Crônica da Cidade

Crônica da Cidade

Vulnerabilidade e o superendividamento do consumidor

Estamos vivendo um período denominado enfaticamente de black friday. Manifestação de consumo de massa tipicamente norte-americana, que foi transplantada para o Brasil, que adora essas novidades estadunidenses, sobretudo na era Trump. Não sei se a tal black friday dura um dia, uma semana ou um mês. Só sei que está como um vírus letal disseminada em todos os lugares e todas as portas. Vive-se, dorme-se, acorda-se e come-se black friday. Tudo vendido a preço de banana. Expressão esta mais antiga do que andar pra frente e que caiu em absoluto desuso, sendo substituída, de algum tempo para cá, ...

leia mais +

A era dos robôs

Não é futurismo. Nem sonho, nem pesadelo. É a realidade. E, nós humanos, ou melhor, ainda humanos, devemos tomar os devidos cuidados. Os robôs estão chegando com muita "vontade" de assumir o comando de nossas vidas. O noticiário nos informa que a Arábia Saudita já se encontra bem à frente no processo de robotização, sendo a primeira nação do mundo a conceder cidadania a um robô. O seu nome é Sophia, até porque se veste com roupas femininas e dizem que se parece com a grande atriz Audrey Hepburn. Mas há outros que contradizem essa afirmação hollywoodiana, porém ...

leia mais +

A Ética da Conveniência

No livro Ética e vergonha na cara!, de Mario Sergio Cortella e Clóvis de Barros Filho, dois grandes pensadores brasileiros, que caminham por esse Brasil a fora, fazendo palestras sobre temas o aspecto ético. Faço o relato: 

"Em uma corrida de cross-country, o queniano Abel Mutai, medalha de ouro nos três mil metros com obstáculos em Londres, estava a pouca distância da linha de chegada e, confuso com a sinalização, parou filosóficos e ética, Cortella, logo de início, fala do relativismo moral, referindo-se à ética da conveniência, resumida na expressão "se é bom pra mim, tudo ...

leia mais +

Ângela (Sapoti) Maria

Para a família, Abelim Maria da Cunha, nascida em 13 de maio de 1929, em Conceição de Macabu, no Rio de Janeiro, e falecida em São Paulo, em 29 de setembro de 2018, aos 89 anos de idade. Adotou o nome artístico de Ângela Maria para fugir da censura dos pais. Cedo, descobriu a sua vocação para cantar. Era filha de um pastor protestante que a proibia de exercitar o canto, só admitindo que o fizesse na igreja, pois não deveria cantar músicas profanas. Ângela Maria rompe com essa barreira. Saiu de casa e foi procurar o seu ...

leia mais +

Ou vão pra fora ou vão fazer turismo

Estarrecido, com um misto de temor e de profunda apreensão, li essa frase em algum lugar. Não procurei saber quem a disse. Parece que todos sabem. Há um silêncio sepulcral. Sim, isso mesmo. Silêncio dos mortos. Silêncio do medo. Do medo de que o dia não seja mais dia. Que a noite desapareça, perdendo a sua beleza estelar, com a lua ensandecida vagando de um lado para o outro, como a louca do hospício, e apague-se, e que os poetas deixem de ser poetas, as flores murchem, os galhos de nossas belas árvores sequem, os rios desapareçam, o ...

leia mais +

O Estado é laico

O art. 14 da Constituição Federal de 1988, a nossa carta política de direitos, dispõe que "a soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos". Por seu turno, também garante a liberdade de crença e de religião, ao estabelecer no inciso VI do art. 5.º, no Capítulo dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos, que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". O preâmbulo da Constituição brasileiro afirma que fora a mesma promulgada, "sob a proteção de Deus". Ainda assim, o Estado brasileiro é regido pelo ...

leia mais +

Sr. Guedes

Estou açodadamente lendo um jornal, datado de 17 do mês de setembro, bem na proximidade das eleições que, em redundância, já batem as nossas portas. O jornal afirma que o Sr. Guedes, ou melhor, Paulo Guedes se beneficiou com fraude de uma corretora. Não quis crer no que estava lendo, até porque as fake news estão dominando as intrigas eleitorais. O cocoroca passa a gozar de uma saúde de Mister Universo, e o novo, ou nova, a depender de quem é candidato, vive o desânimo de um velho caquético. O ladrão notório, que conseguiu construir um patrimônio daqueles ...

leia mais +

Reta Final

Estamos chegando a ela, onde tudo pode começar ou recomeçar. E, com discernimento, responsabilidade democrática e arraigado a um profundo sentimento ético, escolheremos quem nos representará na função executiva de governo e no parlamento estadual ou federal. Vem-me à lembrança o cântico aflito do poeta dos escravos, que, em O navio negreiro, denunciava os horrores da escravidão do negro, desterrado da África e submetido aos grilhões do seu opressor, que detinha, a fogo e ferro, o domínio da casa-grande em detrimento do pessoal da senzala. A súplica poética a ser lembrada, que ainda ecoa em nossos tempos, representa ...

leia mais +