Sem nome?

Será se o PSDB não tem nenhum nome nos seus quadros para disputar a Presidência da República de igual para igual com Jair Bolsonaro e um candidato da esquerda? Percebe-se que não, porque o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, a maior estrela do parido, demonstra entusiasmo pela pré-candidatura do apresentador da TV Globo, Luciano Huck.  Inclusive tem acompanhado encontros do global com lideranças políticas. Recentemente Huck se reuniu com o governador Flávio Dino (PCdoB), gerando especulações de que o maranhense poderia compor a chapa. Na última eleição presidencial, em 2018, o PSDB teve como candidato o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que pelo visto já está descartado para 2022.

E...

Já se fala em um encontro do governador Flávio Dino com o ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva. Seria no dia 17 deste mês, em São Paulo. Claro que o assunto entre o comunista e o petista giraria em torno das eleições de 2020 e 2022.  Dino sonha com o apoio do PT, caso Lula não consiga ser candidato. 

Olha aí!

Depois que O PROGRESSO abordou a questão da falta de uma ponte para dar acesso ao município de São Félix de Balsas e o senador Roberto Rocha se comprometer a viabilizar a construção, o governo do estado já se manifestou prometendo fazer a obra. O secretário de Estado da Infraestrutura, Clayton Noleto, informou que “a construção da ponte já foi licitada e será lançada a ordem de serviço logo após a reabertura do orçamento”. Então, é aguardar. 

Cirurgias

Ontem o governador Flávio Dino destacou que em 2019 a rede estadual de Saúde realizou 57.000 cirurgias eletivas e prometeu mais para este ano. “Estamos finalizando o planejamento para aumentarmos esse número em 2020”, assegurou. 

E agora?

Com a saída de Jair Bolsonaro do PSL, como ficam aqueles filiados que esperavam ser candidatos pelo partido e aproveitar-se da popularidade do presidente da República? O sonho de muitos deve ter ido de água abaixo. A solução seria se filiar ao novo partido de Bolsonaro, o “Aliança pelo Brasil”. Só que para as eleições deste ano, a sigla precisar estar criada antes de abril. O partido promete enviar ao TSE as assinaturas necessárias para a criação dentro do prazo.      

The end

O PSL corre risco de ter o mesmo destino do PRN de Fernando Collor de Mello, que sem o ex-presidente da República acabou desaparecendo. Assim como o PSL, na eleição de Collor o PRN elegeu um grande número de parlamentares.

Punição

O Projeto de Lei em tramitação na Câmara dos Deputados determina que usar de recursos com o único objetivo de dificultar o andamento de uma licitação será considerado ato lesivo à administração pública, sujeito a punição por litigância de má-fé. A proposta, de autoria do deputado  Gilberto Abramo (Republicanos-MG), altera a Lei Anticorrupção, que define os atos considerados lesivos à administração pública, como fraudar licitação, pagar propina a agente público e dificultar fiscalizações, além das punições.