Crônica da Cidade

Crônica da Cidade

Quinta-feira 7: o que o STF julgou

Vamos esclarecer, antes que os incautos, ignorantes e maldosos digam que o Supremo Tribunal Federal, ao julgar as ações declaratórias de constitucionalidade, determinou que, daqui para frente, não haverá mais prisão, embora haja prática de qualquer crime por mais hediondo ou menos que seja. Para entender-se o que ocorreu, há necessidade de fazermos um resumido histórico das posições do STF, até que se chegue à quinta-feira 7 de novembro deste ano de Nosso Senhor Jesus Cristo, como costumam alertar os cristãos fervorosos e os não assim tão fervorosos. Vamos lá aos fatos.
A Constituição brasileira vigente foi ...

leia mais +

A Ditadura e o AI-5

O destemperado deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho dileto do Jair, num rompante principesco, obriga-nos a recorrer à recente história da ditadura civil-militar. E voltamos a 13 de dezembro de 1968, quando um texto autoritário e cerceador das liberdades democráticasfoi levado ao general-presidente Artur da Costa e Silva, que liderava, desde antes de chegar ao poder, a linha dura do regime ditatorial de 1964. Esse documento, o AI-5, estabeleceu o arbítrio absoluto, concedendo poderes ilimitados ao ditador de plantão. De tudo aconteceu para que fosse editado o Ato Institucional n.° 5. Fervilhava, no primeiro ano do governo Costa e ...

leia mais +

E o Queiroz, hem? Faz fila, né!?

- Não precisa vincular a eles. É só chegar: nomeia fulano pra trabalhar contigo aí. Vinte continhos pra gente caía bem pra c... E mais: - O gabinete do Flávio faz fila de deputados e senadores pra conversar com ele. Salariozinho bom desse caía como uma luva. Tem mais de 500 cargos, cara, lá na Câmara, no Senado. Pode indicar qualquer comissão ou, alguma coisa, sem vincular eles com nada. Faz fila de deputados e senadores. No gabinete do Flávio.
Esse Queiroz sabe das coisas. E como sabe, hem?! É laranja pra cá, laranjal pra lá. E, ...

leia mais +

Santa Dulce dos Pobres

Certa vez, e já se vão muitos anos, um especialista em leisencontrou com Jesus, quando o Filho de Deus andava entre nós, e querendo testá-lo e tentá-lo, como antes outros fizeram a respeito do pagamento do tributo a César, perguntou-lhe: - Mestre, que devo fazer para receber a vida eterna em herança? Jesus percebeu a armadilha do indagador e lhe fez esta pergunta: - Que está escrito na Lei? Como lês? A resposta do sábio-curioso foi dada com muita sapiência: - Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com ...

leia mais +

Cultura do crime: ainda há esperança

São tantos os crimes, que, lamentavelmente, criança de doze anos está entrando nessa onda, ao processar um aprendizado macabro, ditado por governos, como o do Rio de Janeiro, que puseram a morte como fundamento profilático da criminalidade. Professa-se, assim, a cultura da morte, entronizando o crime como meio de combater o crime. O pior de tudo é que se confunde regime democrático e estado de direito. A nossa democracia é frágil, beirando à falência, justamente porque o nosso estado de direito padece dos mesmos males. Alguns idiotas, porque adoram o autoritarismo, representado por um capitão reformado e reverenciado ...

leia mais +

Quem derrotou quem?

Eis a grave questão, ora a desafiar a cidadania brasileira a encontrar uma resposta. Mas do que mesmo se trata?! Obviamente, dessa refrega entre o STF e a mais famosa instituição do nosso Brasil amado, que recebeu o garboso título, muito do uso comum dos nossos postos de lavadores de carro: a Lava Jato. Quem venceu? Quem perdeu? A perlenga continua. Tudo leva a crer que, pelo que informa o noticiário, o prélio se encontra, após disputa dos dois tempos regulares, em 7 a 4, para o Supremo. Estamos a aguardar a prorrogação, em que os craques desse ...

leia mais +

Réquiem para Ágatha

Réquiem, dizem os dicionaristas que é uma espécie de rito especial, celebrado por algumas igrejas cristãs em homenagem aos mortos. A Igreja Católica ministra as missas de réquiem, que evocam o repouso ou descanso eterno da pessoa falecida. Aqui não é uma missa, nem um rito de consolação, ou um culto. Enfim, quaisquer dessas expressões e os seus sentidos de recomendação cristã para o encontro definitivo com o Pai. É bem diferente. Na verdade, é um brado de inconformismo pelo assassinato de uma vítima tão inocente. E ainda conjecturam, numa justificativa que nada justifica, que o bárbaro crime ...

leia mais +

Isolda – um jeito estúpido de ser outra vez

Gostaria de iniciar com um jeito estúpido de te amar. Ou esquecer de tentar esquecer. Mas prefiro fazer uma espécie de justaposição: um jeito estúpido de ser outra vez. Isolda, apenas Isolda, ficou conhecida no mundo das grandes canções como “a Compositora do Rei”. Um apelido carinhoso que homenageia a sua imensa criatividade musical. Fisicamente, morreu jovem, aos 62 anos de idade. Artisticamente, eternizou-se com a qualidade estética de suas músicas. E não precisava fazer tantas. Basta que se faça referência a Outra vez, uma espécie de Mona Lisa do cancioneiro popular brasileiro, com melodia e letra extremamente ...

leia mais +