paulo, e O Globinho, de O Globo.

 

A revolução da informática avança e O PROGRESSO acompanha os novos tempos. Vem então a editoração eletrônica e as impressoras a laser, aposentando-se as até então "modernas" compositoras Remtronic e Forma Composer, impressoras de margaridas.

 

Aposenta-se também o barulhento telex, através das quais chegavam as informações das agências nacionais de notícias; o fax também já estava com seus dias contados, pois a informação passa a contar com a captação de notícias via satélite, pela Internet.

 

Na Redação, onde não mais se escutava o barulhento matraquear das máquinas de escrever, a modernização também chegou com a digitação silenciosa dos computadores.

 

A agilidade passou a ser a marca registrada. As longas e sonolentas madrugadas passaram a ser lembradas com muito carinho e saudade.

 

Agora, O PROGRESSO acompanha as notícias na mesma velocidade dos grandes jornais.

 

O PROGRESSO, hoje, faz jus ao seu slogan: Expressão Regional. É o grande cronista da região. Sua área de abrangência extrapolou as fronteiras de Imperatriz. Cobrindo uma boa parte do sul e do sudoeste maranhense e São Luís, capital do Maranhão, penetra no Estado do Tocantins, do "Bico do Papagaio" até Araguaína.

 

A persistência e o sacrifício despendidos nestas quatro décadas valeram a pena.

 

Os desafios continuam a ser muitos, mas a disposição em enfrentá-los e de dar continuidade à dinamização tecnológica de O PROGRESSO permanecem. Hoje...

__________________________________________________________________________________________
*Adalberto Franklin é pesquisador de história regional e membro da AIL; autor de “Breve história de Imperatriz” e “Apontamentos e fontes para a história de Imperatriz”, dentre outros e ex-editor de O PROGRESSO.