Imbróglio

Durante sessão extraordinária na manhã de ontem,  por 14 votos a 7 a Câmara Municipal de Imperatriz  derrubou o veto do prefeito Asis Ramos à lei criada pelo Legislativo para  que os professores tenham direito de receber 60% dos recursos do Fundef repassados à Prefeitura, oriundos de precatórios. Ocorre que existe uma decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) que proíbe os gestores municipais pagar professores com tais recursos. O dinheiro é exclusivamente para manutenção e ao desenvolvimento da educação básica. Se o gestor fizer o repasse aos professores, poderá sofrer punição, a não ser que haja uma decisão do STF. Portanto, a Câmara de Imperatriz não teria poder para determinar ao Executivo o pagamento. Os vereadores estão naquela do “se colar, colou”, e de tabela aproveitam para jogar a classe contra o chefe do Executivo. Afinal, 2020 é ano de eleição.

E...

Causou estranheza o fato de alguns vereadores que se dizem da base do prefeito ter votado contra o veto do Executivo. O que estaria acontecendo?  

Pesquisa

Revela-se que estaria em Imperatriz gente da empresa Escutec, instituto que realiza pesquisas eleitorais. Não se sabe encomendado por quem, o instituto iria fazer um levantamento sobre a intenção de votos para prefeito de Imperatriz. Ano passado foram divulgadas algumas pesquisas, a maioria com números suspeitos. Vale lembrar que a partir do dia primeiro de janeiro estão valendo as regras para realização e divulgação de pesquisas. A multa é alta - R$ 53.205,00 a R$ 106.410,00. A divulgação de pesquisa fraudulenta constitui crime, punível com detenção de seis meses a um ano e multa. Portanto, que fiquem atentos.

Risco

A cúpula estadual do MDB continua insistindo para que a ex-governadora Roseana Sarney seja candidata a prefeita de São Luís. É uma “faca de dois gumes”. Ser derrotada em uma eleição municipal, Roseana correria o risco de estar sepultando de vez a sua carreira política. Por isso, seria mais prudente esperar o cenário estadual de 2022, que não terá Flávio Dino na disputa. Portanto, cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém.

Filiação

O juiz federal Carlos Madeira vai se filiar ao Solidariedade, conforme informação do  presidente regional da sigla, deputado Simplício Araújo. A filiação está dependendo apenas da oficialização da  aposentadoria do magistrado. Ele é uma opção do partido para disputar a prefeitura de São Luís. Do Maranhão, vários juizes estão enveredando pelo caminho da política-partidária. Dois chegaram até a renunciar à magistratura, casos do governador Flávio Dino e de Márlon Reis, da Lei da Ficha Limpa,  que foi candidato a governador do Tocantins. Em Imperatriz há a juíza aposentada Maria da Graça, pré-candidata a prefeita.

Olha aí!

O vice-governador Carlos Brandão (PR) vai ganhando espaço dentro do grupo de Flávio Dino (PCdoB) para ser o candidato em 2022. Tem a simpatia do próprio governador, que considera natural a pré-candidatura de Brandão. Vai precisar de muita habilidade para não ferir o senador Weverton Rocha (PDT), que demonstra estar decidido a disputar a sucessão estadual. É aguardar.