Aposentadoria

As eleições de 2018 podem ter aposentado vários políticos que fracassaram nas urnas. Entre os nomes apontados com possibilidade de “pendurar as chuteiras” estão o deputado Zé Reinaldo Tavares, o senador Edison Lobão, a ex-governadora Roseana Sarney e o ex-prefeito Ildon Marques de Souza. Os dois primeiros, pela idade avançada, possivelmente não vão querer enfrentar a dura batalha de uma campanha nas eleições de 2022. Roseana, ao deixar o governo em primeiro de janeiro de 2015, disse que não disputaria mais eleição, mas resolveu concorrer em 2018. Agora deve bater o martelo, até porque em 2022 teria que enfrentar Flávio Dino na disputa por uma única vaga ao Senado. Porém, em política o cenário muda toda hora. Então, é aguardar.

Mudanças

O prefeito Assis Ramos fará mudanças no time de secretários. A sua esposa, Janaína Ramos, assumirá a Secretaria de Desenvolvimento Social (SEDES), atualmente comandada por Zigomar Avelino Filho, que irá substituir o secretário de Infraestrutura, Francisco Pinheiro. Para a Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude (SEDEL) será nomeado o suplente de vereador Bispo Eudes, no momento ocupando a cadeira da vereadora Fátima Avelino, que foi candidata a deputada estadual e está voltando à Câmara. Atualmente, a SEDEL é dirigida por Wilson Fernandes Almeida Júnior.

Coeficiente

Não adiantaria o ex-prefeito Sebastião Madeira ter uma votação maior para ser deputado federal se a coligação não obtivesse coeficiente suficiente para eleger mais de um candidato. Segundo consta, para garantir duas vagas, a coligação precisaria de mais 100 mil votos. Portanto, não adiantaria Madeira ter nem o dobro dos seus 34.821 votos.

2020

Em Imperatriz, as eleições 2018 podem ter sido um ensaio para o embate de 2020. Com expressiva votação, “engrossaram o cangote” o empresário Josivaldo JP, candidato a deputado federal; o vereador Rildo Amaral, candidato a deputado estadual; o médico Francisco Fiim, candidato a deputado federal, e o próprio deputado estadual Marco Aurélio, duas vezes o mais votado na cidade. A eleição também serviu para jogar um balde de água fria em outros, que dificilmente terão coragem de ir à luta pela prefeitura, como a odontóloga Rosângela Curado, o ex-prefeito Ildon Marques, o vice-prefeito Alex Rocha e o empresário Ribinha Cunha.

Apoio

O deputado eleito Rildo Amaral (SD) já teria garantido o seu apoio à reeleição do presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Filho (PCdoB). Ontem, Rildo se encontrou com ele em São Luís. Na visão de observadores políticos, estaria muito cedo para o deputado eleito se manifestar sobre a eleição da nova mesa diretora da AL. Mas ele deve saber o que está fazendo...

Extinção

A cláusula de barreira pode sepultar vários partidos e/ou obrigar filiados a procurar outras siglas. Catorze partidos não atingiram o índice mínimo de votos válidos, tampouco fizeram deputados federais em número suficiente para vencer a cláusula, que definirá acesso ao fundo partidário e à propaganda de rádio e televisão. Entre as siglas está o PCdoB do governador Flávio Dino. Consta  que já existe um movimento de partidos trabalhando com a possibilidade de fusão, entre eles REDE, PRP, PHS e PRTB.

E...

A cláusula de barreira afeta também o PMN do deputado federal eleito Eduardo Braide, que terá de se definir até o início de abril de 2020, quando pretende ser candidato a prefeito de São Luís. Com o dispositivo, não teria espaço no horário da propaganda eleitoral nem fundo partidário. Este ano Braide cogitou entrar no PSDB após as eleições.

Culpado

O líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Rogério Cafeteira, não se reelegeu. Em pronunciamento na sessão de ontem, ele isentou qualquer um, inclusive o governador Flávio Dino, por não ter sido reeleito. A culpa é apenas sua, de mais ninguém. Rogério é sobrinho do ex-governador e ex-senador Epitácio Cafeteira, que morreu em maio deste ano, aos 93 anos.