Direito do Trabalho

Direito do Trabalho

INDENIZAÇÃO “SUI GENERIS”.

Meus amigos. Vem repercutindo e muito, no âmbito do judiciário trabalhista, indenização concedida pelo TST a um ex-empregado da ALCOA, pelo valor que foi atribuído causando perplexidade até mesmo entre juízes do trabalho. Vamos ao caso.
Segundo publicações que se encontram em sites diversos pode-se ler que “um empregadoajuizou reclamação trabalhista perante a 5ª Vara do Trabalho de São Luís em virtude de ter sido diagnosticado com linfoma não-Hodgkin (tipo de câncer no sistema linfático) associado a fibromialgia deflagrada por exposição a substâncias químicas em forma de poeira e vapores presentes na indústria de produção de ...

leia mais +

JORNADAS DE TRABALHO NO MUNDO.

Meus amigos. Será que reduzir a jornada de trabalho significa produzir menos, ou mesmo aumentar a criação de emprego? Como sabemos no Brasil legislação trabalhista estabelece, salvo os casos especiais, que a jornada normal de trabalho é de 8 (oito) horas diárias e de 44 (quarenta e quatro) horas semanais.

Jornada de trabalho é menor em países europeus. Países europeus têm experimentado reduzir a jornada de trabalho de seus cidadãos. Em 2015, empresas suecas decidiram que os funcionários deveriam cumprir apenas seis horas por dia. Na França, desde 2000, a legislação estabelece um limite de 35 ...

leia mais +

Factum principis e cessação de contrato

Meus amigos.

Deve ser admitida a ocorrência do “factum principis” quando a rescisão do contrato de trabalho decorrer de ato da administração pública que não pode ser evitado pelo empregador, que se vê obrigado a encerrar suas atividades econômicas?

Começo por lhes dizer que, “factum principis” (fato do príncipe) trata-se de uma espécie do gênero força maior, sendo necessária para sua evidência a presença dos seguintes requisitos: ato administrativo inevitável praticado por autoridade competente; interrupção temporária ou definitiva da prestação dos serviços e não concorrência, direta ou indireta, do empregador para a prática do ...

leia mais +

Fim de ano e trabalho temporário

Meus amigos.

As festas de final de ano geram milhares de vagas de emprego temporário. Há uma legislação específica para esse tipo de contrato, que precisa ser seguida pelas empresas e observada pelos empregados.

O trabalho temporário é regulado pela Lei 6.019/74 (com as alterações legislativas pela Lei 13.429/17) e pelo Regulamento (Decreto 73.841/74, além da Portaria MTE 789/14 e da Instrução Normativa SIT 114/14).

Face à nova redação (art. 2º, caput), trabalho temporário é o prestado por pessoa física contratada por uma empresa de trabalho temporário que a coloca à disposição ...

leia mais +

Papai Noel gostou da reforma

Meus amigos.

Como empregador que o é, Papai Noel gostou da Reforma Trabalhista e já a vem aplicando apesar dos protestos do Presidente do Sindicato Único representante da categoria laboral. Justifica as alterações das contratações dos gnomos, seus principais colaboradores, referindo-se a crise econômico por que passa o Brasil. Com a proximidade do Natal na próxima terça feira, 25, consegui descobrir o que vem ele aplicando da nova legislação.

Está aplicando contratação intermitente, ou seja, o contrato de trabalho no qual a prestação de serviços, com subordinação, não é contínua, ocorrendo com alternância de ...

leia mais +

Divergência na Reforma

Meus amigos

São comuns as divergências quando se vai interpretar uma norma. Mas, será aceitável julgar-se procedente uma ação quando a lei não prevê que assim não se o faça? Vamos ao caso.

Um empregado firmou contrato de trabalho na modalidade de intermitente com uma empresa no dia 21/11/2017 e término em 26/02/2018.

O autor ajuizou reclamação trabalhista e sustentou a inconstitucionalidade dos dispositivos legais que regulamentaram o contrato intermitente e, assim, pleiteia a condenação da ré ao pagamento de salários de todo o período do vínculo, aviso prévio, diferenças de FGTS ...

leia mais +

Assédio processual

Meus amigos.

Neste mesmo espaço já abordei as figuras do “Assédio Moral e Sexual”, mas agora surge um novo tipo: Assédio Processual. Este se caracteriza quando a parte, sem motivo razoável, tem comportamento inadequado, quando enxerga a possibilidade de a parte adversa sair vencedora do pleito. Procrastina, litiga de má fé, ultrapassa os limites do direito de defesa.

A Reforma Trabalhista, antes omissa, mas com prática consolidada na jurisprudência, veio trazê-la é só verificarmos nos artigos 793-A e seguintes da CLT.

Leciona o Prof. Dr. Georgenor Franco que “Assim, seja reclamante, reclamado ...

leia mais +

Casos judiciais pitorescos

Meus amigos.

O Judiciário é terreno fértil para casos – e causos – pitorescos, e a Justiça do Trabalho é responsável por boa parte deles. Destaco entre eles adicional de fralda suja, indenização por fimose adquirida, flatulência no local de trabalho, indenização por “serviço de umbanda” e vínculo com prostíbulo. Vamos a eles.

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) julgou ação em que a monitora de uma creche, no Rio Grande do Sul, pedia que lhe fosse pago adicional de insalubridade. Isso porque, segundo ela, em seu trabalho, era preciso realizar atividades “insalubres”, como ...

leia mais +

Prof. Doutor Fernando Belfort

Fernando Belfort é Desembargador aposentado do TRT 16ªR, advogado graduado em Direito pela Universidade Federal do Maranhão, Mestre em Direito (UFPE 2002) e doutor em Direito (PUC/SP 2008). Professor associado da Universidade Federal do Maranhão e membro da Academia Nacional de Direito do Trabalho, é autor de vários livros e artigos em LTr. Tem experiência nas seguintes áreas: cálculos trabalhistas, contribuição sindical, sindicatos e direito coletivo do trabalho e direito Processual do Trabalho. e-mail: fbelfortadv@hotmail.com