Crônica da Cidade

Crônica da Cidade

Reta Final

Estamos chegando a ela, onde tudo pode começar ou recomeçar. E, com discernimento, responsabilidade democrática e arraigado a um profundo sentimento ético, escolheremos quem nos representará na função executiva de governo e no parlamento estadual ou federal. Vem-me à lembrança o cântico aflito do poeta dos escravos, que, em O navio negreiro, denunciava os horrores da escravidão do negro, desterrado da África e submetido aos grilhões do seu opressor, que detinha, a fogo e ferro, o domínio da casa-grande em detrimento do pessoal da senzala. A súplica poética a ser lembrada, que ainda ecoa em nossos tempos, representa ...

leia mais +

Esquerda e Direita, como metáforas

Estava apressado. Ainda assim, conduzindo o veículo com muito cuidado. Mas o tempo me cobrava pressa. Em mim a inquietação de ter que chegar. Vinha-me a utopia irrealizável de estar na pele daqueles milionários da Paulista, que saem dos seus condomínios fechados em portentosos helicópteros, para o conforto de seus vastos e suntuosos escritórios. Mas... nada contra. Apenas o meu sonho, ou a possibilidade onírica de poder livrar-me dos obstáculos que se interpunham entre mim e meu ponto de chegada. A responsabilidade exigia de mim o dever de cumprir o horário. Tentei mudar de faixa de tráfego, da ...

leia mais +

A democracia "generalizada"

Os últimos acontecimentos tiraram-me do tédio. Vive-se o drama de Roskólhnikov, personagem do célebre romance Crime e Castigo, de Dostoiévski, que assassinou uma velha agiota para roubá-la e do dinheiro, subtraído pela cruel violência do seu ato, pretendia fazer bom uso em benefício próprio e da família. Praticado o hediondo crime, Raskólhnikov entrou numa contradição ética, porquanto, apesar de ser desprezível a vítima, uma agiota exploradora, ainda assim era um ser humano. Passou a viver o drama da não aceitação do crime que perpetrara. Saindo da ficção dostoievskiana e vindo para a nossa nem sempre agradável realidade, chega-se à conclusão ...

leia mais +

O que pensam e dizem

Pedro Malan, lembram dele? Foi ministro da fazenda de FHC. Está lançando, em formato de livro, uma coletânea de artigos em que reúne textos por si publicados no jornal Estado de São Paulo, entre os anos de 2003 a 2017. Título do livro: Uma certa ideia de Brasil. No caderno Mercado, da Folha de SP, Malan deu, no dia 25 de agosto, uma entrevista onde faz algumas afirmações, como: "O Brasil é uma sociedade de massas urbana, com legítimas diferenças de opinião e conflitos de interesses." Afirma que a reforma da Previdência deve ser feita em curtíssimo prazo. ...

leia mais +

Aborto versus direito à vida

Escapei incólume. Fui o primeiro dos treze irmãos a chegar a esse planeta Terra. Nasci, ainda bem, numa época do culto aos filhos, em que a família era constituída de uma prole infinita. Produzidos ano a ano, os filhos exigem escápulas em todas as paredes da casa para que as redes fossem estendidas umas bem pertinho das outras, e as conversas de ouvida, num ti-ti-ti e risos à socapa, ajudassem a chamar o sono. As casas tinham aqueles corredores imensos, que se iniciavam da entrada e iam paralelos aos quartos até alcançar os fundos. Espaço não era problema ...

leia mais +

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Patrono da cadeira n.º 9 da Academia Maranhense de Letras - AML. E, por escolha do fundador, o poeta Olavo Bilac, é o patrono da cadeira n.º 15 da Academia Brasileira de Letras - ABL.

Nasceu em 10 de agosto de 1823, no sítio Jatobá, em Boa Vista, próximo à vila de Caxias. Filho natural do negociante português João Manuel Gonçalves Dias e de Vicência Mendes Ferreira, mulher mestiça e pobre, que se ligara ao pai do poeta tanto na condição de amante como prestadora de serviços domésticos.
Na sua obra Últimos cantos, publicada em ...

leia mais +

Lembrando Marielle

Marielle Francisco da Silva, conhecida como Marielle Franco, foi socióloga, feminista, defensora dos direitos humanos, política brasileira, e, nesta condição, exerceu a função de assessora parlamentar por mais de uma década, além de ter sido a 5ª vereadora mais votada nas eleições municipais do Rio de Janeiro, de 2016. Em face da sua intransigente defesa desses valores humanos, Marielle, vereadora do PSOL, foi brutalmente executada por bandidos, até este momento não identificados pela nossa diligente Polícia Judiciária brasileira e pelo nosso combativo Ministério Público. Apenas lamenta-se. Assassinato ocorrido no dia 14 de março de 2018, numa noite de ...

leia mais +

Um discurso exaltado

Cansei das férias. Minto: não é bem isso. As férias me cansaram. Ou pode até ser que elas se cansaram de mim. Saí para bem longe de São Luís. Que grave heresia, diriam alguns incautos: deixar entregues aos turistas esse nosso mar que banha com dedicação amorosa as nossas belas praias e o vento que nos lambe com afetividade canina para amenizar o forte calor solar. Lembrei-me do nosso hiperbólico cronista Nelson Rodrigues, ultimamente esquecido, que afirmava: “O brasileiro é um feriado”. E ressaltava em O óbvio ululante: - Vi isso, anteontem, e de repente. Era uma terça-feira ...

leia mais +