Crônica da Cidade

Crônica da Cidade

Amor é isto

Amar depende de quem ama e de quem se ama. Pode-se amar a pessoa amada. E não ser amado pela pessoa que se ama. A vida é encontro, com muitos desencontros. No ato de amar, tantos são fetichistas: adoram os pés da pessoa amada, ou o nariz um tanto afilado, ou a suavidade da voz, ou ainda inteligência e mesmo até a burrice, como marca pueril de quem não quer saber. À exceção dos sádicos, ninguém ama a grossura, a indelicadeza, o mau humor, a falta de afetividade, o desrespeito. Muito menos o silêncio, como desvalor da pouca atenção dada ...

leia mais +

Olho pro céu, meu amor

Recebo a visita de um amigo e de uma velha conhecida. Queriam conversar. Tanto que queriam conversar que vieram desprovidos dos celulares. Disseram-me, com a ênfase, que merecia tal fato, isso para os dias de hoje, que haviam deixado propositalmente os aparelhinhos em casa. Que bom, suspirei levemente. Encontraram-me na porta. Fato incomum, estava olhando o tempo e perscrutando o céu. Já era início da noite. Nesses momentos, não costumo ter a companhia do moderno e incômodo interlocutor. Gosto de ver o tempo. Que passa, roçando-nos como a brisa que vem do mar. E tenho essa mania besta ...

leia mais +

4 X 3

Você tinha alguma dúvida? Ainda que uma reles e insignificante dúvida? Confesso: eu nunca tive qualquer dúvida, embora não tenha o dom de praticar o ilusionismo, com a virtude de prever o futuro. Não. E não. De vez em quando jogo em loterias, mas passo bem longe do resultado. Se for para acertar cinco, no máximo consigo o acerto de um ou dois números, ou mesmo fico no zero. Sou um fenômeno negativo em previsão. A depender disso, continuarei escravo dos meus parcos ganhos de magistrado e professor. E vou levando a vida, já que nem posso fazer um ...

leia mais +

Palmas para Lewandowski

Refiro-me ao ministro do Supremo Tribunal Federal. Sim, a Ricardo Lewandowski. No dia 15 de maio deste ano, publicou um texto na Folha, na página Opinião e no espaço Tendências/Debates, sob o título Fora da Constituição não há salvação. E inicia fazendo a citação do célebre poema Intertexto, de Bertolt Brecht, que nos convida a pensar sobre nós mesmos, como animal político que fazemos parte de uma sociedade caracterizada por contradições e desigualdades, a nos impor o desafio de questioná-la, a todo instante, a toda hora e a todo minuto. Esse desafio decorre da responsabilidade que todos devemos ...

leia mais +

Temer: sê-lo-ia ou sê-lo-á?

Os últimos acontecimentos nos colocam nessa tormentosa dúvida. Após o golpe do impeachment, que contribuiu para desnudar a máscara da corrupção da direita, Temer, o seu articulador, num dos trechos do seu discurso de usurpação, perante os seus embevecidos correligionários, verberou essa passagem, referindo-se a si mesmo: "Quando menos fosse, sê-lo-ia pela minha formação democrática e pela minha formação jurídica." Tanto uma formação como a outra, paira a dúvida cruel: sê-lo-ia ou sê-lo-á? A história é tão atual. E assim, aproveitando esses dilacerantes sentimentos de incertezas sobre a sua probidade, no afã do momento, escreve um colunista da ...

leia mais +

Traição e traidores

Ao definir o que seja traição, o Pequeno Dicionário de Houaiss o faz em linguagem direta e simples, sem maior rebuscamento semântico, dizendo que é a quebra da fidelidade, e acrescenta, ainda, o sentido da deslealdade. Com base nessa acepção semântica, ser traidor é ser simplesmente infiel, ou desleal. Parece, nesse conceito restrito dicionarizado, que o ato de trair é um quase nada. Ou seja: no fundo, no fundo, é o amigo que é amigo até certo ponto, daí em diante, já não é mais, mudou de lado, por um conjunto de conveniências, sempre fartamente justificáveis. Esclareço: quando ...

leia mais +

"Viver é melhor que sonhar"

Por isso cuidado, meu bem / Há perigo na esquina / Eles venceram e o sinal / Está fechado pra nós / Que somos jovens. Versos de Como nossos pais, obra-prima de Belchior. Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes, gênio da música brasileira, que nos legou todos esses cantares eternos, que ficaram imortalizados na voz da também eterna Elis Regina. Como nossos pais é uma canção feita por Belchior no momento em que o Brasil vivia a parte mais sangrenta e cruel da sua história: a repressão da ditadura militar de 1964, que, sob os aplausos do nosso ...

leia mais +

Rui Barbosa: O justo e a Justiça Política

Baiano. E dos bons. Jurista, político, diplomata, escritor, filólogo, tradutor e orador. Viveu a transição histórica do Império para a República. Foi abolicionista. Candidato à presidência da República na campanha civilista, em 1919. A Constituição Federal de 1891, que adotou o sistema presidencialista, seguindo o modelo norte-americano, e atribuiu ao recém-criado Supremo Tribunal Federal o controle sobre a constitucionalidade das leis e atos administrativos do Legislativo e do Executivo, tem a sua inspiração e transpiração. Em defesa da liberdade - era um liberal -, instituiu a garantia fundamental ao habeas corpus. Rui Barbosa fez a revisão do projeto ...

leia mais +