Direito do Trabalho

Direito do Trabalho

Nova falta grave?

Meus amigos.

A CLT traz em seu Capítulo V, que trata da RESCISÃO, no art. 482 e seus incisos as faltas graves que podem ser praticadas pelos empregados e que permitem ao empregador rescindir o contrato de trabalho do operário por justa causa. A doutrina e a jurisprudência pontificam que as hipóteses ali delineadas são taxativas, sendo que se houver outra falta cometida pelo empregado, que ali não esteja prevista, se o empregador quiser rescindir o contrato não poderá alegar que a despedida foi justa, devendo arcar com os custos da indenização a que terá direito ...

leia mais +

Reforma Trabalhista: Opiniões

Meus amigos.

O fato já era esperado. Toda vez que no nosso ordenamento jurídico surge uma norma que atinge interesses antagônicos, tal como a que instituiu a “Reforma Trabalhista”, colocando em confrontos trabalhadores e empregadores, surgem opiniões ora aplaudindo ora repudiando o que foi posto para ser aplicado. Então, pesquisei algumas delas e as coloco para conhecimento de vocês. Vamos a elas.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso considera que a espinha dorsal da reforma trabalhista é a tese de que o Estado tem o dever de proteger o hipossuficiente, ...

leia mais +

Americanos e a reforma trabalhista

Meus amigos.

Segundo noticia o Jornal A Folha de São Paulo, a “Reforma Trabalhista” recentemente sancionada e que entrará em vigor em novembro próximo não agradou aos americanos. Aliás, há sempre uma indagação feita pelos nossos jornalistas em publicações especializadas o porquê de nossos compatriotas ficarem embevecidos com o mundo de trabalho americano, o qual não oferece aos trabalhadores alguns benefícios como, por exemplo, décimo terceiro salário, terço constitucional de férias, etc. aqui recebidos.

Mas o que esperavam os empresários americanos da nossa reforma? Diminuir o salário, acabar com o terço de férias, o ...

leia mais +

Novidades da reforma trabalhista

Meus amigos.

Vou lhes apresentar algumas novidades da reforma trabalhista, não significando que sejam todas, dado o nosso exíguo espaço no Jornal.

As relações entre empregadores e empregados devem ficar mais flexíveis com a aprovação da reforma trabalhista.

O ponto central da reforma é dar mais força aos acordos firmados entre contratantes e contratados, que prevaleceriam sobre os artigos da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Isso não significa que a CLT perde força.

Além de privilegiar o que for acordado, a reforma também cria modalidades de emprego, como o trabalho intermitente, que prevê a contratação por períodos, e o home ...

leia mais +

A Lei 13.429 e Terceirização

Meus amigos.

Promulgada a 31/03/2017, a Lei nº. 13.249 alterou a Lei 6019/74 que trata do trabalho temporário. Ora, já começa a confusão daí, pois ao alterar certos dispositivos da Lei 6.019/1974, incluiu em seu texto um regulamento sobre terceirização, como se fossem institutos iguais, quando, efetivamente, são contratos de natureza diversa.

Ocorre que no trabalho temporário há fornecimento de mão de obra à tomadora de serviços, por meio de empresa interposta, empresa de trabalho temporário, nas hipóteses admitidas pelo sistema jurídico.

A nova redação do artigo 2º da Lei 6019 vem ...

leia mais +

Autônomo e vínculo

Meus amigos.

Mais uma novidade vem apresentada na reforma trabalhista sancionada pelo Presidente da República no dia 13 de julho do corrente ano, mas em virtude do que determina o artigo 6° da referida lei, esta só entrará em vigor 120 dias depois de sua publicação feita em 14/07/, ou seja, 14/11, em virtude da chamada vacatio legis determinada pela norma.

Com efeito, nada era previsto na legislação trabalhista quanto ao trabalho autônomo, mas foi acrescentado à CLT o art. 442-B assim redigido: “Art. 442-B. A contratação do autônomo, cumpridas por este todas as ...

leia mais +

Trabalho intermitente

Meus amigos.

A reforma trabalhista recentemente sancionado pelo Presidente Temer trouxe algumas novidades na contratação de empregados e entre elas a que se denomina de trabalho intermitente.

Com efeito, tal modalidade de trabalho é o prestado sem dia e horário fixos de trabalho. Pelo que está previsto na sua regulamentação, aliás parca, referida contratação deverá ser por escrito e conter especificamente o valor da hora de trabalho, que não pode ser inferior ao valor-horário do salário mínimo ou àquele pago aos demais empregados que exerçam a mesma função em contrato intermitente ou não. Também ...

leia mais +

Reforma e leigos

Meus amigos.

Recebi da colega Rita Silvestre um interessante artigo sobre a Reforma Trabalhista para Leigos. Como não escrevo somente para os nobres colegas advogados, dado que nossa página atinge outras categorias, resolvi trazê-lo para que todos possam melhor compreendê-la. Abordarei somente a mudança referente aos empregados.

O que muda no dia a dia do empregado. O tempo em que o empregado está na empresa, mas não trabalhando (exemplo aguardando transporte, estudando, trocando de uniforme) não será mais considerado como tempo de trabalho. O tempo utilizado no transporte fornecido pelo empregador também não. O ...

leia mais +

Prof. Doutor Fernando Belfort

Fernando Belfort é Desembargador aposentado do TRT 16ªR, advogado graduado em Direito pela Universidade Federal do Maranhão, Mestre em Direito (UFPE 2002) e doutor em Direito (PUC/SP 2008). Professor associado da Universidade Federal do Maranhão e membro da Academia Nacional de Direito do Trabalho, é autor de vários livros e artigos em LTr. Tem experiência nas seguintes áreas: cálculos trabalhistas, contribuição sindical, sindicatos e direito coletivo do trabalho e direito Processual do Trabalho. e-mail: fbelfortadv@hotmail.com