Crônica da Cidade

Crônica da Cidade

Louco e lúcido

Louco e lúcido. Criador da sociedade alternativa. Assim, e muito mais, foi Raul Seixas. Baiano de nascimento e, desde menino, dedicou a sua arte musical ao rock. Foi um autor revolucionário, ao lado de Paulo Coelho, o letrista de suas canções. Tive oportunidade de assistir o documentário a respeito da sua vida artística. Sempre rebelde, em todos os sentidos. A droga o consumiu e ele consumiu grande quantidade de drogas. Faleceu no dia 21 de agosto de 1989. Foi encontrado morto pela sua amiga e empregada Dalva Borges. Dizia com muita ênfase: - Ninguém me descobriu ainda. Sou ...

leia mais +

Não saí do Brasil

Entrei o ano de 2020 com a alma tiritando e o coração batucando. Alegria. Tristeza. Angústia. Dúvida. Não sei. É mais um ano, com muitos votos de sucesso, felicidade, realizações, e o escambao. Veio-me Cartola, o nosso grande poeta da música popular da nossa pátria amada, como uma espécie de tábua de salvação. Socorre-me este mestre da canção e da poesia com o magnífico poema de As rosas não falam: Bate outra vez / Com esperança o meu coração / Pois já vai terminando o verão, enfim / Volto ao jardim / Com a certeza que devo chorar ...

leia mais +

O que disseram e o que dizem

A grande polêmica, no mundo literário, se ateve na perspectiva da escolha do nome a ser homenageado na FLIP, a Festa Literária Internacional de Paraty. Ainda está sendo cogitada, para próxima edição desse evento, a poeta norte-americana Elizabeth Bishop. Ao ser sugerido o seu nome, a grita foi geral, com vozes contrárias à escolha e se manifestando favoravelmente. O escritor e cronista Antonio Prata assim resumiu a sua aprovação: “Bishop comemorou o golpe militar. Foi abertamente gay numa época em que isso era heresia. Lúcida como poucos. Bêbada como poucos. O ser humano é complexo. É disso que ...

leia mais +

2020: Com a licença de Gabo: a crônica de uma morte anunciada

Convenhamos, o título é grande, antijornalístico, mas se impõe pela necessidade.  Retorno a uma crônica bem antiga e me refiro a Coelho Netto, um maranhense que viveu boa parte de sua vida fora do Maranhão. Há uma crônica de sua autoria, em Canteiro de Saudades, cujo título é O ano novo. O cronista narra sua perplexidade sobre esta festejada data: “Falavam tanto do Ano Novo, que eu resolvi esperar a meia-noite”. Assim iniciou a vigília da meia-noite para ver a entrada do ano. Mas decepciona-se. Embora despertado pelos brindes à mesa, beijos, abraços e bênçãos, não conseguiu enxergar ...

leia mais +

O Natal e as duas mulheres

Machado de Assis

 “Mudaria o Natal ou mudei eu?”

Cora Coralina

Enfeite a árvore de sua vida
com guirlandas de gratidão!
Coloque no coração laços de cetim rosa,
amarelo, azul, carmim,
Decore seu olhar com luzes brilhantes
estendendo as cores em seu semblante
Em sua lista de presentes
em cada caixinha embrulhe
um pedacinho de amor,
carinho,
ternura,
reconciliação,
perdão!
Tem presente de montão
no estoque do nosso coração
e não custa um tostão!
A hora ...

leia mais +

Isto aqui, ô ô

A nossa pátria amada sempre foi cantada em versos e prosa, com as exaltações de um povo heróico, o brado retumbante e o sol da liberdade em raios fúlgidos. Como não poderia deixar de ser, isso a partir do Hino Nacional, um dos símbolos da retórica do nosso arraigado patriotismo. Principalmente quando se recorre aos seus verdejantes versos para exaltar a nossa glória futebolística. Ao fazer a letra do nosso hino, Joaquim Osório Duque-Estrada cantou a todas as nossas virtudes naturais, como sermos gigantes pela própria natureza, o sol da liberdade, sem deixar de referir-se a nossa indolência, ...

leia mais +

Democracia: o poder invisível e o Estado de exceção

Desde os gregos, muitas foram as definições de democracia. Na Grécia antiga, Clístenes, que era um aristocrata, implantou reformas no sistema de governo, dando origem à democracia em Atenas. Lincoln define-a como governo do povo, pelo povo e para o povo. Churchill, mais radical, assim a denominava: democracia é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais. Norberto Bobbio, ao falar sobre o poder invisível, afirma que a democracia é idealmente o governo do poder visível, isto é, o governo cujos atos se desenrolam em público e sob o controle da opinião pública. Nada impede ...

leia mais +

Lembranças e Saudades

Costumo sempre alardear aos quatro cantos, por aonde ando ou passo, que Imperatriz, esta belíssima cidade banhada pelo rio Tocantins, foi a minha Fênix. - uma ave mitológica grega, símbolo da morte e do renascimento, que morria e renascia das cinzas. Nesta terra tocantina, por várias razões e circunstâncias, de muitos conhecidas e de outros, não, consegui renascer para uma outra vida. Esses fatos têm muita importância a mim e a todos aqueles com os quais convivi. Foram muitas lutas no campo jurídico como advogado e no exercício da função, à época bem difícil, de presidente da Subseção ...

leia mais +