Apoiaria?

Será que se Madeira ainda fosse prefeito ele defenderia dar 60% desse dinheiro para os professores? Quem não se lembra das greves ou ameaças de paralisação todo ano, promovidas pelo STEEI com passeatas dos professores pelas ruas carregando caixão para fazer o enterro simbólico do então prefeito? Quase sempre o que buscavam era menos de 10%  de aumento na data-base, o que era negado pelo então prefeito, sempre zangado quando um servidor lhe pedia aumento. Uma das greves durou mais de cem dias.

E mais

Como há ações na Justiça em tramitação e também recomendações de órgãos fiscalizadores de que estes recursos do precatório do Fundeb não podem ser rateados com os professores, a prefeitura vai aguardar o desfecho do julgamento da ação no STF para então seguir o que for decidido pelos ministros do Supremo.

Palanque

Na verdade, o resultado da sessão já se sabia por antecipação pelos quatro cantos da cidade. Todos sabiam que os vereadores de oposição iriam transformar o assunto e a sessão em palanque eleitoral, afinal, todos eles são candidatos à reeleição, com exceção do presidente, que é pré-candidato a prefeito.

Taxas

Na cidade de Açailândia, a Câmara de Vereadores aprovou um novo imposto que está gerando muitas críticas aos vereadores e ao prefeito Aluísio Alves, que sancionou. Tudo porque, entendem os críticos, a taxa vai fazer com que as empresas deixem de investir no município, como a Suzano. É que a taxa é relacionada sobre Florestas, exatamente o que a Suzano planta no município, assim como as siderúrgicas. 

Desemprego

Eles temem que com esta taxação as empresas saiam de Açailândia, provocando uma onda de desemprego na cidade, que já sofre, a exemplo de todo o país, com a falta de empregos. O prefeito Aluísio Alves argumenta que não há este risco e que o município vai arrecadar mais e com isso investir mais na cidade.

Reflexão

"És tão jovem quanto a tua fé; tão velho quanto a tua descrença. Tão jovem quanto a tua confiança em ti e em tua esperança". (Do poema "Ser Jovem" do General Douglas McArthur, nascido em 1880) Eu tinha onze anos e já recitava esse poema. Se imaginava a grandeza desses pensamentos... não sei! Hoje, sei apenas que, quem fecha o seu coração para a vida, jamais entenderá sequer a morte. Vamos que vamos! Bom dia a todos!